Arquivo da tag: minerais

Atletas – A importância dos minerais

Ao lado das vitaminas, essas substâncias são os principais reguladores da saúde e das funções orgânicas do corpo

O consumo adequado de energia, macronutrientes (proteínas, carboidratos e lipídeos) e de micronutrientes (vitaminas e minerais) é fundamental para a manutenção da performance, da composição corporal e da saúde dos indivíduos.

As vitaminas e os minerais participam de processos celulares relacionados ao metabolismo energético, contração, reparação e crescimento tecidual e muscular; defesa antioxidante, resposta imune , ritmo cardíaco, condução do impulso nervoso, transporte de oxigênio e saúde óssea. Apesar de sua relativa escassez na dieta e no organismo, os minerais, juntamente com as vitaminas, são os principais reguladores da saúde e das funções orgânicas.

As necessidades de minerais podem ser atendidas por uma dieta variada e equilibrada, através de um “prato colorido”. Os sais minerais são substâncias inorgânicas, ou seja, não podem ser produzidos por seres vivos. Os mais conhecidos :

MINERALRECOMENDAÇÕESFONTE ALIMENTARFUNÇÃO
Cálcio1000 mgLeite, iogurte, queijos, peixes, gema do ovo, hortaliças verdes,
gergelim e feijão
– Formação de tecidos, ossos
e dentes;
– age na coagulação do sangue e na oxigenação dos tecidos;
– combate as infecções e mantém o equilíbrio de ferro no organismo.
Cromo35 mg – homens 
25mg – mulheres
Frutos do mar, carne, cereais
integrais, nozes e grãos
– Atua no metabolismo da glicose e das gorduras.
– Possui atividade farmacológica notável a nível da tolerância da glicose nos tecidos humanos.
Cobre900 ugFrutos do mar, cereais integrais, curry, fígado e
gérmen de trigo
– Formação do sangue e dos ossos
– liberação de energia dos alimentos
– produção de melanina
– faz parte da enzima antioxidante superóxido dismutase.
Flúor4 mg – homens
3mg – mulheres
Água potável fluoretada– Forma ossos e dentes
– previne dilatação das veias
– cálculos da vesícula e paralisia
Iodo150 ugSal iodado, frutos do mar (como peixes, moluscos e e crustáceos), leite, verduras folhosas e frutas– Necessário para a produção do hormônio da tireoide.
– envolvido na taxa de metabolismo, crescimento e reprodução.
Ferro8 mg – homens
18 mg – mulheres
Gema de ovo, fígado, carnes e vísceras de cor vermelha, leguminosas, vegetais verdes e folhosos– Formação da hemoglobina;
– atua como veiculador do oxigênio para todo o organismo
Magnésio420 mg homens
320mg mulheres
Gérmen de trigo, nozes, damasco, tofu, água de coco, camarão, cereais integrais, soja, acelga, quiabo– Atua na formação dos tecidos, ossos e dentes
– ajuda a metabolizar os carboidratos;
– controla a excitabilidade neuromuscular
Manganês2,3 mg – homens
1,8 mg – mulheres
Cereais integrais, castanhas, nozes, chás, avelã, soja, tofu e vegetais verdes folhosos– Importante para o crescimento
– intervém no aproveitamento do cálcio, fósforo e vitamina B1
Molibdênio
45 ugGérmen de trigo, feijão, vegetais verdes folhosos, fígado e cereais integrais– Participa de varias enzimas,
– metabolismo do DNA e de mecanismos de excreção de ácido úrico
Fósforo700 mgLeite, peixe, fígado, ovos e feijão– Atua na formação de ossos e dentes;
– indispensável para o sistema nervoso e o sistema muscular
– junto com o cálcio e a vitamina D, combate o raquitismo
Selênio55 ugCereais integrais, castanha do Pará, frutos do mar, semente de girassol, carne e algasFunção antioxidante
Zinco11 mgPão integral, frutos do mar, feijão, carne magra, semente abóbora, nozes, leite, iogurte e queijo– Atua no controle cerebral dos músculos
– ajuda na respiração dos tecidos
– participa no metabolismo das proteínas e carboidratos
– necessário para a ação de enzimas
– saúde do sistema imunológico
– maturação sexual masculina
– crescimento e formação de tecidos
Potássio
4,7 gFrutas secas, frutas frescas, banana, cítricas, vegetais crus ou cozidos, vegetais verdes folhosos e batata– Manutenção do líquido intracelular,
– contração muscular,
– condução nervosa,
– freqüência cardíaca,
– produção de energia
– síntese de proteínas e ácidos nucléicos.
Sódio
1,5 gSal de cozinha, carnes e produtos com base de carne, embutidos, queijos, bacon, sopa, vegetais enlatados, pão e cereais matinais– Equilibra os líquidos corporais,
– juntamente com o potássio e cloreto,
– manutenção do equilíbrio ácido básico,
– excitabilidade de músculos
– controla a pressão osmótica.

