Dieta Alcalina e o Câncer : Guia para iniciantes

Por: Patricia Figueiredo

A Dieta Alcalina, também conhecida como Dieta do PH, há pouco tempo atrás, ficou conhecida por ter sido adotada por vários famosos brasileiros e estrangeiros.

Dieta Alcalina e Câncer

E acabou ficando conhecida como mais uma daquelas “dietas das celebridades”.

Ela virou notícia em grandes portais, revistas e sites pelo mundo todo. Muitos desses famosos usaram essa dieta para perder peso. Mas esse não é o principal objetivo dessa dieta.

Pois já ficou muito mais que comprovado que ela traz muito mais benefícios para o corpo do que simplesmente o emagrecimento.

E por isso, ela tem sido adotada por muita gente, inclusive por muitos pacientes oncológicos.

Eu mesma, quando comecei o meu tratamento, diante das infinitas opções de dietas que a gente vê por aí, me senti perdida…

Pesquisei muito, li muitos livros de alimentação…E, principalmente, me orientei com profissionais especializados, antes de decidir adotar a Dieta Alcalina.

Que na minha opinião, nem deveria se chamar dieta. Porque trata-se de uma reeducação alimentar e uma nova forma de encarar a nossa saúde!

Hoje, mais do que uma simples dieta, muita gente anda encarando a dieta alcalina como um estilo de vida…

Que pode ser seguido diariamente e traz muitos benefícios à nossa saúde.

Eu, por exemplo, adotei esse estilo de vida desde 2014. E acredito que ela foi um dos fatores que me ajudou a vencer o câncer.

De lá para cá, perdi os quilinhos extras que ganhei no tratamento.  Tenho mantido o meu peso, mesmo fazendo uso do Tamoxifeno. E o Principal: Me tornei uma pessoa muito mais saudável!

Por isso, pretendo levar essa “dieta” para vida toda.

Porque não se iluda, Câncer é que nem diabetes…

Uma vez diagnosticada a gente tem que cuidar da nossa alimentação para o resto da vida!

Mas não se preocupe! Essa dieta não é nenhum bicho de sete cabeças!

Você não vai precisar virar um coelho e só comer vegetais como muita gente acredita!

Dieta Alcalina e o Câncer

Diferente de outras dietas, nas quais é preciso contar pontos ou excluir completamente muitos alimentos da rotina diária, você verá que  a dieta alcalina é muito mais simples que você imagina: Basicamente é comer comida de verdade!

E esse foi um dos motivos pelo qual eu decidi adotá-la.

Pois eu sabia , desde o meu diagnóstico, que passar por um processo de reeducação alimentar seria necessário para que eu pudesse alcançar a qualidade de vida que eu buscava.

Para continuar te ajudando nessa luta diária contra o câncer, no artigo de hoje, resolvi fazer um Guia para iniciantes sobre a Dieta Alcalina.

Especialmente para você que está procurando a dieta certa para te ajudar nesse momento.

Dieta Alcalina e Câncer

Abaixo, portanto, você vai descobrir o que é a dieta alcalina, como ela funciona, porque os alimentos alcalinizantes são tão importantes para a manutenção da nossa saúde.

Vamos lá?

O que é a Dieta Alcalina?

Antes de falar o que é a dieta alcalina, vou falar o que ela não é!

Em primeiro lugar, é muito importante destacar que a dieta alcalina não é uma dieta restritiva. Também não é necessariamente vegetariana.

Ou seja, uma daquelas dietas nas quais você precisa deixar de comer algum tipo de alimento.

A grande questão da dieta alcalina é a quantidade!

Dieta Alcalina e o Câncer

O ideal é priorizarmos os alimentos alcalinos, e ingerirmos esses alimentos na proporção de 60% a 80% da nossa alimentação diária.

Mas para entendermos melhor qual a importância dos alimentos alcalinos é preciso entender um pouco do funcionamento do nosso corpo.

O transporte dos nutrientes para todas as células do nosso corpo é feito através do nosso sangue.

Por isso, podemos dizer que a saúde do nosso sangue vai influenciar e refletir diretamente na saúde de todo o nosso corpo.

Dito isso, é preciso destacar que o PH natural do nosso sangue é um PH levemente alcalino, que gira em torno de 7,35 a 7,45.

