Alimentos que nenhum ser humano deveria comer, de acordo com nutrólogo brasileiro

Dr. Victor Sorrentino é um médico, escritor e palestrante brasileiro. É filho de cirurgião plástico e desde criança esteve envolvido na área da saúde.

Atualmente, ele é conhecido como símbolo de um movimento médico que trabalha para possibilitar a longevidade saudável.   Victor tem um página oficial no Facebook, na qual todos os dias posta dicas de alimentação e hábitos de vida saudáveis, e se tornou bastante popular na rede social.Abaixo, compartilhamos com você uma publicação muito interessante de Victor que conquistou os leitores. Uma lista de alimentos que nenhum ser humano deveria comer. Confira!

“Fiz uma listinha dos alimentos que NÃO recomendo a nenhum ser humano ingerir. Espero que seja útil!

1. Nuggets

Se você imagina que está comendo peito de frango à milanesa, fique sabendo que esse alimento é feito de pasta de frango adornada por proteínas vegetais, amido de milho ou farinhas e goma. E que,no Brasil, a lei exige que os nuggets sejam compostos de no mínimo 10% de proteína e de no máximo 30% de carboidratos. Além de pré-frito em óleo vegetal e adicionado uma montanha de químicos para dar a liga como Guar, Xantana C35H49O29, Ácido ascórbico (ou derivados), Tripolifosfato de sódio Na5P3O10.


2. Miojo

Macarrão instantâneo é pré-cozido e pré-frito em gordura vegetal antes de ser embalado. O tempero é o campeão de glutamato monossódico e inosinato dissódico, substâncias químicas realçadoras de sabor que são altamente tóxicas e inflamatórias.


3. Salsichas e peito de peru

A proteína de alimentos embutidos talvez não faça sentido algum diante da carga química presente nesses alimentos. Geralmente possuem doses altíssimas de nitritos e nitratos que são altamente cancerígenos. Não se enganem, não há nada light em peito de chester light, o negócio é química pesada mesmo.


4. Margarina 

Pela milionésima vez, margarina nem chega a ser comida, é uma substância comestível inventada pela indústria para substituir a manteiga que tem o processo de fabricação mais caro e trabalhoso. Troque a margarina por manteiga, por favor!


5. Farinha Láctea

Farinha de trigo + açúcares + conservantes. Vai dar isso para o seu filho por quê?


6. Bolacha recheada

Farinha + gordura hidrogenada + açúcar: tudo isso vicia e muito! Já postei aqui sobre esse lamentável alimento que muitas famílias deixam à disposição das crianças diariamente. Veneno puro. Ah, bolacha maisena, água e sal, maria, club social, tudo péssimo para a saúde de qualquer pessoa.


7. Refrigerante e suco de caixinha

Para quem não sabe, um faz tão mal quanto o outro. Refrigerante, pela quantidade de glicose estratosférica em líquido e suco, pela quantidade de frutose e outros aditivos, fora a pasteurização que leva embora qualquer resquício de nutriente da fruta.


8. Cereais Açucarados

 

Flocos de milho transgênico lavados em xarope de frutose e cobertos por açúcar refinado e adicionados de corantes coloridos e conservantes diversos. Quem precisa disso e ainda acha que é comida leve e saudável?


9. Requeijão (até o light)

Eu me dei ao trabalho de copiar os ingredientes do requeijão industrializado, bem diferente do creme de queijo que pode ser feito em casa e que levaria leite, creme de leite ou manteiga, e vinagre. Se o leite for orgânico e não de caixinha, a receita pode ser saudável. Mas vamos aos componentes do requeijão do mercado: Leite desnatado/integral, creme de leite, manteiga, cloreto de sódio(sal), fermento lácteo, estabilizantes difosfato dissódico e fosfato trissódico e conservadores ácido sórbico e nisina, estabilizante polifosfato de sódio (INS 452), corante dióxido de potássio (INS 202), leite padronizado reconstituído, caseinato de cálcio, pirofosfato de sódio e pirofosfato ácido de sódio, regulador de acidez ácido láctico, conservador sorbato de potássio, agente de firmeza cloreto de cálcio, regulador de acidez ortofosfato de sódio, coalho. Preciso dizer mais?


