Arquivo da tag: informação

“A coisa perfeita que meu médico disse sobre minha vida com uma doença sem cura”

Todos nós temos alguma coisa. Não precisa nem ser doença ou uma deficiência. Todos nós temos coisas em nossas vidas que são difíceis.

Por: https://www.contioutra.com

Meu médico estava sentado em sua mesa de frente para seu computador enquanto lia meu prontuário e se atualizou sobre os vários especialistas que eu tinha visto e os exames que eu tinha feito desde a minha última consulta com ele.

Ele se virou e disse: “Então você praticamente se tornou um paciente profissional”.

É verdade. Eu vi vários novos especialistas ultimamente e estou esperando para ver mais alguns. Isso é bom porque significa que depois de anos tentando convencer educadamente meus médicos de que há outras coisas acontecendo, estou finalmente chegando a algum lugar. Eu ainda não sei exatamente onde é “em algum lugar”, mas estou feliz de estar no mesmo caminho e sou grata pelos médicos comprometidos e compreensivos que estão me ajudando a chegar lá.

Mas ainda é difícil. Estou cansada de esperar meses para as consultas chegarem. Estou cansada de experimentar tentativa e erro com novos medicamentos. Estou cansada de não me sentir bem todos os dias. Expressei essa frustração ao meu médico, embora soubesse que não havia nada que ele pudesse fazer a respeito. O que ele me disse, no entanto, realmente ajudou.

Ele disse: “Eu sei. Mas você está fazendo um bom trabalho e acho que está lidando com tudo muito bem.”

Foi a coisa perfeita para se dizer. Não havia pressão sobre mim para me dar um rosto corajoso. Não havia expectativa de que eu deveria estar otimista o tempo todo. Não houve motivação com falsa esperança ou consolo vazio.

Em vez disso, havia consciência da parte “crônica” da minha doença crônica. Havia permissão para ser realista e uma compreensão de que eu estava cansada. Mas também era bom saber que, embora às vezes parecesse estar presa no lugar, sobrecarregada pela minha doença, eu na verdade ainda estava seguindo em frente.

E por tudo isso, também me senti encorajada. Eu estava fazendo um bom trabalho. Eu poderia continuar fazendo isso.

Era exatamente o que eu precisava ouvir, e não posso deixar de pensar que talvez você precise ouvir também.

Então eu quero te dizer que você está fazendo um bom trabalho.

Talvez, como eu, você carregue uma doença crônica ou uma deficiência. Quando você sente que está correndo em círculos em busca de um diagnóstico, está defendendo por si mesmo. Quando você se depara com tratamentos e procedimentos difíceis, está se dando uma chance de um futuro melhor.

E quando você se depara com um tubo de alimentação, uma cadeira de rodas ou qualquer outro dispositivo médico, você está trabalhando dentro de suas limitações para ser o melhor possível e viver uma vida o mais completa possível. Você está fazendo um bom trabalho.

Talvez você ame e cuide de alguém com uma doença crônica ou uma deficiência. Quando você está derrubando as paredes da sua zona de conforto para aprender a cuidar do seu ente querido, você está trabalhando para aceitar o seu novo normal. Quando você está colocando horas de planejamento e preparação para ajudar seu ente querido a continuar com a vida da forma mais normal possível, você está provando que uma vida desafiadora ainda pode ser significativa.

Quando você deixa de lado sua exaustão, dor e medo para ajudar seu ente querido através de seus próprios sentimentos, você está ensinando-o a ser resiliente. Você está fazendo um bom trabalho.

Todos nós temos alguma coisa. Não precisa nem ser doença ou uma deficiência. Todos nós temos coisas em nossas vidas que são difíceis.

Às vezes somos derrotados. Às vezes estamos com raiva de nossas circunstâncias e sentimos pena de nós mesmos. Às vezes nos comparamos com os outros e ficamos com ciúmes daqueles que parecem ter mais facilidade. E tudo bem, porque outras vezes nossos espíritos triunfam.

Outras vezes, escolhemos rir em vez de chorar e optar por sermos gratos pelo que temos em vez de nos sentirmos amargurados com o que perdemos. Outras vezes, nos aproximamos e pegamos tudo o que aprendemos através de nossas lutas para ajudar alguém a enfrentar a sua própria.

Nós não temos tudo o tempo todo. Nós não devemos. Mas nós fazemos o que podemos. Nós fazemos nosso melhor.