* A Ingestão Diária Recomendada (IDR) ou Referência de Ingestão Diária (RID) do inglês Reference Daily Intake (RDI) é o nível de ingestão diária de um nutriente que é considerado suficiente para atender as exigências de 97-98% de indivíduos saudáveis em todos os lugares dos Estados Unidos (onde foi desenvolvido, mas desde então tem sido utilizado em outros lugares).

Cristiane Perroni é nutricionista formada pela UFRJ e pós-graduada em Obesidade e Emagrecimento. Tem especialização
em Nutrição Clínica pela UFF e trabalha com consultoria e
assessoria na área de nutrição.

Estudos recomendam tratar a depressão com magnésio em vez de antidepressivos.

Por: www.atividadesei.com

Tratar a depressão com magnésio em vez de antidepressivos.


Uma nova opção foi lançada recentemente no mundo da medicina. Um remédio natural que pode ajudar a tratar a depressão também, talvez até melhor do que os medicamentos anteriores para a depressão. É sobre magnésio. O magnésio é um mineral que o corpo anseia naturalmente e estudos recentes mostraram que o tratamento da depressão com 248 mg de magnésio por dia pode levar a uma surpreendente reversão dos sintomas dessa doença.

Atualmente no mundo existem 350 milhões de pessoas que sofrem de alguma forma de depressão. Isso é 5% da população mundial. Como esta condição se torna um diagnóstico mais popular, deve haver alternativas para a prescrição comum de antidepressivos.

Os antidepressivos podem fazer maravilhas e realizar milagres, mas eles ainda podem filtrar as toxinas do corpo que podem causar dependência, problemas de saúde piores e outras condições de saúde mental.

A depressão é frequentemente causada por um desequilíbrio de substâncias químicas no cérebro. Medicamentos para a depressão podem curar esses desequilíbrios, mas geralmente deixam alguns efeitos colaterais, como náuseas, ganho de peso, insônia, boca seca e visão turva.

Para algumas pessoas, os efeitos colaterais são mínimos e quase inexistentes, mas, para outros, os efeitos colaterais podem ser tão horríveis quanto a depressão. Muitas dessas pessoas estão procurando um novo tipo de tratamento, que pode curá-las sem causar outro tipo de dano.

Magnésio e seu papel nas reações bioquímicas

O magnésio é um nutriente vital que muitas vezes é deficiente nas dietas modernas. Nossos antigos antepassados ​​teriam um suprimento completo desse mineral de carnes orgânicas, frutos do mar, água mineral e até mesmo nadando no oceano, mas os solos modernos podem não ter minerais e o magnésio é removido da água durante o tratamento municipal de rotina.

Importa se formos um pouco deficientes? Bem, o magnésio desempenha um papel importante nas reações bioquímicas em todo o corpo. Ele está envolvido em muitas atividades de transporte celular, além de ajudar as células a gerar energia de maneira aeróbica ou anaeróbica. Seus ossos são um importante reservatório de magnésio, e o magnésio é o contra-íon do cálcio e do potássio nas células musculares, inclusive no coração.

Se o seu magnésio for muito baixo, poderá sentir cãibras musculares, arritmias e até morte súbita. A regulação iônica é toda sobre como os músculos se contraem e os nervos enviam sinais. No cérebro, o potássio e o sódio se equilibram. No coração e outros músculos, o magnésio absorve parte da carga.