Lembrando que a escala do PH vai do 0 ao 14. No meio, temos o PH 7, que é neutro. Abaixo disso, temos o PH ácido e acima temos o PH alcalino.

Portanto, o que acontece é que quando o PH do nosso sangue está mais ácido do que deveria, uma série de problemas pode começar a aparecer.

Quando isso acontece, é desencadeado, em nosso corpo, um mecanismo de autorregulação. Ou seja, nosso corpo vai tentar equilibrar o PH e fazer com que ele volte para o natural.

O grande problema é que para fazer isso, ele acaba “roubando” nutrientes , como cálcio e minerais, que seriam utilizados em outras funções do nosso corpo. E, é claro, esses nutrientes fazem falta para os órgãos de onde saíram.

A consequência de tudo isso, é que o corpo vai se desgastando. E então além dos sintomas, com o tempo, isso pode gerar problemas muito mais sérios.

E agora que você já entendeu tudo isso, fica fácil entender o objetivo da dieta alcalina, certo?

O objetivo dessa dieta é equilibrar o PH do nosso sangue, fazendo com que nosso corpo fique muito mais saudável, como um todo.

Quais são os fatores que deixam o sangue com PH mais ácido?

Dieta Alcalina e o Câncer

Antes de explicar mais sobre a dieta, acredito que é importante destacar que existem diversos fatores que podem prejudicar o equilíbrio do PH sanguíneo. Alguns deles são:

-O ar que respiramos, quando está muito poluído, faz com que o sangue se acidifique.

-Cigarro e outras dependências químicas também influenciam nesse processo.

-A água que bebemos também deve ter PH neutro ou levemente alcalino, afinal de contas, bebemos em torno de 3 litros todos os dias. Se você não bebe, considere beber! Por isso, é muito importante que a qualidade da água que ingerimos seja boa.

-O estresse e a correria de uma vida agitada também podem ser responsáveis pela acidificação do sangue. Portanto, tome cuidado com esses fatores!

-E o último fator que influencia no nosso PH sanguíneo é a alimentação, é claro!

Quais são as consequências de fazer uma alimentação muito ácida?

Dieta Alcalina e o Câncer

Como eu já disse, quando nosso PH sanguíneo está ácido, a primeira coisa que acontece, é que temos alguns sintomas. É o nosso corpo nos avisando de que algo está errado.

Além disso, quando essa acidificação do sangue dura mais tempo e não é tratada, isso também pode gerar problemas de saúde muito mais sérios.

Veja abaixo como isso pode afetar você:

-Pele:

a pela fica seca, o rosto fica pálido e irritações no corpo podem começar a aparecer. Além disso, outros sinais são espinhas, vários tipos de eczemas, além de rachaduras ao redor das unhas e entre os dedos.

-Unhas:

as unhas podem ficar finas e quebradiças e também é comum aparecerem manchas bancas.

-Boca:

a saliva fica ácida e é comum aparecerem aftas. A gengiva e os dentes ficam mais sensíveis. Sendo que os dentes também podem ficar mais frágeis e as cáries podem começar a aparecer

-Cabeça:

as dores de cabeça também são bastante comuns.

-Músculos:

as cólicas, torcicolos e espasmos se tornam frequentes.

-Intestinos:

ficam susceptíveis a inflamações, também é comum a descoloração das fezes.

-Rins e bexiga:

a urina também pode se tornar ácida e é comum que a pessoa passe a sentir ardor na bexiga. Além disso, quando não resolvida, a acidificação também pode causar pedras nos rins.

-Estômago:

as dores de estômago se tornam frequentes, assim como a azia. Além disso, com o tempo, também podem surgir gastrite e úlceras.

-Órgãos genitais:

a tendência à irritações e infecções também aumenta.

-Vias respiratórias:

se tornam mais sensíveis ao frio. Os resfriados se tornam mais frequentes. Também é comum surgirem sinusite, bronquite, alergias, tosse, garganta áspera e irritações, no geral.

-Sistema nervoso:

a sensibilidade à dor aumenta bastante.

-Sistema circulatório:

má circulação e tendência à anemia e hemorragias são bastante comuns.

-Sistema ósseo e articular:

são comuns dores articulares.