Portanto, não tenha medo de se dar algum crédito e reconhecer sua própria força. Não tenha medo de se dar a afirmação de que você precisa. Se você está prosperando ou simplesmente sobrevivendo, você está fazendo o seu melhor.

E você está fazendo um bom trabalho.

Texto de Catherine Richardson para o The Mighty, via Psicologias do Brasil



Melhor a Verdade que Choca do que a Mentira que MATA!

Momento INDIGNAÇÃO passando na sua TL!! NÃO PERMITA que ninguém te dê uma sentença de Morte!!! stopcancerbr.com

Publicado por Claudia Cippolli em Sábado, 23 de fevereiro de 2019

Por: Giseli Santos 

Grupo Facebook: FOSFOETANOLAMINA/SUPLEMENTOS-É SEU DIREITO SABER. É SEU DIREITO ESCOLHER

Prezados,
Sei que a frase é chocante e que muitos irão me criticar por causa dela, mas não me importo. A intenção é chocar mesmo porque, talvez, desta forma, as pessoas parem de depositar suas esperanças em uma cápsula e entendam que é preciso muito mais do que isso para uma resposta EFICAZ em seu tratamento.
A “fosfoetanolamina sintética”, composto formado pela síntese de fosfoetanolamina, cálcio, zinco e magnésio é um “sinalizador” de células consideradas defeituosas, ruins, diferenciadas ou seja lá que nomes queiram dar a essas células.
O composto é estudado em vários Países e por vários cientistas mas, até o momento, não foi feito nenhum teste clínico SÉRIO e com uma síntese eficaz e segura para que se saiba a dosagem para cada caso, os tipos de tumores em que ela é eficaz, o que significa “dose de ataque” e quando ela é necessária, quais as consequências do chamado “efeito rebote” e quando ele ocorre, possíveis efeitos colaterais e o principal: se entre esses efeitos, existiria algum que poderia piorar a situação do paciente ao invés de ajudá-lo, etc.
Sabemos que após o Laboratório de Química da USP ter sido fechado, algumas empresas passaram a produzir o composto conhecido como fosfoetanolamina sintética, entretanto, são TODOS diferentes da síntese que era produzida no Laboratório de Química da USP, inclusive o composto produzido pela PDT PHARMA.
O termo “pílula do câncer” foi criado pela Imprensa, em uma tentativa de desmoralizar o composto e os Pesquisadores porque é sabido, desde a década de 60 que Hans Niepper tratava pacientes com ESCLEROSE MÚLTIPLA, com sucesso, utilizando a sua síntese de fosfoetanolamina e cálcio, o famoso calcium AEP. Mesmo não contendo o zinco e o magnésio, Niepper observou melhora com o uso do seu composto em alguns dos seus pacientes com câncer e notou que outros, que tinham pré-disposição para desenvolvê-lo, não foram acometidos por ele.
Já há alguns relatos de que o composto de algumas marcas auxilia no tratamento ou controle de outras doenças, FATO QUE PRECISA SER ESTUDADO, como alzheimer, parkinson, artrite, artrose, diabetes, fibromialgia, asma, depressão, portanto, o termo “pílula do câncer” para este composto, não se adequa, embora seja muito procurado por pacientes oncológicos e seu uso seja pouco conhecido em outras patologias.
Hoje temos no mercado compostos de diversas marcas, alguns em sua forma simples, outros elaborados com a técnica avançada da nanotecnologia que fortalece o sistema imunológico e combate os efeitos colaterais da quimioterapia, outros acrescidos de vitamina D, losna e graviola, entre outras substâncias, entretanto, assim como o composto que era produzido na USP, NENHUMA DELAS SE PROPÕE A CURAR NENHUM PACIENTE DE NENHUMA PATOLOGIA.
Houve remissões apenas com o uso do composto? Segundo alguns relatos que existem, SIM, houve. Mas, as pessoas que obtiveram essa remissão utilizavam apenas o composto? Não sabemos.
Quando a fosfoetanolamina nos foi apresentada, foi como uma ferramenta para dar aos pacientes terminais por quem a medicina convencional não podia fazer mais nada, QUALIDADE DE VIDA.
E isso nós vimos acontecer muito com o composto produzido na USP e com alguns compostos existentes hoje no mercado.
