Arquivo da tag: vitaminas

Rúcula traz benefícios para o coração e combate o câncer

Por: terra saúde

odas as verduras são saudáveis, mas a rúcula se destaca por ser uma rica fonte de vitaminas e minerais. Em comparação com a alface, por exemplo, ela contém cerca de oito vezes mais cálcio, cinco vezes mais vitaminas A, C e K, e quatro vezes mais ferro. A escolha é fácil: uma salada de rúcula faz você uma pessoa mais saudável.

rúcula

Adicionar a rúcula ao cardápio contribui para o combate a doenças cardiovasculares. Foto: iStock, Getty Images

Nutrientes encontrados na rúcula

A rúcula é um membro da família dos crucíferos, gênero que compreende alguns dos alimentos mais saudáveis ​​do mundo, incluindo brócolis e couve. Portanto, não é de estranhar que este vegetal tenha uma riqueza de benefícios à saúde.

Devido aos altos níveis de ácido fólico e antioxidantes, como a vitamina C, K e A, ela é eficaz contra os radicais livres. É rica em carotenóides, assim como muitos outros minerais, como potássio, manganês, ferro e cálcio, que são elementos benéficos para a saúde.

O consumo de dois copos deste vegetal fornece 20% da vitamina A, 50% da vitamina K e 8% da vitamina C, do ácido fólico e do cálcio que uma pessoa precisa diariamente.

rúcula

Benefícios para a saúde com o consumo de rúcula

Câncer

Durante os últimos 30 anos, comer quantidades elevadas de vegetais crucíferos tem sido associado a um risco menor de câncer. Estudos têm sugerido que os compostos contendo sulforafano, que dão aos vegetais crucíferos seu sabor amargo, são fundamentais no combate ao câncer.

Recentes pesquisas têm apontado, agora, que o sulforafano é capaz de retardar ou impedirprincipalmente o melanoma e os cânceres de esôfago, próstata e pâncreas. Os estudiosos têm concluído que o composto pode inibir a progressão de células cancerígenas.

Além disso, conforme um levantamento publicado no Nutrition Journal, em 2004, a clorofila presente na rúcula, quando em temperatura elevada, é eficaz para bloquear os efeitos do câncer.

Osteoporose

A baixa ingestão de vitamina K é associada ao maior risco de fratura óssea. Portanto, seu consumo adequado melhora a saúde óssea. A vitamina K age como um modificador de proteínas da matriz óssea, melhorando a absorção de cálcio e reduzindo a excreção urinária desse mineral.

A rúcula também contribui para a sua necessidade diária de cálcio, proporcionando 64 mg em 2 xícaras.

Diabetes

As folhas verdes contêm um antioxidante conhecido como o ácido alfa-lipoico, que pode reduzir os níveis de glicose, aumentar a sensibilidade à insulina e impedir alterações oxidativas induzidas pelo estresse em pacientes com diabetes.

Coração

Rica em vitaminas C e K, a rúcula também fornecer benefícios significativos para as pessoas que buscam reduzir o risco de doença cardíaca ou outras doenças cardiovasculares.

Um estudo publicado no Journal of American College of Nutrition descobriu que as pessoas que consomem um suplemento diário de vitamina C apresentam, dentro de dois meses, uma queda de 24%em seus níveis de PCR. Especialistas acreditam que os níveis de PCR de uma pessoa são uma medida mais precisa do que os níveis de colesterol quanto ao risco de doença cardíaca nas pessoas.

Por outro lado, a vitamina K melhora a saúde cardiovascular porque estimula que o cálcio vá para os ossos – e não para as artérias.

Os NUTRIENTES NÃO AGEM ISOLADAMENTE, mas sim em SINERGIA ou até em ANTAGONISMO.

Por Rosane Cincinatus Nutricionista

Os NUTRIENTES NÃO AGEM ISOLADAMENTE, mas sim em SINERGIA ou até em ANTAGONISMO. Vejamos alguns exemplos:

