Arquivo da tag: tratamentos alternativos

Melhor a Verdade que Choca do que a Mentira que MATA!

Por: Giseli Santos 

Grupo Facebook: FOSFOETANOLAMINA/SUPLEMENTOS-É SEU DIREITO SABER. É SEU DIREITO ESCOLHER

Prezados,
 
Sei que a frase é chocante e que muitos irão me criticar por causa dela, mas não me importo. A intenção é chocar mesmo porque, talvez, desta forma, as pessoas parem de depositar suas esperanças em uma cápsula e entendam que é preciso muito mais do que isso para uma resposta EFICAZ em seu tratamento.
A “fosfoetanolamina sintética”, composto formado pela síntese de fosfoetanolamina, cálcio, zinco e magnésio é um “sinalizador” de células consideradas defeituosas, ruins, diferenciadas ou seja lá que nomes queiram dar a essas células.
O composto é estudado em vários Países e por vários cientistas mas, até o momento, não foi feito nenhum teste clínico SÉRIO e com uma síntese eficaz e segura para que se saiba a dosagem para cada caso, os tipos de tumores em que ela é eficaz, o que significa “dose de ataque” e quando ela é necessária, quais as consequências do chamado “efeito rebote” e quando ele ocorre, possíveis efeitos colaterais e o principal: se entre esses efeitos, existiria algum que poderia piorar a situação do paciente ao invés de ajudá-lo, etc.
Sabemos que após o Laboratório de Química da USP ter sido fechado, algumas empresas passaram a produzir o composto conhecido como fosfoetanolamina sintética, entretanto, são TODOS diferentes da síntese que era produzida no Laboratório de Química da USP, inclusive o composto produzido pela PDT PHARMA.
O termo “pílula do câncer” foi criado pela Imprensa, em uma tentativa de desmoralizar o composto e os Pesquisadores porque é sabido, desde a década de 60 que Hans Niepper tratava pacientes com ESCLEROSE MÚLTIPLA, com sucesso, utilizando a sua síntese de fosfoetanolamina e cálcio, o famoso calcium AEP. Mesmo não contendo o zinco e o magnésio, Niepper observou melhora com o uso do seu composto em alguns dos seus pacientes com câncer e notou que outros, que tinham pré-disposição para desenvolvê-lo, não foram acometidos por ele.
Já há alguns relatos de que o composto de algumas marcas auxilia no tratamento ou controle de outras doenças, FATO QUE PRECISA SER ESTUDADO, como alzheimer, parkinson, artrite, artrose, diabetes, fibromialgia, asma, depressão, portanto, o termo “pílula do câncer” para este composto, não se adequa, embora seja muito procurado por pacientes oncológicos e seu uso seja pouco conhecido em outras patologias.
Hoje temos no mercado compostos de diversas marcas, alguns em sua forma simples, outros elaborados com a técnica avançada da nanotecnologia que fortalece o sistema imunológico e combate os efeitos colaterais da quimioterapia, outros acrescidos de vitamina D, losna e graviola, entre outras substâncias, entretanto, assim como o composto que era produzido na USP, NENHUMA DELAS SE PROPÕE A CURAR NENHUM PACIENTE DE NENHUMA PATOLOGIA.
Houve remissões apenas com o uso do composto? Segundo alguns relatos que existem, SIM, houve. Mas, as pessoas que obtiveram essa remissão utilizavam apenas o composto? Não sabemos.
Quando a fosfoetanolamina nos foi apresentada, foi como uma ferramenta para dar aos pacientes terminais por quem a medicina convencional não podia fazer mais nada, QUALIDADE DE VIDA.
E isso nós vimos acontecer muito com o composto produzido na USP e com alguns compostos existentes hoje no mercado.
A CURA ou REMISSÃO TOTAL, como preferirem chamar, é tão ou mais complexa que a própria doença porque depende muito, não do tipo do tumor, como acreditamos ao lermos a frase “a fosfo cura TODOS os tipos de câncer”, muito divulgada em vários vídeos e textos. NÃO!!! Ela “sinaliza” TODOS os tipos de células tumorais, o que é bem diferente. Sinalizar é uma coisa, curar é outra completamente diferente.
Para que haja CURA ou REMISSÃO é preciso observar alguns fatores. Dentre eles estão:
  • O sistema imunológico do paciente está apto a atacar as células tumorais?
  • O paciente tem alguma infecção?
  • O paciente apresenta algum grau de desnutrição?
  • Tem algum tipo de anemia?
  • O fígado desse paciente está saudável?
  • Como estão os rins desse paciente?
  • Ele se alimenta por sonda?
  • Faz algum tratamento convencional?
  • Como está a absorção de vitaminas e minerais, tão necessários ao bom funcionamento do organismo, por esses pacientes?
  • Há algum tipo de intoxicação no sangue desse paciente?
  • Os intestinos desse paciente, órgão importantíssimo para a saúde do corpo humano, está funcionando regularmente? Esse órgão está perfeitamente saudável, livre de parasitas e bactérias ruins e estranhas ao nosso organismo?
  • O paciente passa por algum quadro grave de depressão, síndrome do pânico, ansiedade, etc?
  • Toma algum medicamento que pode inibir o efeito do composto?
  • Qual o grau do tumor desse paciente? Em que órgão ele se localiza? Tem metástases? Em que órgãos?
  • E muitas outras questões.
Pois é… o grande problema em se pregar a CURA pelo composto é nos esquecermos que o composto não resolve a maioria dos problemas acima e, dependendo do quadro, a maioria deles pode ser FATAL. Muitos se esquecem de cuidar desses problemas, focam toda a sua atenção apenas no câncer e depositam todas as suas esperanças de cura em uma cápsula. E aí, perdemos amigos, parentes, conhecidos e saímos dizendo que a “fosfo” não funcionou, que ela não CUROU a pessoa que amamos.
Bom, primeiramente, ela não foi criada para CURAR o câncer e nenhuma outra patologia. Ela foi criada para dar QUALIDADE DE VIDA e isso, muitos dos compostos hoje existentes têm feito.