A CURA ou REMISSÃO TOTAL, como preferirem chamar, é tão ou mais complexa que a própria doença porque depende muito, não do tipo do tumor, como acreditamos ao lermos a frase “a fosfo cura TODOS os tipos de câncer”, muito divulgada em vários vídeos e textos. NÃO!!! Ela “sinaliza” TODOS os tipos de células tumorais, o que é bem diferente. Sinalizar é uma coisa, curar é outra completamente diferente.
Para que haja CURA ou REMISSÃO é preciso observar alguns fatores. Dentre eles estão:
  • O sistema imunológico do paciente está apto a atacar as células tumorais?
  • O paciente tem alguma infecção?
  • O paciente apresenta algum grau de desnutrição?
  • Tem algum tipo de anemia?
  • O fígado desse paciente está saudável?
  • Como estão os rins desse paciente?
  • Ele se alimenta por sonda?
  • Faz algum tratamento convencional?
  • Como está a absorção de vitaminas e minerais, tão necessários ao bom funcionamento do organismo, por esses pacientes?
  • Há algum tipo de intoxicação no sangue desse paciente?
  • Os intestinos desse paciente, órgão importantíssimo para a saúde do corpo humano, está funcionando regularmente? Esse órgão está perfeitamente saudável, livre de parasitas e bactérias ruins e estranhas ao nosso organismo?
  • O paciente passa por algum quadro grave de depressão, síndrome do pânico, ansiedade, etc?
  • Toma algum medicamento que pode inibir o efeito do composto?
  • Qual o grau do tumor desse paciente? Em que órgão ele se localiza? Tem metástases? Em que órgãos?
  • E muitas outras questões.
Pois é… o grande problema em se pregar a CURA pelo composto é nos esquecermos que o composto não resolve a maioria dos problemas acima e, dependendo do quadro, a maioria deles pode ser FATAL. Muitos se esquecem de cuidar desses problemas, focam toda a sua atenção apenas no câncer e depositam todas as suas esperanças de cura em uma cápsula. E aí, perdemos amigos, parentes, conhecidos e saímos dizendo que a “fosfo” não funcionou, que ela não CUROU a pessoa que amamos.
Bom, primeiramente, ela não foi criada para CURAR o câncer e nenhuma outra patologia. Ela foi criada para dar QUALIDADE DE VIDA e isso, muitos dos compostos hoje existentes têm feito.
Para quem está sentindo dores alucinantes, não consegue dormir, se alimentar, não reconhece as pessoas que ama por depender de morfina, na minha opinião, é de enorme ajuda ter um composto que retire a dor, que permita que o paciente possa ter uma boa noite de sono, se alimentar e sentir o sabor dos alimentos, reconheça seus familiares e possa ter vida social, de acordo com o que suas condições físicas e psicológicas permitam.
Com essa ajuda, estando o paciente lúcido e sem dor, aí sim, busca-se a CURA ou REMISSÃO. Como?
Bem, a primeira coisa a se fazer, além do regular acompanhamento do médico oncologista, é buscar um médico nutrólogo, um nutricionista funcional (muitos oncologistas trabalham junto a esse profissional da saúde) ou um Terapeuta Ortomolecular.
Mas o que esse profissional irá fazer para te ajudar que o oncologista não faz?
Esse profissional irá cuidar das questões levantadas acima, entre outras, DE FORMA NATURAL, sem química tóxica, até porque, na maioria das vezes o organismo já está recebendo alto grau de toxicidade pelos tratamentos convencionais e medicamentos alopáticos, além de auxiliar o paciente na promoção da desintoxicação do organismo e, eventualmente, de órgãos que tenham sido afetados por essa toxicidade.
Então, ENTENDAM, por favor: o composto, cujas várias marcas hoje existem no mercado, E NENHUM É FALSO como muitos ainda pregam, assim como o composto que ERA produzido na USP, é UM GRANDE ALIADO NO TRATAMENTO DO CÂNCER E OUTRAS PATOLOGIAS.
ALIADO, NÃO TRATAMENTO ÚNICO.