✅ O Magnésio e Ferro parecem ser necessários para a conversão da Vitamina D em moléculas com maior atividade biológica (25-hidroxi-vitamina D e 1α,25-dihidroxi-vitamina D).
✅ A Vitamina D parece influenciar a hepcidina, que por sua vez afecta negativamente a absorção e status de ferro.
✅ Existe alguma evidência (ainda que limitada) que suplementar com Vitamina D e cálcio alguém que não ingere quantidades adequadas de Vitamina K, em especial Vitamina K2, poderá causar calcificação arterial.
✅ O aumento da ingestão de iodo (através de alimentos ou suplementos) por alguém genéticamente predisposto (no que à autoimunidade se refere) e que tem baixa ingestão de cisteína e/ou deficiência de selénio, magnésio e de vitaminas B1, B2, B3 e B6 (nutrientes essenciais para uma adequada síntese e redução de glutationa e para uma correta atividade da enzima antioxidante Glutationa Peroxidase) poderá resultar em Tiroidite.
✅ O Folato interage com vários nutrientes, como, por exemplo, a Vitamina B12, pelo que a suplementação isolada de folato poderá mascarar ou agravar a deficiência de B12.
✅ A Anemia ferropénica nem sempre envolve apenas a deficiência de Ferro.
✅ Uma excessiva ingestão de Zinco poderá causar deficiência de Cobre.
✅ O aumento da ingestão de ácidos gordos Ómega-3 poderá ser pouco eficaz se o paciente tiver um elevado consumo de ácido linoleico.
✅ A Vitamina B12 influencia o “status” de DHA (um ácido gordo da família Ómega-3 abundante no sistema nervoso central)

A Nutrição é uma disciplina científica complexa, pelo que, na minha opinião, só quando a virmos dessa forma e abandonarmos as visões simplistas (que incluem receitas iguais para todos) é que poderemos de fato fazer a diferença.
.
Tenha seu Nutricionista!!
.

Vitaminas e Nutrientes

Por:  Blog Biologia Total

1. O que é um nutriente?

Um nutriente é qualquer substância usada no metabolismo corporal adquirida através da alimentação. As vitaminas e os aminoácidos essenciais são exemplos de nutrientes.

 

2. Qual a diferença entre macro e micronutrientes?

O critério de classificação dos nutrientes em macro e micronutrientes não tem nenhuma relação com o tamanho das moléculas. Macronutrientes são aquelas substâncias que o organismo necessita em grande quantidade, como por exemplo, proteínas e carboidratos. Os micronutrientes são nutrientes no qual o organismo precisa em baixas quantidades, como no caso das vitaminas.

 

3. De acordo com a função que exercem como os nutrientes podem ser classificados?

Uma classificação bastante útil e funcional é aquela que separa os nutrientes em três grupos: energéticos, estruturais e regulatórios.

Os nutrientes energéticos são aqueles usados como fonte de energia pelo metabolismo, na maioria das vezes essa função é exercida pelos carboidratos, porém, lipídios e proteínas também podem ser usados para tal fim.

Os nutrientes estruturais são aqueles utilizados no suporte e na estruturação das células e tecidos. Eles são os aminoácidos que em conjunto, formam proteínas como o colágeno, a hemoglobina, a albumina, etc.

Os nutrientes regulatórios são aqueles que formam as enzimas e coenzimas responsáveis pela homeostase (equilíbrio funcional), metabolismo osmótico e equilíbrio eletrolítico das células. Alguns aminoácidos, vitaminas e sais minerais fazem parte deste grupo.

4. O que são vitaminas? Quais são as principais vitaminas necessárias aos seres humanos?

A maioria das vitaminas atuam como coenzimas (substâncias fundamentais para o funcionamento das enzimas) e não são produzidas pelo organismo, precisando serem obtidas através da alimentação.

As vitaminas mais importantes para os seres humanos são as vitaminas A, C, D, E, K, além das vitaminas do complexo B (incluindo o ácido fólico, a biotina e o ácido pantotênico).

 

5. Qual a diferença entre as vitaminas hidrossolúveis e as lipossolúveis? Por que as lipossolúveis podem causar problemas se consumidas em excesso?

As vitaminas hidrossolúveis são aquelas solúveis em água. Já as vitaminas lipossolúveis são aquelas solúveis em óleos e gorduras (lipídios). A vitamina C e as vitaminas do complexo B são exemplos de vitaminas hidrossolúveis. As vitaminas A, D, E e K são exemplos de vitaminas lipossolúveis.

O fato das vitaminas lipossolúveis não serem solúveis em água, faz com que o organismo tenha dificuldade em excretá-las.  Exatamente por isto, a tendência dessas vitaminas é acumular-se nos tecidos, produzindo efeitos tóxicos quando são ingeridas em quantidades superiores as necessárias.

 

6. Quais são os maiores problemas ocasionados pela deficiência de vitamina A? Como está vitamina atua nos mecanismos da visão?

A deficiência da vitamina A (retinol) no organismo pode causar cegueira noturna, ressecamento da córnea e predisposições ao aparecimento de lesões na pele.