Além disso, como os ossos ficam enfraquecidos, também podem ocorrer fraturas e o tempo de recuperação delas se torna mais longo. Com o tempo, também podem ocorrer problemas mais sérios, como osteoporose, raquitismo, reumatismo e artrite.

-Estado mental e psíquico:

alguns sintomas são o nervosismo, a irritabilidade, tristeza e uma maior tendência à depressão.

Como você pode perceber a lista de sintomas e doenças que já se sabe que estão relacionadas com a acidificação do sangue é imensa!

É claro que tudo isso não vai se manifestar de uma vez e é bem comum desenvolver apenas alguns desses sintomas.

No entanto, o objetivo dessa lista é mostrar a você o quanto é importante cuidar da saúde do nosso sangue. Pois como você pode ver, isso vai influenciar em nosso corpo todo.

A Dieta Alcalina e o Câncer

E se você ainda está se perguntando qual a relação do câncer e toda essa história de PH ácido e alcalino, não se preocupe, vou te explicar tim-tim por tim-tim!

Como você já deve saber, o câncer é uma doença multifatorial, ou seja, uma doença que pode ter várias causas diferentes.

Alguns dos fatores que são responsáveis pelo surgimento do câncer estão altamente relacionados com o nosso estilo de vida atual.

Trabalhamos muito, estamos sempre estressados e nos esquecemos de cuidar do que realmente importa: nós mesmos.

Além disso, há também a poluição, os alimentos altamente processados e industrializados. E, ainda que em poucos casos, há também os fatores genéticos.

Para quem já foi diagnosticado, além do tratamento, o que também devemos fazer por nós mesmos é adotar um estilo de vida mais saudável.

Através da prática regular de exercícios físicos, do controle do estresse e da ansiedade e, é claro, da alimentação saudável.

Buscando por alternativas para ajudar nesses fatores, é que se começou a procurar por dietas que pudessem ajudar os pacientes oncológicos.

E é claro que existem outras dietas que são indicadas para os pacientes com câncer,  mas atualmente, essa é que a tem mostrado resultados mais positivos.

E, como você sabe, eu mesmo depois de adotar essa dieta tive a possibilidade de comprovar todos os benefícios dela.

Por isso, a dieta alcalina é mais uma aliada no combate ao câncer. E, melhor ainda, de forma 100% natural!

Como adotar a Dieta Alcalina

Dieta Alcalina e Câncer

E agora que você já entendeu a teoria, vamos falar da parte prática. A partir de agora, você vai descobrir tudo o que precisa saber sobre como adotar a dieta alcalina.

Como eu já disse lá em cima, o primeiro passo é controlar a quantidade de alimentos ácidos e alcalinos que ingerimos.

A ingestão de alimentos alcalinos deve ser de 60% a 80% do que comemos diariamente.

E isso nos leva ao próximo passo, que é falar de quais são os alimentos alcalinos e quais são os alimentos ácidos que você deve evitar.

Também é importante destacar que aqui quando falamos de alimentos ácidos ou alcalinos estamos falando deles depois da digestão.

Portanto, não estranhe quando ler que alguns alimentos, como limão, são alcalinos.Limão não é ácido! Ao contrário, é uma fruta cítrica, extremamente alcalinizante.

Uma das grandes preocupações de quem decide adotar essa dieta é justamente, saber quais são os alimentos acidificantes e alcalinizantes.

Para te ajudar com isso, abaixo você vai descobrir o PH de alguns alimentos bem comuns nas nossas cozinhas.

Lembrando que 7 é um PH neutro. Todos os alimentos acima de 7 são alcalinos. E portanto, excelentes para a nossa saúde. E os alimentos abaixo de 7, são ácidos e devem ser evitados ou ingeridos em menor proporção.

Para te facilitar a vida pense em um semáforo:

Dieta Alcalina e o Câncer

vermelho – Pare que isso está te matando!

Amarelo– Coma com moderação (lembre-se da proporção 70:30=em torno de 30% dos alimentos que você ingere podem ser ácidos)

Verde– Coma à vontade que a sua saúde agradece!