Eu entendo quem está em estado de negação e quer colocar todas as suas esperanças neste composto. Quem insiste em dizer “não, não é verdade, a “fosfo cura”, não precisa de mais nada… infelizmente, perdemos muitos amigos devido a essa negação e falsa crença. Perdemos por anemia, desnutrição, infecção, falência de órgãos importantes onde o câncer não estava, mas foram debilitados pelo estado do paciente e não foram devidamente tratados, perdemos porque o “foco” estava apenas no câncer. E, claro, a causa vai ser sempre o câncer, raramente será o que de fato levou o paciente a óbito.
Não escrevo essa nota para que se convençam de nada e nem para que concordem comigo. Escrevo porque acredito ser minha obrigação como administradora de vários grupos e ativista pelos TESTES CLÍNICOS SÉRIOS E COM UMA SÍNTESE EFICAZ.
Há casos em que pacientes ingeriram TRÊS CÁPSULAS, QUATRO, SEIS e até NOVE cápsulas diárias.
Então: qual é a dosagem correta para cada caso? Não sabemos. Quem poderá fazer o controle de eficácia durante o uso, adequando as dosagens a cada indivíduo e cuidando de todas as necessidades do organismo? Creio que não será o oncologista. E é aí que um médico nutrólogo, um nutricionista ou um Terapeuta Ortomolecular são indispensáveis para aliar o composto conhecido como fosfoetanolamina sintética a outros tratamentos alternativos e terapias naturais para tentar alcançar a cura ou remissão. Mesmo que seja aliado à quimioterapia e outros tratamentos convencionais.
UM ÚNICO TRATAMENTO SOZINHO pode trazer a remissão ou a cura? Claro que pode. Qualquer um deles pode: quimioterapia, radioterapia, cirurgia, auto-hemoterapia, Terapia Gérson, Dieta Cetogênica, graviola, aranto, avelós, FÉ, etc., entretanto, além de serem poucos os casos em que isso acontece, deve-se observar o que foi feito além do uso de uma única substância, se houve a ação do efeito placebo, não se pode desprezar o poder da fé em muitos casos e, por fim, os pontos elencados acima sobre o estado geral de cada paciente, o estágio do câncer, se tem metástases, em que órgãos, enfim, estamos falando de CÂNCER e não de uma gripe. E mesmo a gripe, se não tratada corretamente pode ser fatal, imaginem um câncer.
Então, queridos, perdoem o título da nota, mas foi proposital, para que entendam que existem várias alternativas, entre elas a fosfo, mas que NENHUMA delas sozinha é capaz de trazer a remissão ou curar qualquer patologia porque as pessoas são mais do que uma doença e tem muitas necessidades para além da enfermidade que estão passando, necessidades essas que se agravam devido à enfermidade e, por isso, NÃO PODEM SER IGNORADAS E PRECISAM SER TRATADAS COM RESPONSABILIDADE E PELO PROFISSIONAL HABILITADO A FAZÊ-LO.
Sei que haverá comentários nesta nota de pessoas dizendo que se curaram só com químio, só com fosfo, só com avelós e por aí vai e eu acredito que existam mesmo. Mas também sei que muitos se foram por acreditarem que uma alternativa sozinha era a cura, portanto, esta nota não é para quem conseguiu a remissão, mas para quem a procura porque o indivíduo é único, sua patologia não é igual a nenhuma outra e, portanto, o seu tratamento também é individualizado porque deve respeitar as suas necessidades e carências nutricionais, além da assistência psicológica, se for o caso e emocional porque, lembrem-se, a CURA começa na mente e o primeiro passo é a INFORMAÇÃO.
Informe-se, leia, estude e conheça. Não faça julgamentos sobre nada a partir da opinião de terceiros. Busque informação de qualidade para formar a SUA opinião porque ninguém está vivendo a sua dor. E acredite: a remissão é possível, na maioria dos casos, desde que todas as as decisões sejam tomadas de forma racional e os envolvidos estejam bem informados sobre todas as alternativas que existem para o caso.
E, CUIDADO com quem disser que um produto ou um tratamento, sozinho, CURA o câncer. Não é verdade, não sozinho. E, MAIS CUIDADO AINDA com quem afirma que apenas uma marca é verdadeira, original e o restante é falso ou “farinha”. Além de ser uma grande mentira, quem diz isso pode estar tirando de você, no mínimo, a chance de aliviar suas dores, a chance de você ter mais qualidade de vida o que, na minha opinião, é DESUMANO.
À disposição,

