Arquivo da tag: cruciferas

O Poder das Crucíferas

Por : Rosane Cincinatus Nutricionista

Indol-3-Carbinol, um fitonutriente promissor na prevenção e no tratamento do câncer😱
👇👇👇👇
Antes da publicação do genoma humano, acreditava-se que a genética comandava a biologia humana, acreditava-se que estávamos indefesos e presos a nossa genética, a nossa hereditariedade. Se por acaso viéssemos a nascer em uma família com históricos de câncer de mama, próstata, etc, estaríamos “condenados” a esta ou aquela doença.

Felizmente depois da publicação do genoma humano, ficou claro que quem dirige a biologia humana não é a genética, e sim, a epigenética, nutrigenética. Mesmo que uma pessoa possua o gene do câncer, através da intervenção da nutrigenética, é possível silenciar a expressão gênica desse câncer, impedir que ele venha a se manifestar de forma maléfica.👏👏👏

Seja através da suplementação isolada da substância Indol-3-Carbinol, ou através da constante ingestão de alimentos funcionais da família das crucíferas como brócolis, couve-flor, couve de bruxelas, repolho, nabo.

Diversos estudos e pesquisas científicas, inclusive randomizados e duplo-cego vêm demonstrando a eficácia da quimio-prevenção através de fitonutrientes que estão presentes nos alimentos funcionais da família das crucíferas.

O Indol-3-Carbinol é um fitonutriente que possui diversas propriedades, das quais, as principais são: agir como agente antitumoral, anti-inflamatório, antineoplásico e antioxidante.

Os indóis quando entram em contato com os ácidos gástricos (para isso acontecer você não pode ter hipocloridria!!🤔), é convertido em 3,3’-diindolilmetano, que possui ação comprovada na prevenção do câncer, pois promove o aumento da apoptose (morte) celular nas células cancerígenas, além de inibir e parar o crescimento de linhagens tumorais.Os vegetais crucíferos quando em ebulição de 9 a 15 minutos podem perder até 59% dos glicosinolatos totais, desta maneira a melhor forma de aproveitar ao máximo os glicosinolatos é comê-los cru, ou cozinhando-os no vapor, onde estas perdas são reduzidas se comparado a fervê-los na água. Contudo, cozinhar vegetais crucíferos ao vapor por muito tempo ou utilizando micro-ondas em alta potência, podem acabar inativando a enzima que é responsável pela catalisação da hidrólise de glicosinolatos. Mesmo assim, nossas bactérias presentes na microbiota intestinal, (não podemos ter disbiose!!😱), são capazes de realizar esta quebra, porém de forma substancialmente reduzida.
Fica claro mais uma importante função da microbiota intestinal e o quanto devemos cuidar dela!!!!