Bebidas PH
Café 3
Cerveja, licores,etc. (bebidas alcoólicas) 3
Refrigerante 2.5
Água com gás 3
Energético 3
Chá verde 6
Vegetais PH
Frutas enlatadas 3
Uvas 5
Feijão 6
Arroz integral 6
Maçã 8
Tomate 8
Morango 8
Laranja 8
Caqui 8
Melancia 9
Abacate 9
Gengibre 9
Batata doce 9
Inhame 9
Mandioca 9
Brócolis 10
Couve 10
Pepino 10
Limão 10
Cebola 10
Alho 10
Alimentos de origem animal PH
Carne de porco 4
Leite 4
Creme de leite 4
Queijo 4
Manteiga 4
Carne vermelha 5
Frango 6
Peixe 6
Ovos 6

Além disso, de modo geral, os alimentos processados e industrializados costumam ser ácidos.

Isso inclui, as farinhas brancas, o açúcar refinado e todas aqueles produtos como bolos, bolachas, pães etc.

O ideal é apostar nos alimentos alcalinos e diminuir o consumo dos alimentos ácidos, naquela proporção que já citei.

Em resumo, você deve comer menos da caixa ( produtos industrializados) e comer mais comida de verdade, como nossos avós faziam…

 

Além disso, algumas dicas extra são:

  • Aposte nos vegetais e alimentos orgânicos

A primeira dica é apostar sempre nos alimentos orgânicos, frescos e, quando possível, da estação.

Fuja dos transgênicos e de alimentos tratados com agrotóxicos. Eles são extremamente maléficos à saúde!

  • Livre-se dos produtos industrializados

Como você viu, no geral, os alimentos industrializados são ácidos e, portanto, a regra é evitá-los, de modo geral.

#ComaForaDaCaixa

  • Cuidado com a qualidade da água que você toma

Segundo a OMS ( Organização Mundial da Saúde) o ideal é beber cerca de 3 litros de água por dia, certo?

Agora, imagine o mal que você pode fazer ao seu corpo se a água que você toma não é de qualidade. O PH da água pode variar, então fique atento!

Além disso, hoje, existem também as chamadas águas alcalinizadas, optar por elas, é uma ótima opção!

Eu tenho um filtro de água alcalina aqui em casa.

Se você não pode adquirir um filtro,  gotinhas de limão na sua água já são suficientes para alcalinizá-la.

: ))))

  • Preste atenção na hora de cozinhar!

Boa parte dos alimentos alcalinizantes podem ser ingeridos crus. Por isso, aposte nas saladas e nos Sucos Naturais e Funcionais.

Além disso, diga adeus ao microondas e preste atenção na hora de cozinhar!

Sempre que possível, opte por cozinhar os alimentos ao vapor. Pois assim, a perda de nutrientes diminui consideravelmente.

  • Esteja atenta a quantidade de alimentos preparado

O ideal é sempre cozinhar apenas aquilo que você vai comer em cada refeição.

Por isso, evite de cozinhar alimentos e deixá-los na geladeira para depois.

Quantos mais frescos forem os alimentos consumidos, melhor!

 

Dicas para te ajudar a começar a adotar a Dieta Alcalina hoje mesmo

Eu sei que a reeducação alimentar nem sempre é um processo simples. Principalmente, para aquelas pessoas que passaram muitos anos se alimentando de forma errada.

E se você quer adotar a dieta alcalina e não sabe bem por onde começar, não se preocupe!

Abaixo você vai encontrar algumas dicas de como fazer isso. Confira:

– Pesquise sempre sobre os alimentos alcalinizantes

No começo é difícil saber quais são os alimentos alcalinizantes e os acidificantes. Por isso, minha dica é de que sempre que tiver uma dúvida se um alimento é indicado ou não, dê uma pesquisada.

Dessa forma, você vai se acostumando e logo vai ter aprendido o PH de muitos dos alimentos que consumimos diariamente.

Depois, você nem vai mais se preocupar com isso.

Agora, se você quiser se aprofundar ainda mais sobre a Dieta Alcalina.  E principalmente,  sobre como deixar o seu corpo com o PH equilibrado e livre de doenças.

Dieta Alcalina e Câncer

– Comece aos poucos

Porque sempre que tentamos mudar um hábito de uma vez só, nossas chances de acabarmos nos autossabotando são bem grandes!