FOSFOETANOLAMINA/SUPLEMENTOS-É SEU DIREITO SABER. É SEU DIREITO ESCOLHER!!!

Conheça 6 alimentos que ajudam a acelerar o metabolismo


Por: vivabem

Cada vez mais estudos vêm sendo feitos sobre as propriedades funcionais dos alimentos, dentre eles muitos temperos e bebidas que podem prevenir ou combater determinadas condições. Alguns alimentos, como o gengibre, a cúrcuma e o chá verde, apresentam propriedades termogênicas e acabam por acelerar o metabolismo. Por isso, são muitas vezes usados como auxiliares no combate à obesidade e outras doenças metabólicas.

É importante lembrar, no entanto, que só consumir esses alimentos não levará ao emagrecimento, a menos que eles sejam aliados à mudanças de estilo de vida, com adição de exercícios e uma dieta mais saudável (rica em vegetais, fibras, carboidratos integrais e proteínas magras).

Abaixo, apresento alguns desses alimentos e como eles podem contribuir para deixar o metabolismo mais ativo. Lembrando sempre que é importante consultar um médico ou nutricionista antes de fazer uso terapêutico de qualquer coisa, pois cada organismo é particular e reage de formas diferentes.

Gengibre

O gengibre é um rizoma utilizado como tempero há milênios. Nativo da Ásia, é conhecido por seu sabor picante e agradável, e pode ser encontrado fresco ou seco, em pó. Na medicina tradicional chinesa, é muito utilizado para combater uma série de males, como enjoos. É um dos alimentos com propriedades termogênicas, ou seja, contribuem para acelerar o metabolismo, fazendo com que se gastem mais calorias. Isso faz com que o seu consumo seja estimulado por exemplo, para pessoas que estão combatendo a obesidade. Pode ser consumido puro, ralado ou em fatias, ou ainda em conservas e chás. O pó é utilizado para fazer infusões também, ou pode ser usado no preparo de receitas como bolos e pães. Além dessa propriedade de acelerar o metabolismo, o gengibre também contribui para diminuir as gorduras do sangue, ou seja, é benéfico para pessoas que apresentam colesterol elevado, ajudando a combater a aterosclerose.

Também apresenta propriedades anti-inflamatórias, anticancerígenas e hipoglicêmicas.

Cúrcuma

Assim como o gengibre, a cúrcuma, também chamada de açafrão-da-terra, também é um rizoma com muitas propriedades funcionais. Geralmente encontrada sob a forma de pó de cor amarelo intenso, a cúrcuma é riquíssima em antioxidantes e contribui para melhorar o metabolismo como um todo. A curcumina presente nesse alimento age sobre as células gordurosas, ajudando, assim, a diminuir o colesterol “ruim” (LDL) e aumentar o “bom” (HDL). E, também, contribui para uma constante queima de gordura pelo organismo. Pela presença abundante de antioxidantes, possui intensa atividade anti-inflamatória. Contribui ainda para a boa manutenção do sistema hepático. Além da versão em pó, que pode ser utilizada como tempero em cozidos, ensopados, sopas, arrozes e outros pratos doces e salgados, a cúrcuma também pode ser encontrada fresca. Nesse caso, vale ralar o tempero na hora do preparo.

Chá verde

o chá verde é um desses alimentos incensados periodicamente, a cada novo estudo que sai a seu respeito. Elaborado com as folhas da planta Camelia sinensis, essa bebida consumida tradicionalmente pelos povos asiáticos tem efeitos termogênicos e contribui para a queima de gordura. Além da planta própria para infusão, existe ainda o matchá – chá verde em pó –, riquíssimo em antioxidantes, como as catequinas, que contribuem para a saúde do organismo como um todo, com efeitos principalmente sobre o sistema cardiovascular. A cafeína e as catequinas presentes no chá verde estimulam o sistema nervoso, o que também contribui para aumentar a termogênese e a oxidação de gordura. Alguns estudos recentes sugerem ainda que a bebida pode auxiliar também no controle da pressão arterial.

Pimentas

Outro dia comentei aqui sobre os poderes das pimentas, explicando as diferenças entre a pimenta-do-reino e as do gênero Capsicum, como a nossa dedo-de-moça. Estas últimas, ricas em capsaicina, são excelentes para acelerar o metabolismo. Consumidas, em geral, frescas, podem ser usadas em molhos ou como ingrediente para receitas doces e salgadas (chocolate com pimenta dedo-de-moça é uma delícia, e ainda reúne a teobromina e os benefícios adicionais do cacau, como a sensação de bem-estar que provoca). Por estimularem o metabolismo, as pimentas Capsicum, como a dedo-de-moça, a malagueta e a jalapeño, ajudam a queimar mais calorias e, assim, ajudar no combate à obesidade. O consumo de pimenta, porém, encontra a restrição do paladar individual: há os que amam seu poder picante, há os que o odeiam.