O magnésio é importante para o cérebro

Isso não significa que o magnésio não seja importante no cérebro. Ao contrário! O magnésio é um antigo remédio caseiro para tudo o que o incomoda, incluindo ansiedade, apatia, depressão, dores de cabeça, insegurança, irritabilidade, inquietação, discrição e mau humor.

Em 1968, a Wacker e Parisi relatou que a deficiência de magnésio pode causar depressão , distúrbios de comportamento, dores de cabeça, cãibras musculares, convulsões, ataxia, psicoses e irritabilidade, todos repletion magnésio reversível.

O estresse é o mal aqui, além de nossas lamentáveis ​​dietas deficientes em magnésio. Como no caso de outros minerais, como o zinco, o estresse nos faz desperdiçar nosso magnésio.

O aumento do estresse aumenta a perda de magnésio, e o ambiente pode não substituí-lo facilmente. Como o magnésio é um mineral tão importante para o cérebro como parte de quase todas as partes da resposta ao estresse, recuperação e reparo, parece óbvio estudar como o magnésio se relaciona com a função cerebral e doenças comuns relacionadas. com estresse, como depressão clínica.

Foi até descoberto que, em alguns estudos, o magnésio é útil para pessoas com fibromialgia e depressão grave e diabetes tipo II .

O estudo

Em um estudo, os pesquisadores usaram um design cruzado como controle. Nas primeiras semanas do estudo, metade dos pacientes tomaram cloreto de magnésio (12% de magnésio elementar e quase 100% de biodisponibilidade), e, em seguida, na segunda fase do estudo, a primeira metade desconectado de magnésio, enquanto a outra metade se retirou.

Os pacientes tomaram o suplemento. O estudo não foi enorme, mas também não foi pequeno, com 126 participantes deprimidos. A escala utilizada para medir a depressão foi o PHQ9, e a pontuação média foi pouco acima de 10, o que corresponde a uma depressão moderada.


Alguns pacientes tomaram medicação, outros em terapia, outros não tomaram, mas a chave principal é que outros tratamentos para a depressão não mudaram no decorrer do estudo, apenas o cloreto de magnésio foi adicionado.

Os participantes receberam 2000 mg (248 mg de magnésio elementar) diariamente por 6 semanas em um tempo imediato ou tardio (até a semana 7, cruzando). Escores de depressão, em média, durante o julgamento foram reduzidos em 6 pontos, o que trouxe a média de depressão moderada a leve ou depressão mínima, uma mudança clinicamente importante.

Os escores de ansiedade também melhoraram. Os participantes relataram cãibras musculares reduzidas, dor e desconforto, prisão de ventre e dores de cabeça diminuiu durante o teste de magnésio (sabe-se que todos estes melhorar com suplementação de magnésio e são sinais de depleção de magnésio).

Quando perguntados após o julgamento se continuariam com o magnésio, mais de 60% disseram que sim. Aqueles que não se queixaram de que o magnésio não ajudou ou causou diarreia.

O efeito positivo da suplementação de magnésio desapareceu dentro de 2 semanas após a descontinuação do suplemento, indicando uma depuração relativamente rápida.

Notas importantes

1. Embora a associação entre magnésio e depressão esteja bem documentada, o mecanismo é desconhecido. No entanto, o magnésio desempenha um papel em muitas das vias, enzimas, hormônios e neurotransmissores envolvidos na regulação do humor.

2. É um antagonista do cálcio e um bloqueador dependente de voltagem do canal N-metil-D-aspartato que regula o fluxo de cálcio no neurônio. Em baixos estados de magnésio, altos níveis de cálcio e glutamato podem desregular a função sináptica, resultando em depressão.

3. Depressão e magnésio também estão associados à inflamação sistêmica. A descoberta de que os participantes que tomaram um ISRS (inibidor seletivo de recaptação de serotonina) experimentaram um efeito positivo ainda maior aponta para o possível papel do magnésio em aumentar o efeito dos antidepressivos.

4. A suplementação de magnésio é barata e segura. A quantidade de magnésio neste ensaio foi abaixo da quantidade diária recomendada de magnésio elementar, e desde que você tenha rins normais, é difícil pegar muito.