Por isso, se você quer adotar a dieta alcalina, comece inserindo alguns dos alimentos alcalinizantes que você mais gosta em cada uma das suas refeições.

E aí, conforme você for se acostumando, depois de alguns dias, opte pela substituição dos alimentos acidificantes pelos alcalinizantes na proporção adequada.

Mas é claro, se você foi diagnosticada, é muito importante que você siga as instruções do seu médico com relação a sua alimentação!

E se ele disse que você pode comer de tudo, busque o acompanhamento de um nutricionista ou nutrólogo especializado em pacientes oncológicos.

Acredite: Isso fará total diferença no seu tratamento!

Dieta Alcalina e Câncer

– Preste atenção na hora de ir ao mercado

Outro fator que também pode te atrapalhar no momento da reeducação alimentar é a hora das compras no mercado.

Nesse momento, é muito importante que você tenha consciência!

Se você abrir a geladeira ou o armário e se deparar com muitos alimentos que não são indicados pela dieta alcalina, as chances de acabar se alimentando mal são enormes.

Por isso, na hora de ir ao mercado, tenha sempre uma listinha em mãos .

Além disso, procure se concentrar em comprar os alimentos alcalinos. Pois, dessa forma, as chances de manter a dieta no caminho certo são muito maiores.

Dieta Alcalina e Câncer

– Use e abuse do liquidificador e centrífuga!

Os sucos naturais e funcionais são excelentes aliados de quem anda procurando ser mais saudável.

Compartilhar:
error0

Fumar Narguile – Atividade cada vez mais comum entre jovens transmite hepatite C e tuberculose

Por: http://www.fatimanews.com.br

Prática cada vez mais comum entre jovens e até mesmo adolescentes menores de idade, fumar narguilé, ao contrário do que muita gente acredita, não é uma atividade menos prejudicial que fumar cigarro ou mesmo livre de malefícios à saúde.

Estudos já comprovaram que fumar narguilé pode aumentar riscos de câncer, além de ter impacto negativo na frequência cardíaca, pressão arterial e rigidez arterial. O hábito pode, inclusive, elevar chances de uma pessoa sofrer um AVC (acidente vascular cerebral).

Como se não bastasse, a prática, de acordo com informações do Ministério da Saúde, também representa um risco de infecções como herpes, hepatite C e tuberculose, já que todos os usuários usam o mesmo bocal

A hepatite C é uma doença silenciosa e perigosa, transmitida por um vírus que causa infecção no fígado e, a longo prazo, pode levar à cirrose, câncer e doença hepática crônica.

A doença pode ser contraída se uma pessoa entra em contato com o sangue ou fluídos corporais de alguém infectado com o vírus em atividades até mesmo banais, como compartilhamento de itens de higiene pessoal contaminados (lâminas de barbear, escovas de dentes e alicates de unha) e, claro, o bocal do narguilé.

A possibilidade de cura de hepatite C acontece em aproximadamente 60% dos casos e irá depender do tipo de vírus e da velocidade do diagnóstico. Com tratamento adequado, a doença pode ser extinta do sangue do paciente.

No caso da tuberculose, a doença é causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis, transmitida por via aérea. O paciente com tuberculose nos pulmões pode transmitir a doença ao tossir, falar ou espirrar, espalhando a bactéria pelo ar pelas gotículas de saliva. Ou seja, o compartilhamento do bocal do narguilé também oferece riscos de transmissão.

Compartilhar:
error0

O estresse é o maior problema em pessoas afetadas pela Fibromialgia

Por: Fibro

Todo mundo está sob estresse em suas vidas.

O estresse é algo que todo mundo conhece e é considerado parte da vida. Você não pode ter dinheiro suficiente, problemas com casamento ou lhos, etc. Pode ser qualquer coisa. Pessoas com fibromialgia têm um alto nível de estresse.

Todo mundo sabe sobre o estresse que é um assassino silencioso. Os sintomas e efeitos colaterais do estresse podem causar um ataque cardíaco, problemas cardíacos, ansiedade, depressão e outros problemas. O estresse é o maior problema em pessoas afetadas pela fibromialgia.

Alguns destaques do estresse e fibromialgia.