Na dúvida, comece com moderação, adicionando algumas gotas de molho ou fatias picadas na comida, para observar seu paladar. As pimentas em pó também causam o mesmo efeito sobre o metabolismo, ajudando o organismo a produzir mais calor.

Canela

Essa especiaria maravilhosa, usada em pau ou em pó, é um coringa para se ter na cozinha, por seu sabor amadeirado, quase doce e ligeiramente picante e seu aroma inconfundível. Combina tanto com sobremesas (quem não ama arroz doce com canela?) quanto com salgados, especialmente em cozidos de carne. É uma especiaria com propriedades termogênicas e que, além de acelerar o metabolismo, também tem efeito sobre os componentes da síndrome metabólica

Assim, seu consumo frequente, em quantidades moderadas, ajuda a reduzir a circunferência abdominal, a diminuir a pressão arterial e a controlar a glicemia e os triglicerídeos. Uma forma deliciosa de usar a canela é na forma de chá.

Você pode adicionar, por exemplo, um pauzinho de canela ao seu chá verde.

Guaraná

O guaraná é uma planta nativa da Amazônia. Embora tenha se tornado mais conhecido pelo refrigerante elaborado com o extrato dessa planta, o guaraná pode ser consumido também na forma de pó, em bastão ralado ou suplementos. Por possuir uma quantidade considerável de cafeína, é um alimento que pode ser usado na substituição do café para os que querem um estímulo a mais no sistema nervoso central, ou seja, uma ajuda para ficar desperto durante o dia. É uma substância estimulante, termogênica e vasodilatadora, contribuindo também para um estado de bem-estar. Além disso, possui ainda propriedades lipolíticas, ou seja, que ajudam a realizar a quebra de gordura, auxiliando no combate à obesidade.

Muitas vezes, é consumido por atletas para ajudar em um melhor desempenho. Na cozinha, o guaraná é mais utilizado na elaboração de de bebidas e xaropes ou como consumo direto, diluído em água ou sucos, para se obter suas propriedades estimulantes. O guaraná também é uma fonte de polifenóis, que atuam como antioxidantes, ajudando a proteger o sistema cardiovascular e combater os efeitos nocivos dos radicais livres.

Se você possui alguma condição específica de saúde, como uma cardiopatia ou hipertensão, ou mesmo se estiver gestante, converse sempre com seu médico antes de apostar nesses alimentos.

O Poder das Crucíferas

Por : Rosane Cincinatus Nutricionista

Indol-3-Carbinol, um fitonutriente promissor na prevenção e no tratamento do câncer😱
👇👇👇👇
Antes da publicação do genoma humano, acreditava-se que a genética comandava a biologia humana, acreditava-se que estávamos indefesos e presos a nossa genética, a nossa hereditariedade. Se por acaso viéssemos a nascer em uma família com históricos de câncer de mama, próstata, etc, estaríamos “condenados” a esta ou aquela doença.

Felizmente depois da publicação do genoma humano, ficou claro que quem dirige a biologia humana não é a genética, e sim, a epigenética, nutrigenética. Mesmo que uma pessoa possua o gene do câncer, através da intervenção da nutrigenética, é possível silenciar a expressão gênica desse câncer, impedir que ele venha a se manifestar de forma maléfica.👏👏👏

Seja através da suplementação isolada da substância Indol-3-Carbinol, ou através da constante ingestão de alimentos funcionais da família das crucíferas como brócolis, couve-flor, couve de bruxelas, repolho, nabo.

Diversos estudos e pesquisas científicas, inclusive randomizados e duplo-cego vêm demonstrando a eficácia da quimio-prevenção através de fitonutrientes que estão presentes nos alimentos funcionais da família das crucíferas.

O Indol-3-Carbinol é um fitonutriente que possui diversas propriedades, das quais, as principais são: agir como agente antitumoral, anti-inflamatório, antineoplásico e antioxidante.

Os indóis quando entram em contato com os ácidos gástricos (para isso acontecer você não pode ter hipocloridria!!🤔), é convertido em 3,3’-diindolilmetano, que possui ação comprovada na prevenção do câncer, pois promove o aumento da apoptose (morte) celular nas células cancerígenas, além de inibir e parar o crescimento de linhagens tumorais.Os vegetais crucíferos quando em ebulição de 9 a 15 minutos podem perder até 59% dos glicosinolatos totais, desta maneira a melhor forma de aproveitar ao máximo os glicosinolatos é comê-los cru, ou cozinhando-os no vapor, onde estas perdas são reduzidas se comparado a fervê-los na água. Contudo, cozinhar vegetais crucíferos ao vapor por muito tempo ou utilizando micro-ondas em alta potência, podem acabar inativando a enzima que é responsável pela catalisação da hidrólise de glicosinolatos. Mesmo assim, nossas bactérias presentes na microbiota intestinal, (não podemos ter disbiose!!😱), são capazes de realizar esta quebra, porém de forma substancialmente reduzida.
Fica claro mais uma importante função da microbiota intestinal e o quanto devemos cuidar dela!!!!