5. Para depressão, constipação, dores de cabeça, pernas inquietas ou fibromialgia, faz sentido pelo menos tentar magnésio por algumas semanas. Aqueles que preferem não suplementar podem ser encorajados a adicionar nozes, sementes e chocolate amargo à sua dieta diária, se não forem consumidos.

6. O magnésio pode interferir com alguns medicamentos e vice-versa; portanto, antes de tomá-lo, verifique se o magnésio acompanha a medicação que você está tomando atualmente. Sempre consulte seu médico.

Selênio: essencial ao bom funcionamento da tireóide

Por: https://www.belezasaudeecorpo.com/

selênio é um mineral que possui uma série de benefícios para o corpo humano. Ele aumenta a resistência do sistema imunológico (fazendo com que o corpo consiga combater as doenças com mais eficiência).

Ele também diminui a probabilidade de ocorrência de doenças cardiovasculares pela sua ação benéfica para o coração.

Outra ação positiva do selênio é a desintoxicação, principalmente no que se refere aos metais pesados.

O sistema reprodutor masculino também é beneficiado pela ação do selênio, pois ele melhora a fertilidade do homem.

Um exemplo de alimento rico em selênio é a castanha-do-pará, que contém até 4000 microgramas de selênio por unidade.

Falando de maneira geral, o selênio colabora na prevenção do câncer, pois seu poder antioxidante tem efeito rápido.

Outros exemplos de alimentos ricos em selênio: farinha de trigo, pão francês, gema de ovo, frango cozido, clara de ovo, arroz, queijo, entre outros.

Para quem procura emagrecer, o selênio ajuda bastante, pois ele atua por meio da glândula tireoide, o que influencia na produção de hormônios. A ingestão controlada e moderada de selênio permite que a tireoide regule o metabolismo do corpo, fazendo o organismo queimar mais gordura em vez de reter. O ganho de massa muscular é outro benefício direto da substância.

Alguns suplementos alimentares que possuem selênio são: super slim x e o turbo slim.

 

Maca peruana: como tomar e benefícios

Por: minhavida

Tubérculo originário da Cordilheira dos Andes, a maca peruana é uma planta cujo formato se assemelha a um rabanete. Ela ficou famosa quando alguns de seus benefícios ganharam destaque, como o poder de elevar a libido e de ajudar no emagrecimento.

Com o objetivo de prevenir doenças, auxiliar em tratamentos e até ajudar a perder peso, a maca peruana se tornou a nova queridinha de quem busca uma alimentação equilibrada. Fonte de vitaminas, minerais, proteínas, fibras e mais uma incansável lista de outros nutrientes, não demorou para que ela começasse a chamar a atenção do público brasileiro. Conheça mais benefícios da maca peruana:

Aumento da libido

Um dos grandes destaques da maca é seu efeito na libido. Um estudo conduzido por um pesquisador da Universidad Peruana Cayetano Heredia, no Peru, observou os efeitos da maca em homens com idades entre 24 e 44 anos durante quatro meses. Os resultados mostraram aumento da quantidade de sêmen, na contagem de espermatozoides e na motilidade espermática.

Outras pesquisas destacaram ainda que a ingestão do tubérculo aumentava o desejo sexual e reduzia os níveis de estresse e ansiedade do indivíduo. Acredita-se que o alimento tenha ação sobre o hipotálamo e as glândulas suprarrenais, o que lhe conferiria tais efeitos estimulantes.

Muitas pessoas consideram carboidratos os grandes vilões do emagrecimento, mas isso não passa de mito. Quem deseja perder peso de forma saudável deve se preocupar com as calorias ingeridas e seguir um plano que contemple dieta e exercícios.

Assim, embora mais da metade da composição da maca peruana seja de carboidratos (59%), ela pode ajudar quem deseja emagrecer por ser rica em fibras, que aumentam a saciedade, reduzindo o apetite.

Entretanto, apenas o consumo do alimento sem qualquer mudança de hábito ou acompanhamento não apresentará mudanças significativas. Junto com um plano alimentar, por outro lado, ganha-se um grande aliado.