Acredita-se que o eixo hipotálamo-hipófise-adrenal no corpo evite o estresse envolvido. Quando as pessoas são afetadas pela fibromialgia, essa condição se desfaz nesse eixo e esses níveis são muito mais altos do que em pessoas normais.

Pessoas que têm fibromialgia têm diferentes níveis de HPA e podem reduzir os hormônios do estresse, como adrenalina e
cortisol. O nível de estresse diminui sem esses analgésicos muito necessários sem aviso prévio.
Uma pessoa pode car doente com esse fardo. Muitos sintomas são causados pelo estresse e você nem sabe que estão
associados ao estresse. Se uma pessoa também sofre de fibromialgia, isso pode levar a uma situação desfavorável. Você sente
mais dor com o estresse e fibromialgia é uma síndrome em que ocorre muito estresse. Se você tiver uma enxaqueca, esse
estresse pode aumentar a dor. O estresse também agrava outras dores causadas pela fibromialgia.
Se você está estressado, seu sono também será afetado. As pessoas que sofrem de stress sentem frequentemente que não
conseguem adormecer facilmente. Parece que a sua mente está constantemente a correr mesmo quando adormece. Você nem
sabe como lidar com esse estresse. Todas as coisas começam a chegar à sua cabeça quando é hora de dormir. Você tem a
incapacidade de relaxar.

Como reduzir o estresse

Se você reduzir o estresse da sua vida, você pode controlar sua fibromialgia. Isso parece fácil, mas não é, especialmente quando
há muitos outros problemas que são apresentados a você. Se você tentar reduzir seu estresse hoje, certamente poderá gerenciar
o estresse com eficiência. Você pode lidar com coisas diferentes com o estresse.
Yoga e meditação são considerados eficazes no alívio do estresse. Yoga pode ser difícil para pessoas com fibromialgia, mas alguns
conceitos básicos podem ajudar enormemente. O processo de inalar e exalar com os músculos do corpo é a meditação. Isso
também tem sido usado há séculos e é uma forma de medicina chinesa como a ioga.
O estresse também pode melhorar com o uso de medicamentos anti-ansiedade. Médicos prescrevem medicamentos que podem
ajudar a acalmá-lo e manter o estresse ao mínimo. Se você acha que esses medicamentos são benéficos para você, você pode
consultar o seu médico para descobrir qual é o certo para você.
Tire algum tempo para relaxar e encontrar tempo para si mesmo. Técnicas de respiração profunda também são eficazes para
aliviar o estresse, e as coisas que você gosta de fazer também proporcionam algum relaxamento. Pode ser qualquer coisa como
caminhar no parque, passar tempo com seus entes queridos, fazer algo ou algo parecido. Mas certifique-se de passar algum
tempo fazendo coisas que você goste.
Uma dieta saudável e equilibrada também ajuda a reduzir o estresse. Na maior parte, as pessoas não se referem à comida que
comem, mas ao contexto. É importante frutas e legumes frescos. Além disso, tente comer carnes magras como frango peixe. Evite alimentos processados e açúcar pode beneficiar você.
Às vezes é difícil para você eliminar um pouco da comida da sua vida, mas, se isso acontecer, valerá a pena. Também é
importante comer a quantidade correta de comida. O nível de estresse começa a aumentar se comer demais ou comer os
alimentos errados.
Consulte o seu médico para mais maneiras de aliviar o stress. Seu médico entenderá seu caso corretamente e poderá dar-lhe
recomendações que lhe farão bem. Você pode tratar seu estresse com o conselho de um médico.

A quintessência

Acredita-se que as pessoas que sofrem de estresse também sofrem de fibromialgia e vice-versa. Estresse e fibromialgia andam de
mãos dadas. Não é fácil lidar com o estresse, mas você tem que encontrar maneiras eficazes de gerenciar sua vida e reduzir o
estresse. As coisas pioram como resultado do estresse e, portanto, mais dor e problemas ocorrem.
Conclui-se que é possível lidar com o estresse e levar uma vida que você quer, com a ajuda de seu médico e com as informações
fornecidas acima. Lute para lidar com o estresse. Faça uma lista de coisas que você pode fazer para reduzir o estresse e consulte
seu médico para reduzir o estresse. Você pode usar uma nova pessoa sem estresse.

Compartilhar:
error0