A nova droga que pode fazer o sistema imunológico ‘devorar’ tumores

Por: UOL NOTÍCIAS

Tratamentos que exploram o sistema imunológico para combater o câncer são uma área crescente de pesquisa para cientistas do mundo todo. Agora, uma equipe de pesquisadores dos Estados Unidos desenvolveu uma droga que ajuda o corpo a “comer” e a destruir células cancerígenas.

O tratamento aumenta a ação dos glóbulos brancos, chamados macrófagos, que o sistema imunológico usa para devorar invasores indesejados.

Testes em camundongos mostraram que a terapia funcionou para tumores agressivos de mama e pele, informou a revista científica Nature Biomedical Engineering (revista de Engenharia Biomédica da Natureza).

A equipe americana que conduziu o estudo espera iniciar testes em humanos dentro de alguns anos. O fato de a droga já ter uma licença, dizem os pesquisadores, deve acelerar o processo de aprovação para uso.

A novidade desenvolvida a partir de moléculas componentes que se encaixam como blocos de tijolo é uma “supramolécula”.

O estudo envolve uma célula imune devoradora ou “fagocitária” chamada macrófago.

Macrófagos ajudam a combater infecções bacterianas e virais porque podem reconhecer e atacar esses “invasores”.

Mas eles não são tão eficazes no combate ao câncer, uma vez que os tumores crescem a partir de nossas próprias células e têm mecanismos inteligentes para se esconder do ataque do sistema imunológico.

A droga que o médico Ashish Kulkarni e seus colegas do Brigham e Hospital da Mulher da Faculdade de Medicina de Harvard usaram no estudo funciona de duas maneiras.

Em primeiro lugar, ela impede as células cancerígenas de se esconderem dos macrófagos. Em segundo lugar, impede que o tumor “diga” aos macrófagos que se tornem dóceis.

Nos camundongos, a terapia supramolecular pareceu impedir que o câncer crescesse e se espalhasse.

Os pesquisadores prevêem que a droga pode ser usada juntamente com outros tratamentos contra o câncer, como os inibidores de pontos de verificação imunológicos da imunoterapia. Esses pontos são moléculas especializadas que conseguem impedir o sistema imunológico de agir, fazendo com que as células de defesa sejam utilizadas apenas quando preciso.

Carl Alexander, do Instituto de Pesquisa do Câncer do Reino Unidos, diz que é “promissor” ver mais uma nova pesquisa. Segundo ele, agora é necessário trabalhar mais nesse estudo para mostrar que a nova droga poderia, de fato, ser usada em tratamentos.

 

Interstício, o ‘novo órgão’ do corpo humano que a ciência acaba de descobrir

Por: https://g1.globo.com/bemestar/

As partes em azul escuro são feixes de colágeno fibrilar. Na imagem à direita, as fibras de elastina são as manchas pretas; as estruturas de colágeno estão em rosa (Foto:  Jill Gregory/Mount Sinai Health System)

As partes em azul escuro são feixes de colágeno fibrilar. Na imagem à direita, as fibras de elastina são as manchas pretas; as estruturas de colágeno estão em rosa (Foto: Jill Gregory/Mount Sinai Health System)

Ele sempre esteve ali, mas foi apenas por meio de uma tecnologia mais avançada que os cientistas finalmente puderam identificá-lo: um espaço repleto de cavidades preenchidas por líquido, presente entre os tecidos do nosso corpo – por isso, chamado de intersticial (entre tecidos). Um grupo de especialistas o classifica como um novo órgão do corpo humano, “uma nova expansão e especificação do conceito de interstício humano”.

Paradoxalmente, apesar de ter sido descoberto apenas agora, o interstício pode ser nada menos do que um dos maiores órgãos do corpo humano, assim como a pele. Os cientistas afirmam que essa rede de cavidades de colágeno e elastina, cheia de líquido, reuniria mais de um quinto de todo o fluído do organismo.