 

7. O que é ácido fólico? Por que a anemia causada pelo sua deficiência é conhecida como anemia megaloblástica?

O ácido fólico (chamado de folato quando na forma ionizada) é uma coenzima que participa da síntese e duplicação do DNA. Por esta razão, ele é fundamental para o processo de divisão celular. Caso não haja quantidade suficiente de ácido fólico dentro das células com alto grau de renovação, como é o caso das células vermelhas do sangue, elas acabam por terem a sua produção reduzida.

Na deficiência de ácido fólico, as células percursoras (reticulócitos), que originam os eritrócitos (glóbulos vermelhos), iniciam o processo de divisão celular de forma muito lenta, enquanto que o crescimento do citoplasma destas células que estão se dividindo, continua normal. Assim, as células acabam se tornando anormalmente grandes, um efeito típico desta anemia chamada de anemia megaloblástica.

A anemia megaloblástica também pode ser causada pela deficiência da vitamina B12 (cianocobalamina), pois esta vitamina também é importante para a divisão celular.

 

8. Quais são as vitaminas que formam o complexo B? E quais são os problemas associados a falta destas vitaminas?

As vitaminas do complexo B são: tiamina (B1), riboflavina (B2), niacina (B3). Estas três vitaminas são importantes na constituição das moléculas aceptoras de hidrogênio (FAD, NAD e NADP) envolvidas no metabolismo energético. Além delas ainda fazem parte do complexo B a piridoxina (B6) e a cianocobalamina (B12).

A deficiência da vitamina B1 causa beribéri, falta de apetite e fadiga. A carência de vitamina B2 causa lesões na mucosa da boca, língua e lábios. A deficiência em niacina causa problemas neurológicos, distúrbios digestivos, perda de energia e pelagra. A falta de vitamina B6 causa lesões na pele, irritação e convulsões. A vitamina B12 age junto com o ácido fólico e sua carência gera problemas no processo de divisão célula causando anemia perniciosa (um tipo de anemia megaloblástica).

A absorção da vitamina B12 depende de uma substância denominada fator intrínseco que é secretada pelo estômago.

 

9. Como a vitamina C age no organismo? Qual problema é causado pela sua carência? Por que a falta de vitamina C era conhecida como a doença do “marinheiro”?

A vitamina C, ou ácido ascórbico, participa do metabolismo do colágeno que é fundamental para a integridade dos capilares sanguíneos.

Escorbuto é o nome da doença causada pela falta de vitamina C. Este problema se caracteriza por lesões na pele, lábios, gengiva, nariz e articulações. O escorbuto era conhecido como a doença do marinheiro porque nas expedições marinhas do passado, não era comum haver comida a bordo que continha vitamina C, como as frutas cítricas, por exemplo. Por este motivo, muitos marinheiros desenvolviam o escorbuto.

10. Por que não se podem aquecer os alimentos que contém vitamina C?

Para a obtenção da vitamina C, como por exemplo, de um doce de laranja, a comida que contém esta vitamina não pode ser aquecida. Isto ocorre porque a vitamina C é termolábil, sendo inativada com o calor.

 

11. Qual é a relação entre a vitamina D e o banho de sol?

A vitamina D, ou calciferol, inicia seu processo de síntese na pele devido à ação dos raios ultravioletas do sol sobre moléculas precursoras. Depois ela é transformada na forma ativa no fígado e nos rins.

 

12. Qual doença é causada pela deficiência de vitamina D? Quais tecidos são afetados?

A falta de vitamina D causa uma doença conhecida como raquitismo. Este problema se caracteriza pela descalcificação dos ossos e deformação dos mesmos. Esta vitamina é fundamental para a absorção de cálcio contribuindo para a manutenção da saúde do tecido ósseo.

 

13. Qual a função da vitamina E? Em quais alimentos ela pode ser encontrada?

A vitamina E, ou tocoferol, é uma vitamina lipossolúvel que participa como coenzima na cadeia respiratória (etapa final da respiração celular aeróbica). A sua deficiência pode causar esterilidade, aborto espontâneo e distrofia muscular.

Esta vitamina pode ser encontrada no germe de trigo, leite, ovos e vegetais folhosos.

14. Por que alguns tipos de hemorragia são atribuídos a carência de vitamina K?

A deficiência de vitamina K predispõe ao aparecimento de hemorragias devido ao fato dela ser de fundamental importância para a formação da protrombina no processo de coagulação do sangue.

 

15. Qual a função da biotina e do ácido pantotênico no organismo? Como essas vitaminas são obtidas?

A biotina, também conhecida como vitamina B8, é uma vitamina que age no metabolismo de vários aminoácidos. O ácido pantotênico ou vitamina B5 é importante para a respiração celular aeróbica, pois atua no transporte do radical acetil.