Combate o diabetes

A maca peruana pode prevenir o desenvolvimento do diabetes de duas maneiras: ela diminui a velocidade da absorção de glicose pelo corpo graças ao alto teor de fibras e também inibe a ação de uma enzima que atua no processo de digestão. Isso evita a liberação de grandes quantidades de insulina de uma só vez, o que poderia levar à resistência celular à substância, favorecendo o diabetes.

Protege o coração

A maca peruana contém ômega 3, que protege a saúde cardiovascular graças a seu efeito vasodilatador e regulador do colesterol. O ômega 9 nela presente também atua sobre o colesterol, diminuindo o nível total e do colesterol ruim (LDL) e aumentando as taxas do bom colesterol (HDL). Para completar, aminoácidos da maca peruana estão envolvidos no controle de gorduras no sangue e da hipertensão.

Previne a osteoporose

A osteoporose é uma grande preocupação principalmente do público feminino após a menopausa, quando os níveis de estrógeno, hormônio que protege os ossos, diminuem no organismo. Neste caso, a indicação do uso da maca peruana pode funcionar como uma medida de prevenção da doença, já que 100 g oferecem 150 mg de cálcio.

Auxilia no tratamento da anemia

Em 100 g de maca peruana é possível obter 16.6 mg de ferro, nutriente que em baixas concentrações no organismo pode levar à anemia ferropriva. A necessidade diária do nutriente varia de 11mg a 8mg para homens e de 15mg a 18mg para mulheres, conforme a idade. O ferro é um nutriente fundamental para a síntese de células vermelhas do sangue e para o transporte de oxigênio. Para aumentar a biodisponibilidade do nutriente no organismo, lembre-se de consumi-lo com alguma fonte de vitamina C para ajudar na absorção.

Fortalece o sistema imunológico

A maca peruana também é conhecida por funcionar como um revigorante para o organismo. Ela é conhecida como uma planta adaptógena, que como o próprio nome sugere, auxilia na adaptação à condições adversas do ambiente, aumentando a força e a resistência muscular.

Ameniza os efeitos da menopausa

A maca alivia os sintomas comuns da menopausa, como ondas de calor, sem os efeitos colaterais de tratamentos químico-hormonais disponíveis no mercado. A atuação do alimento sobre os níveis hormonais é, até o momento, a melhor hipótese para explicar a relação. Diminuição da fadiga, elevação na libido e barreira contra a desidratação da pele são algumas das características observadas com o consumo do alimento.

Informação Nutricional da Maca Peruana (porção de 100 gramas)

Calorias325 kcal16%
Carboidratos71,4g24%
Proteínas14,3g29%
Gorduras totais3,6g5%
Gorduras saturadas
Gorduras monoinsaturadas
Gorduras poliinsaturadas
Fibra alimentar7,1g29%
Cálcio250mg25%
Ferro14,8mg82%
Potássio2000mg57%
Cobre6mg300%
Vitamina C285mg475%
Vitamina B61,1mg57%

Referência: Self Nutrition Data

Como consumir Maca Peruana

Ela pode ser encontrada em farmácias e laboratórios de manipulação, mas é um nutricionista, nutrólogo ou outro profissional que irá definir a dose a ser consumida por cada pessoa. A maca peruana costuma ser consumida em pó ou em cápsulas.

A dose recomendada é de 400 a 1000 mg/dia, na forma de cápsulas ou pó. O importante no caso de qualquer fitoterápico é verificar a origem, pureza e concentração do produto, portanto, verificar se a maca que vai consumir é de procedência segura.

Referências

Israel Adolfo, especialista em fisiologia pela Unifesp

www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12472620

Roberto Navarro, nutrólogo e membro da Associação Brasileira de Nutrologia

O Que São Minerais Quelatos? Para Que Serve?

Por: www.mundoboaforma.com.br

Frequentemente vemos em fórmulas de alguns suplementos os tais minerais quelatos. Você provavelmente deve estar curioso para saber qual a serventia dos minerais quelatos, mas antes de chegarmos a esse ponto, precisamos conhecer o que são essas substâncias.

A palavra “quelato” significa firmemente anexado ou ligado. E essa ligação geralmente acontece com um aminoácido ou outro tipo de componente orgânico, de forma que os dois não se separem uma vez que se encontrem no sistema digestivo.