Para quem está sentindo dores alucinantes, não consegue dormir, se alimentar, não reconhece as pessoas que ama por depender de morfina, na minha opinião, é de enorme ajuda ter um composto que retire a dor, que permita que o paciente possa ter uma boa noite de sono, se alimentar e sentir o sabor dos alimentos, reconheça seus familiares e possa ter vida social, de acordo com o que suas condições físicas e psicológicas permitam.
Com essa ajuda, estando o paciente lúcido e sem dor, aí sim, busca-se a CURA ou REMISSÃO. Como?
Bem, a primeira coisa a se fazer, além do regular acompanhamento do médico oncologista, é buscar um médico nutrólogo, um nutricionista funcional (muitos oncologistas trabalham junto a esse profissional da saúde) ou um Terapeuta Ortomolecular.
Mas o que esse profissional irá fazer para te ajudar que o oncologista não faz?
Esse profissional irá cuidar das questões levantadas acima, entre outras, DE FORMA NATURAL, sem química tóxica, até porque, na maioria das vezes o organismo já está recebendo alto grau de toxicidade pelos tratamentos convencionais e medicamentos alopáticos, além de auxiliar o paciente na promoção da desintoxicação do organismo e, eventualmente, de órgãos que tenham sido afetados por essa toxicidade.
Então, ENTENDAM, por favor: o composto, cujas várias marcas hoje existem no mercado, E NENHUM É FALSO como muitos ainda pregam, assim como o composto que ERA produzido na USP, é UM GRANDE ALIADO NO TRATAMENTO DO CÂNCER E OUTRAS PATOLOGIAS.
ALIADO, NÃO TRATAMENTO ÚNICO.
Eu entendo quem está em estado de negação e quer colocar todas as suas esperanças neste composto. Quem insiste em dizer “não, não é verdade, a “fosfo cura”, não precisa de mais nada… infelizmente, perdemos muitos amigos devido a essa negação e falsa crença. Perdemos por anemia, desnutrição, infecção, falência de órgãos importantes onde o câncer não estava, mas foram debilitados pelo estado do paciente e não foram devidamente tratados, perdemos porque o “foco” estava apenas no câncer. E, claro, a causa vai ser sempre o câncer, raramente será o que de fato levou o paciente a óbito.
Não escrevo essa nota para que se convençam de nada e nem para que concordem comigo. Escrevo porque acredito ser minha obrigação como administradora de vários grupos e ativista pelos TESTES CLÍNICOS SÉRIOS E COM UMA SÍNTESE EFICAZ.
Há casos em que pacientes ingeriram TRÊS CÁPSULAS, QUATRO, SEIS e até NOVE cápsulas diárias.
Então: qual é a dosagem correta para cada caso? Não sabemos. Quem poderá fazer o controle de eficácia durante o uso, adequando as dosagens a cada indivíduo e cuidando de todas as necessidades do organismo? Creio que não será o oncologista. E é aí que um médico nutrólogo, um nutricionista ou um Terapeuta Ortomolecular são indispensáveis para aliar o composto conhecido como fosfoetanolamina sintética a outros tratamentos alternativos e terapias naturais para tentar alcançar a cura ou remissão. Mesmo que seja aliado à quimioterapia e outros tratamentos convencionais.
UM ÚNICO TRATAMENTO SOZINHO pode trazer a remissão ou a cura? Claro que pode. Qualquer um deles pode: quimioterapia, radioterapia, cirurgia, auto-hemoterapia, Terapia Gérson, Dieta Cetogênica, graviola, aranto, avelós, FÉ, etc., entretanto, além de serem poucos os casos em que isso acontece, deve-se observar o que foi feito além do uso de uma única substância, se houve a ação do efeito placebo, não se pode desprezar o poder da fé em muitos casos e, por fim, os pontos elencados acima sobre o estado geral de cada paciente, o estágio do câncer, se tem metástases, em que órgãos, enfim, estamos falando de CÂNCER e não de uma gripe. E mesmo a gripe, se não tratada corretamente pode ser fatal, imaginem um câncer.
Então, queridos, perdoem o título da nota, mas foi proposital, para que entendam que existem várias alternativas, entre elas a fosfo, mas que NENHUMA delas sozinha é capaz de trazer a remissão ou curar qualquer patologia porque as pessoas são mais do que uma doença e tem muitas necessidades para além da enfermidade que estão passando, necessidades essas que se agravam devido à enfermidade e, por isso, NÃO PODEM SER IGNORADAS E PRECISAM SER TRATADAS COM RESPONSABILIDADE E PELO PROFISSIONAL HABILITADO A FAZÊ-LO.
Sei que haverá comentários nesta nota de pessoas dizendo que se curaram só com químio, só com fosfo, só com avelós e por aí vai e eu acredito que existam mesmo. Mas também sei que muitos se foram por acreditarem que uma alternativa sozinha era a cura, portanto, esta nota não é para quem conseguiu a remissão, mas para quem a procura porque o indivíduo é único, sua patologia não é igual a nenhuma outra e, portanto, o seu tratamento também é individualizado porque deve respeitar as suas necessidades e carências nutricionais, além da assistência psicológica, se for o caso e emocional porque, lembrem-se, a CURA começa na mente e o primeiro passo é a INFORMAÇÃO.
Informe-se, leia, estude e conheça. Não faça julgamentos sobre nada a partir da opinião de terceiros. Busque informação de qualidade para formar a SUA opinião porque ninguém está vivendo a sua dor. E acredite: a remissão é possível, na maioria dos casos, desde que todas as as decisões sejam tomadas de forma racional e os envolvidos estejam bem informados sobre todas as alternativas que existem para o caso.
E, CUIDADO com quem disser que um produto ou um tratamento, sozinho, CURA o câncer. Não é verdade, não sozinho. E, MAIS CUIDADO AINDA com quem afirma que apenas uma marca é verdadeira, original e o restante é falso ou “farinha”. Além de ser uma grande mentira, quem diz isso pode estar tirando de você, no mínimo, a chance de aliviar suas dores, a chance de você ter mais qualidade de vida o que, na minha opinião, é DESUMANO.
À disposição,
 