A fabricação da biotina é fabricada por bactérias que vivem no interior do tubo digestório humano (interação harmônica interespecífica) de forma suficiente para garantir as necessidades diárias do organismo. A biotina e o ácido pantotênico são encontrados nos vegetais, cereais, ovos, peixe, leite e carne magra.

16. Quais sais minerais são responsáveis pelo controle da pressão osmótica celular?

Os principais sais minerais que atuam na regulação da pressão osmótica dentro das células e tecidos são o cloro, o sódio e o potássio.

 

17. Qual é a principal função celular do potássio?

Além de ser de importante para o mecanismo de regulação osmótica e equilíbrio ácido-base da célula (PH), o potássio é fundamental para os mecanismos de excitação dos nervos e contração dos músculos.

18. Quais são os sais minerais presentes na dieta que atuam como coenzimas?

São eles: magnésio, zinco e cobre.

19. Qual a doença causada pela deficiência de iodo na dieta?

A falta de iodo no organismo causa o hipotireoidismo, que é uma queda anormal na produção dos hormônios da tireoide que precisam de iodo para serem formados.

20. Qual a importância de uma dieta rica em ferro? Qual doença é causada pela carência deste nutriente?

O ferro é um importante constituinte da molécula de hemoglobina e de enzimas que atuam na digestão e no metabolismo energético. Uma dieta pobre em ferro, causa anemia devido à queda da concentração de hemoglobina no sangue. Vale salientar que durante a gravidez, o feto consome muito ferro, podendo causar anemia na mãe.

Como altas doses de vitamina C matam as células cancerígenas

Por: www.essentialnutrition.com.br

A maioria das terapias anticâncer com vitamina C envolve tomá-la por via oral. No entanto, os cientistas da UI demonstraram que administrar a vitamina C por via intravenosa – evitando assim o metabolismo normal do intestino e vias de excreção – cria níveis sanguíneos que são 100 a 500 vezes superiores aos níveis observados com a ingestão oral. E é esta concentração super alta no sangue que é crucial para a capacidade da vitamina atacar as células cancerígenas.

 

Trabalhos anteriores do especialista em biologia redox da UI Garry Buettner descobriram que nesses níveis extremamente altos (na faixa milimolar), a vitamina C mata seletivamente células cancerígenas, mas não células normais no tubo de ensaio e em camundongos. Médicos dos hospitais e clínicas da UI estão testando a abordagem em ensaios clínicos para o câncer de pâncreas e câncer de pulmão, nos quais combinam alta dose intravenosa de vitamina C com quimioterapia padrão ou radiação. Ensaios anteriores de fase 1 indicaram que este tratamento é seguro e bem tolerado e sugeriram que a terapia melhora os resultados dos pacientes. Os ensaios atuais e maiores visam determinar se o tratamento melhora a sobrevida.

 

Em um novo estudo, publicado recentemente na edição de dezembro (2016) da revista Redox Biology, Buettner e seus colegas abordaram os detalhes biológicos de como altas doses de vitamina C (também conhecida como ascorbato) mata células cancerígenas.

 

O estudo mostra que a vitamina C se quebra facilmente, gerando peróxido de hidrogênio, uma espécie de oxigênio reativo que pode danificar tecido e DNA. O estudo também mostra que as células tumorais são muito menos capazes de remover o peróxido de hidrogênio prejudicial do que as células normais.

 

“Neste trabalho, demonstramos que as células cancerígenas são muito menos eficientes na remoção de peróxido de hidrogênio do que as células normais. Assim, as células cancerígenas são muito mais propensas a danos e morte por uma quantidade elevada de peróxido de hidrogênio”, explica Buettner, professor de radiação oncológica e membro do Holden Comprehensive Cancer Center na Universidade de Iowa. “Isso explica como níveis muito elevados de vitamina C utilizados em nossos ensaios clínicos não afetam o tecido normal, mas podem ser prejudiciais para o tecido tumoral.”

 

As células normais têm várias maneiras de remover o peróxido de hidrogênio, mantendo-o em níveis muito baixos para que não cause danos. O novo estudo mostra que uma enzima chamada catalase é a rota central para a remoção de peróxido de hidrogênio gerado pela decomposição da vitamina C. Os pesquisadores descobriram que as células com menores quantidades de atividade da catalase foram mais suscetíveis a danos e morte quando foram expostas a altas quantidades de vitamina C.

 

Buettner diz que esta informação fundamental pode ajudar a determinar quais os cânceres e terapias poderiam ser melhorados pela inclusão de altas doses de ascorbato no tratamento.