Em suma, os minerais quelatos são minerais que são combinados com aminoácidos, dando origem a complexos, que podem ser apresentados como boro quelato, cálcio quelato ou cromo quelato, por exemplo

A produção dos minerais quelatos é complexa: acontece por meio de um sistema que obtém os aminoácidos das proteínas e provoca uma reação com os minerais metálicos em reatores.

 Para que serve um mineral quelato?

O processo de quelação é implementado porque acredita-se que, em alguns casos, ela seja capaz de melhorar a absorção de minerais.

 Os minerais quelatos são divulgados para comercialização como suplementos alimentares superiores a outros suplementos de minerais, sob o argumento de que eles são utilizados mais facilmente pelo corpo do que os minerais não quelatos.

Uma das vantagens dos minerais quelatos é que eles têm uma biodisponibilidade quatro vezes maior. Isso quer dizer justamente que os quelatos apresentam uma melhor absorção.

Como se sabe, os minerais são uma classe de nutrientes fundamentais para diversos aspectos da saúde do nosso organismo. Entretanto, o Ask the Scientists alertou que não é sempre que a absorção de minerais é melhorada pelo processo de quelação.

No mesmo sentido, o WebMD informou que não existem evidências para embasar esse argumento de que os minerais quelatos são utilizados com maior facilidade pelo organismo. Conforme a publicação, são pouquíssimas as informações científicas a respeito do uso dos minerais quelatos.

No entanto, mesmo com esse pouco embasamento científico, a publicação relatou que os minerais quelatos acabam sendo utilizados para o oferecimento de suporte ao crescimento normal, a estabilização do transtorno bipolar, a construção de músculos e ossos fortes e a melhoria do sistema imunológico e a saúde de maneira geral.

Além disso, outra das vantagens dos suplementos de minerais quelatos em relação aos tradicionais é a diminuição dos efeitos colaterais que eles podem provocar em alguns usuários como diarreia, prisão de ventre e problemas gástricos e intestinais.

Entretanto, as evidências em relação à efetividade da utilização dos suplementos de minerais quelatos para melhorar o sistema imunológico, como suplemento alimentar de minerais, para construir ossos e músculos fortes e para tratar outras condições são classificadas como insuficientes.

Em relação ao transtorno bipolar, existe alguma evidência inicial que sugere que alguns casos da condição podem ser estabilizados por um suplemento de mineral quelato.

Uma pesquisa com adultos com o transtorno bipolar, que satisfaça os padrões científicos geralmente aceitos, encontra-se atualmente encaminhada. Porém, ainda assim, as evidências da utilização de suplementos de minerais quelatos para a condição ainda são insuficientes.

Portanto, antes de acreditar nas promessas dos fabricantes de suplementos de minerais quelatos, adquirir um desses produtos e utilizar o suplemento no seu dia a dia para esse ou qualquer outro fim, converse com o seu médico para saber se o produto realmente pode contribuir com o seu caso.

Isso é importante para todos os casos, entretanto é especialmente necessário no caso de uma condição delicada como o transtorno bipolar. Você jamais deve deixar de seguir o tratamento indicado pelo médico que acompanha o seu caso para recorrer a um único suplemento que ainda não teve a sua eficiência comprovada para a condição.

Cuidados com os minerais quelatos 

Como não existem informações suficientes a respeito da utilização dos suplementos de minerais quelatos para mulheres que estejam grávidas ou em período de amamentação de seus bebês, recomenda-se que elas ajam com segurança e evitem o uso da substância durante esses períodos.

No mínimo, é importante que as futuras mamães e as que já estejam na fase do aleitamento consultem os seus médicos para se certificar de que a utilização dos suplementos de minerais quelatos é permitida, não fará mal a ela e ao neném e poderá ser útil de alguma maneira para a sua saúde.

Antes de comprar e começar a fazer o uso de quaisquer suplementos de minerais quelatos, também vale a pena conversar com o médico para se certificar de que o produto não pode interagir com nenhum medicamento, suplemento, planta medicinal ou produto natural que você esteja utilizando no momento.