Arquivo da tag: tratamento convencional

Como funciona a Quimioterapia

Por: wecancer

A quimioterapia é um tratamento importantíssimo contra o câncer, que utiliza a administração de medicamentos com a finalidade de destruir e inibir o desenvolvimento de células malignas. No entanto, pelo fato de gerar alguns efeitos colaterais no organismo, como vômitos, diarreia e queda dos cabelos, muitos pacientes ficam em dúvida quanto à sua administração. Por este motivo, é importante entender como funciona a quimioterapia.

Pensando nisso, elaboramos este post para esclarecer os principais pontos, que incluem sua indicação, medicamentos utilizados e tipo, para mostrar como ela pode ser uma ótima aliada no combate ao câncer. Confira!

Como funciona a quimioterapia?
Os quimioterápicos são medicamento especializados em destruir e impedir o desenvolvimento de células cancerosas. Após administrados, esses medicamentos se misturam com o sangue e são transferidos para todas as regiões do corpo, assim, conseguem matar as células doentes que estão constituindo o tumor e evitar que continuem crescendo.

Para quem a quimioterapia é indicada?
Não são todos os pacientes que precisam receber a quimioterapia, já que muitos tipos de câncer são curados somente com cirurgia ou radioterapia. No entanto, quando a doença é diagnosticada, vários fatores são avaliados pelo médico oncologista para indicar o tratamento mais adequado, que pode incluir a quimioterapia sozinha ou em combinação com a radioterapia.

Quanto maior forem as chances do tumor voltar depois da cirurgia, mais indicado é que o tratamento envolva a quimioterapia. Em alguns casos, o câncer é diagnosticado em estágio avançado, quando a cura não é mais possível, porém, é possível desacelerar o avanço da doença com a quimioterapia e, dessa forma, prolongar o tempo de vida do paciente.

Quais são os tipos de quimioterapia?
Existem vários protocolos e esquemas de quimioterapia. Como funciona a quimioterapia?
Ela é prescrita pelo médico conforme o tipo, gravidade ou estágio do câncer e condições clínicas de cada indivíduo. A quimioterapia pode ser classificada como:

curativa: quando é capaz de curar o câncer sozinha;
adjuvante ou neoadjuvante: quando é aplicada antes ou depois da cirurgia para retirada do tumor ou radioterapia, com a finalidade de complementar a terapia e buscar a eliminação da doença de maneira mais efetiva;
paliativa: quando não tem o objetivo curativo, mas age para aumentar o tempo e melhorar a qualidade de vida da pessoa portadora do câncer.

Como o tratamento é administrado?
A quimioterapia é administrada pela equipe de enfermagem, e pode ser feita das seguintes formas:

via oral (boca): o paciente ingere o medicamento na forma de comprimidos, cápsulas e líquidos. Esse método também pode ser realizado em casa;
via intravenosa (veia): a medicação é aplicada diretamente na veia ou via cateter (tudo fino inserido na veia), na forma de injeções ou soro;
via intramuscular (músculo): o medicamento é aplicado por intermédio de injeções no músculo;
via subcutânea (pele): a medicação é administrada por injeções por baixo da pele;
via intracraneal (espinha dorsal): é uma administração menos utilizada, que pode ser aplicada no líquor (líquido da espinha), pelo próprio médico ou no bloco cirúrgico;
via tópica (sobre a mucosa ou pele): o medicamento é aplicado na região atingida.

Quais são as diferenças entre quimioterapia branca e quimioterapia vermelha?

Muitas pessoas diferem a quimioterapia branca e vermelha pela cor do medicamento. No entanto, essa diferenciação não é adequada, tendo em vista que existem vários tipos de medicamento utilizados para a quimioterapia, que não podem ser determinados somente pela cor.

Na quimioterapia branca existe o grupo dos remédios conhecidos como taxanos (Docetaxel e Paclitaxel), que são usados para tratar vários tipos de câncer, como os de pulmão e mama, e geram efeitos colaterais como: redução das células de defesa do corpo e inflamação nas mucosas.

Na quimioterapia vermelha está o grupo das Antraciclinas (Epirrubicina e Doxorrubicina), usadas para agir em diversos tipos de câncer em crianças e adultos. Como por exemplo, câncer de mama, leucemias agudas, tireóide, rins e ovários, provocando efeitos colaterais como náuseas e dores abdominais, além de serem tóxicas ao coração.

O remédio mais apropriado será definido pelo médico, depois de uma avaliação minuciosa e todos os fatores que compõe o estado de saúde do paciente.

Quais são os efeitos colaterais da quimioterapia?
Pelo fato da quimioterapia ser um tratamento destinado a destruir células doentes com rápido crescimento, acabam afetando também células saudáveis, provocando efeitos colaterais. Veja os mais comuns:

fraqueza;
diarreia;
perda de peso;
feridas nas mucosas;
enjoo;
vômitos;
tonteiras;
constipação intestinal;
dor;
fadiga;
queda de cabelo do corpo;
alterações na cor da pele e unhas, entre outros.
Um dos efeitos colaterais mais graves ocorre quando o medicamento atua sobre a medula. Como esse órgão é responsável pela produção de células sanguíneas novas, as plaquetas, glóbulos brancos e vermelhos acabam sendo afetados, provocando sangramentos, anemias intensas e diminuição da imunidade.

Quanto tempo dura o tratamento da quimioterapia?
A duração do tratamento dependerá do tipo de tumor e de cada caso em particular. Ainda que a pessoa sinta qualquer mal-estar, as administrações dos medicamente não deverão ser suspensas. Apenas o médico responsável é que indicará o fim do tratamento.

Quais são os cuidados necessários durante o tratamento quimioterápico?
Alguns cuidados são muitos importantes para garantir o bem-estar durante o tratamento. Por exemplo:

seguir estritamente as orientações do médico, principalmente sobre possíveis sintomas e efeitos colaterais e o que precisa ser feito caso os tenha;
manter uma alimentação saudável, evitando os alimentos que sejam de difícil digestão;
beber água o suficiente, pelo menos dois litros de água por dia;
ter boas noites de sono;
procurar o médico em caso de febre prolongada, entre outros.
Agora você entende melhor como funciona a quimioterapia, como funciona, quais seus tipos e por quais motivos ela gera tantos efeitos colaterais, que muitas vezes podem causar um certo medo. Por ser um tratamento importante, em caso de qualquer dúvida sobre a doença, procure seu médico para esclarecê-las, afinal, isso é fundamental para a sua confiança e bem-estar durante o tratamento.