 

“Nossos resultados sugerem que os cânceres com níveis baixos de catalase são provavelmente os mais sensíveis à alta dose de vitamina C terapia, enquanto que os cânceres com níveis relativamente elevados de catalase podem ser os menos responsivos”, explica ele.

 

Um objetivo futuro da pesquisa é desenvolver métodos para medir os níveis de catalase em tumores.

 

Traduzido por Essential Nutrition

 

 

Fonte: https://www.sciencedaily.com/releases

 

Saiba quais vitaminas e minerais fortalecem o sistema imunológico

Por: Nutricionista Natália de Oliveira

O nosso organismo está exposto a bactérias, fungos, vírus e demais agentes que podem apresentar perigo quando estamos com o nosso sistema imunológico fragilizado. Essa fragilidade do nosso sistema de defesa pode nos levar a apresentar resfriados, gripes, infecções e até mesmo outras doenças mais graves como o câncer. O sistema imune é responsável por combater a ação negativa destes agentes. Alguns fatores podem contribuir de forma negativa, fragilizando ainda mais a nossa imunidade, tais como: estresse físico, ambiental como a poluição, emocional como a depressão por exemplo, e o mais importante que seria uma alimentação desequilibrada, com deficiência de alguns nutrientes.

O indivíduo que faz uso de uma alimentação completa, rica em frutas, legumes, verduras e grãos, está mais bem preparado imunologicamente para combater a ação destes agentes estranhos. Esses alimentos apresentam vitaminas e minerais importantes que irão manter o nosso sistema imune mais forte. Ao contrário daqueles que ingerem somente alimentos mais gordurosos, industrializados, com excesso de açúcar e pobre em hortaliças em geral, frutas e grãos.

As principais vitaminas e minerais que fortalecem a nossa imunidade são: Vitaminas A, C, E e ácido fólico, juntamente com os minerais Zinco e Selênio.

Alimentos fontes:

Vitamina A: Pode ser encontrada em alimentos de origem animal como leite e ovos, vegetais folhosos como brócolis e couve e os vegetais com a coloração amarelada como cenoura e abóbora.

Vitamina C: Os principais alimentos fonte de vitamina C são: Frutas tipo abacaxi, acerola, goiaba, laranja, limão, tangerina, kiwi, caju e morango. Legumes e verduras tipo pimentão, rúcula, alho, cebola, repolho, espinafre, tomate, brotos de verduras, agrião e alface.

Vitamina E: Os principais alimentos considerados fonte de vitamina E são: óleos vegetais (soja, palma, amendoim, milho, cártamo, girassol, oliva), nozes, sementes de girassol, kiwi, gérmen de trigo, vegetais de folhas verdes, grãos integrais, peixes e leite de cabra.

Ácido fólico: Encontrado em alimentos como feijão, laranja (200 ml de suco = 75 mcg de ácido fólico), amêndoas, amendoim, lentilhas (1 xícara cozida = 360 mcg de ácido fólico), levedura, cereais, espinafre, brócolis, couve e todos os vegetais verdes (10 folhas de alface = 136 mcg de ácido fólico), soja, milho, avelã, caju, tomate, cogumelos, ovos (1 unidade = 24 mcg de ácido fólico, leite e cerveja.

Zinco: As principais fontes de alimentos ricos em zinco são ostras, camarão, carnes bovina, de frango e de peixe, fígado, gérmen de trigo, grãos integrais, castanhas, cereais, legumes e tubérculos. Frutas e hortaliças em geral, são pobres em Zinco e são menos aproveitadas pelo organismo.

Selênio: O selênio é um mineral com um alto poder antioxidante, facilmente absorvido pelo organismo , encontrado especialmente na noz e em alguns vegetais cultivados em solos ricos em selênio, além da carne de animais que pastaram em solos ricos em selênio.

Além das vitaminas e minerais, existem alguns alimentos que contribuem para fortalecer ainda mais o nosso sistema imunológico, tais como: iogurtes e leite fermentado (tem ação probiótica, onde possuem microorganismos vivos que recuperam a flora intestinal e fortalecem o sistema imune), alho (agente antibacteriano), cogumelo shitake (possui uma substância que aumenta as células de defesa do organismo)e gengibre (contribui também para o fortalecimento do sistema imune).

Uma alimentação completa, equilibrada, rica em frutas, legumes, verduras e grãos, nos proporciona nutrientes que fortalecem o nosso sistema imunológico. É bastante simples combater a ação destes agentes, basta manter uma alimentação saudável, colorida e variada, adquirindo então qualidade de vida e tempo de saúde por mais tempo.