FOSFOETANOLAMINA/SUPLEMENTOS-É SEU DIREITO SABER. É SEU DIREITO ESCOLHER!!!

Secretaria de Saúde utiliza cada vez mais fitoterápicos em tratamentos médicos

Por: Agência Brasília

A experiência popular alinhada ao conhecimento cientifico dos farmacêuticos da Secretária de Saúde é uma fórmula que deu certo. Prova disso é o Núcleo de Farmácia Viva, que há 29 anos trabalha na produção de medicamentos cuja matéria-prima ativa são os vegetais, os chamados fitoterápicos. A Secretaria distribuiu, de forma gratuita, à população do Distrito Federal, no ano passado, cerca de 27 mil medicamentos em 21 Unidades Básicas de Saúde. A intenção é aumentar a estrutura para ampliar a produção.

“Há 30 anos falar em fitoterápico e atenção primária era um tabu. Hoje, não. Prova de que deu certo é que a Farmácia Viva está há tanto tempo funcionando bem e atendendo cada vez mais gente”, comemora Nilton Neto, chefe do Núcleo.

Localizada no Riacho Fundo 1, a Farmácia Viva atualmente ocupa o espaço da antiga residência do ex-presidente da República Ernesto Geisel. No local, trabalha uma equipe de 13 funcionários. Entre eles, farmacêuticos e técnicos responsáveis por produzir, em média, 2.300 fitoterápicos ao mês.

O secretário de Saúde Osney Okumoto estuda a possibilidade de reformar e ampliar a estrutura da Farmácia Viva, iniciativa pioneira no Brasil em relação ao fornecimento de medicamentos fitoterápicos para a rede pública de saúde. “Esta é uma experiência exitosa”, elogia Okumoto. “Mas já está no limite da sua produção, em decorrência do tamanho da área do laboratório disponível. Como secretário e farmacêutico, quero participar desse projeto de ampliação e oferecer condições melhores”, afirmou, ressaltando que o local é uma construção antiga e tem a necessidade de expansão.­­­­

Plantas

As plantas usadas na confecção das fórmulas são cultivadas de forma orgânica na área da própria Farmácia Viva e, também, nos terrenos do Complexo Penitenciário da Papuda e do Centro Nacional de Recursos Genéticos, parceiros do projeto.