A descoberta foi feita por uma equipe de patologistas da Escola de Medicina da Universidade de Nova York (NYU), Estados Unidos. Os resultados foram publicados na revista “Scientific Reports”.

Antes, se acreditava que essas camadas intersticiais do corpo humano fossem formadas por um tecido conjuntivo denso e sólido. Mas, na realidade, elas estão interconectadas entre si, através de compartimentos cheios de líquidos.

Estes tecidos ficam localizados debaixo da pele, recobrem o tubo digestivo, os pulmões e o sistema urinário, rodeiam as artérias, veias e fáscia (estrutura fibrosa onde se fixam músculos). Ou seja, são uma estrutura que se extende por todo o corpo.

Os pesquisadores acreditam que esta estrutura anatômica pode ser importante para explicar a metástase do câncer, o edema, a fibrose e o funcionamento mecânico de tecidos e órgãos do corpo humano.

A camada de cima é a mucosa; as partes rosas são as estruturas de colágeno que criam as cavidades cheias de fluído (representado pela cor lilás) (Foto: Jill Gregory/Mount Sinai Health System)

A camada de cima é a mucosa; as partes rosas são as estruturas de colágeno que criam as cavidades cheias de fluído (representado pela cor lilás) (Foto: Jill Gregory/Mount Sinai Health System

Como não havia sido descoberto até agora?

Essas estruturas não são visíveis com nenhum dos métodos padrões de visualização da anatomia humana. Agora, os cientistas puderam identificar esse novo “órgão” graças aos avanços tecnológicos da endomicroscopia ao vivo, que mostra em tempo real a histologia e estrutura dos tecidos.

De qualquer forma, a descoberta foi uma surpresa.

A equipe de investigadores fez, em 2015, uma operação com endomicroscopia a laser – uma tecnologia chamada Confocal Laser Endomicroscopy (pCLE) – para examinar o conduto biliar de um paciente com câncer. Depois de uma injeção de uma substância corante chamada fluoresceína, foi possível ver “um padrão reticular com seios (ocos) cheios de fluoresceína, que não tinham nenhuma correlação anatômica”.

Em seguida, os cientistas tentaram examinar mais detalhadamente essa estrutura. Para isso, usaram placas microscópicas de biópsia habitual. Porém, as estruturas haviam desaparecido.

Depois de fazer vários testes, Neil Theise, coautor do estudo, se deu conta de que o processo convencional de fixação de amostras de tecidos em placas drenava o fluído presente na estrutura. Normalmente, os cientistas tratam as amostras com produtos químicos, as cortam em uma camada muito fina e aplicam tinta para realçar suas características chave. Porém, esse procedimento faz colapsar a rede de compartimentos, antes cheios de líquidos. É como se os pisos de um edifício desmoronassem.

Por isso, “durante décadas, (a estrutura) pareceu como algo sólido nas placas de biópsia”, disse Theise, que faz parte do departamento de patologia da Universidade de Nova York.

Ao mudar a técnica de fazer a biópsia, sua equipe conseguiu preservar a anatomia da estrutura, “demonstrando que ela forma parte da submucosa e que é um espaço interticial cheio de fluído não observado anteriormente”. Assim, foram identificadas “tiras largas e escuras ramificadas, rodeadas de espaços grandes e poligonais cheios de fluoresceína”, descreve o estudo.

Os cientistas confirmaram a existência dessa estrutura em outros 12 pacientes operados.

Qual é sua função?

Até agora a ciência não estudou profundamente nem o fluxo nem o volume do fluído intersticial do corpo humano. Por enquanto, a identificação desse “espaço intersticial” levanta várias hipóteses.

Os especialistas acreditam que essa rede de espaços interconectados, forte e elástica, pode atuar como um amortecedor para evitar que os tecidos do corpo se rasguem com o funcionamento diário – que faz com que os órgãos, músculos e vasos sanguíneos se contraiam e se expandam constantemente.

Além disso, acreditam que essa rede de cavidades é como uma pista expressa para os fluídos. Isso poderia embasar a hipótese de que o câncer, ao atingir o espaço intersticial, possa se expandir pelo corpo muito rapidamente. É a chamada metástase.

Por outro lado, os autores do estudo acreditam que as células que formam o interstício mudam com a idade, podendo contribuir com o enrugamento da pele e com o endurecimento das extremidades, assim como a progressão de doenças fibróticas, escleróides e inflamatórias.