Após a colheita, as ervas são selecionadas, secadas em estufa e trituradas até se transformarem em pó. Com o material, é feita a extração da tintura ou extrato com álcool. A exceção é para a babosa, que é utilizada na versão fresca para a produção do gel cicatrizante. Todos os medicamentos produzidos são certificados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Resultados

O resultado é percebido no dia a dia, com a farmácia sempre cheia de pessoas à procura dos fitoterápicos. “Esses medicamentos têm uma credibilidade muito grande junto à população porque agregam cultura com pesquisa científica. É a junção da tradição com a ciência. Por serem mais naturais, eles têm uma maior aceitação do paciente”, explica Josias Junior, enfermeiro que há 30 anos trabalha na secretária de Saúde.

É importante ressaltar que mesmo sendo medicamentos de origem vegetal, os fitoterápicos não podem ser usados sem a prescrição de um médico, farmacêutico, enfermeiro ou de um nutricionista. “O ideal é que eles sempre passem antes por um especialista da saúde, pois há outros problemas como hipertensão, diabetes ou uso de outras medicações. Não é porque é natural que não faz mal”, afirma Fernanda Melchior, médica de Família e Comunidade.

A paciente Lindalva Alves da Paixão, moradora de Taguatinga, utiliza o gel de baleeira, carro-chefe da Farmácia Viva, há um ano e meio. “Ele faz muito bem para mim, eu prefiro remédios fitoterápicos. Os efeitos são mais lentos, porém significativos. A minha irmã usou a tintura de boldo e tintura de funcho e gostou muito, também”, conta Lindalva.

Produtos

A Farmácia Viva produz nove medicamentos, de sete plantas diferentes. As principais plantas medicinais cultivadas no local são:

Guaco: auxilia no tratamento de gripe, resfriado e infecções respiratórias que apresentam muco;

Babosa: ajuda na cicatrização de machucados;

Boldo: auxilia na digestão;

Erva baleeira: antiinflamatório em dores associadas a músculos e tendões;

Alecrim pimenta: antisséptico e antimicótico escabicida.

Confrei: cicatrizante, equimoses hematomas e contusões.

Tintura de funcho: antiflatulento, antidispéptico e antiespasmódico.

O que é Fitoterapia?

Por: Livraria Florence

A prática é bastante antiga e não se sabe ao certo quando teve início. Vinculada às práticas culturais e locais, a fitoterapia se baseia no uso de plantas na cura de doenças e enfermidades. A produção dos medicamentos é feita através de extratos vegetais, sem isolamento dos princípios ativos. Chamados de fitocomplexos, a extração utiliza todas as substâncias encontradas na planta. Os produtos podem resultar em pomadas, chás, inalantes, comprimidos ou farelos, que auxiliam na aquisição de mais qualidade de vida e bem-estar, associados ou não aos tratamentos alopáticos.

fitoterapia

PARA QUE SERVE A FITOTERAPIA?

Fitoterapia é considerada uma especialidade médica, que é tratada na área da medicina alopática, ao contrário da homeopatia e da acupuntura, que são terapias alternativas. Porém, hoje já é vista não só como alternativa, mas sim uma ferramenta que serve como complemento para a promoção da saúde.

A fitoterapia já faz parte da nossa realidade e cada vez mais fará, pois já é uma técnica comprovada cientificamente e muito indicada entre os médicos como um complemento a alguns tratamentos.

 

PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS NA FITOTERAPIA

As plantas medicinais utilizadas através da fitoterapia constam do uso de suas flores, sementes, cascas, diluições e extrato.

A camomila, por exemplo, é utilizada em forma de chá e serve para acalmar, melhorar as funções intestinais, e aliviar as dores de cabeça.

O Ginseng, por outro lado, favorece e estimula a energia corporal, combate o estresse e é tido como um potente afrodisíaco.

Para cada problema de saúde há um tipo de planta medicinal que pode ser usada como forma de prevenção ou tratamento, mas há benefícios estéticos que também podem ser favorecidos pela fitoterapia como, chá de alfavaca, ou, chá alecrim, para a calvície, e chá verde para perder barriga.

CONTRAINDICAÇÕES DA FITOTERAPIA

Apesar das plantas poderem ser usadas de forma natural e caseira pela fitoterapia, algumas delas possuem elementos que podem fazer mal à saúde de determinadas pessoas como, mulheres grávidas, hipertensos, ou pessoas propensas a desenvolver processos alérgicos. Por isso, convém sempre consultar um médico em caso de dúvidas.

Os chás também podem causar irritação no estômago se tomados regularmente, sem uma indicação adequada, ou, por mais de 3 vezes ao dia.