10. Barrinha de Cereal 

A maioria delas são ricas em açúcar e sódio e os cereais de baixa significância nutricional. É o maior engodo do mercado de alimentos dos últimos anos, pois muita gente pensa que está comendo algo super saudável!Bem, acima estão apenas citados FATOS!! A decisão por colocar esses “produtos alimentícios” (que nem dá para chamar de comida) no seu carrinho será sempre SUA, assim como as CONSEQUÊNCIAS de tal ato também serão só suas (ou de seus filhos, caso seja o responsável por suas compras).Meu papel é INFORMAR sobre o que existe de melhor e também de PIOR para a sua saúde. O que cada um fará com essa informação está fora de minha alçada, embora deseje do fundo do meu coração que todos alcancem uma vida mais plena, saudável e longe de doenças.

Compartilhar:
error0

Como fazer uma dieta alcalina

Por: tuasaude.com

O cardápio da dieta alcalina é composto com pelo menos 60% de alimentos alcalinos, como frutas, verduras e tofu, por exemplo, enquanto os 40% restantes das calorias podem vir de alimento ácidos de alimentos ácidos como ovos, carnes ou pão. Essa divisão pode ser feita através do número de refeições, assim, ao fazer 5 refeições por dia, 2 podem ser refeições com alimentos ácidos e 3 apenas com alimentos alcalinos.

Esta dieta é ótima para diminuir a acidez do sangue, ajudando a equilibrar o organismo e a prevenir o aparecimento de doenças como gripes e resfriado. Além disso, ajuda a desintoxicar o organismo facilitando o emagrecimento, sendo por isso uma dieta aliada para quem quer perder peso.

Como fazer uma dieta alcalina

Alimentos permitidos

Os alimentos permitidos na dieta alcalina são os alimentos alcalinos como:

  • Frutas em geral, inclusive frutas ácidas como limão, laranja e abacaxi;
  • Legumes e verduras em geral;
  • Oleaginosas: amêndoas, castanhas, nozes, pistache;
  • Proteínas: milhete, tofu, tempeh e proteína do soro do leite;
  • Temperos: canela, curry, gengibre, ervas em geral, chili, sal marinho, mostarda;
  • Bebidas: água, água comum, chás de ervas, água com limão, chá verde;
  • Outros: vinagre de maçã, melaço, alimentos fermentados, como kéfir e kombucha.

Alimentos moderadamente alcalinos como mel, rapadura, coco, gengibre, lentilha, quinoa, castanhas e milho também são permitidos. Veja a lista completa em: Alimentos alcalinos.

Alimentos que devem ser evitados

Os alimentos que devem ser consumidos com moderação na dieta alcalina são aqueles com efeito de acidificar o organismo, como:

Como fazer uma dieta alcalina
  • Vegetais: batata, feijões, lentilha, azeitona;
  • Grãos: trigo sarraceno, arroz, milho, aveia, trigo, centeio, macarrão;
  • Oleaginosas: amendoim, noz, pistache, pasta de amendoim;
  • Carnes em geral, frango, carne de porco, carneiro, peixes e mariscos;
  • Carnes processadas: presunto, salsicha, linguiça, mortadela;
  • Ovos;
  • Leite e derivados: leite, manteiga, queijo;
  • Bebidas: bebidas alcoólicas, café, refrigerantes, vinho;
  • Doces: geleias, sorvetes, açúcar;

Esses alimentos devem ser evitados ou consumidos com moderação, colocando sempre alimentos alcalinos juntamente com alimentos acidificantes em uma mesma refeição. Veja uma lista completa em: Alimentos ácidos.

Cardápio da dieta alcalina

A tabela a seguir traz o exemplo de um cardápio de 3 dias da dieta alcalina:

Refeição Dia 1 Dia 2 Dia 3
Café da manhã Chá de camomila com gengibre + 1 fatia de pão integral com ovo e queijo 1 copo de leite de amêndoas + 1 tapioca com coco ralado 1 copo de suco de laranja + 2 torradas com ricota, orégano e ovo
Lanche da manhã 1 taça de salada de frutas 1 xícara de chá verde + 10 castanhas de caju 1 banana amassada + 1 col de chá de chia
Almoço/Jantar 3 col de sopa de arroz integral com brócolis + 1 filé de frango ao molho de tomate + salada verde peixe ao forno com batatas e legumes, regado no azeite + salada de repolho, abacaxi e cenoura ralada macarronada de atum ao molho pesto + legumes refogados no azeite
Lanche da Tarde 1 iogurte natural batido com morango e mel suco de limão + 2 fatias de pão com queijo vitamina de abacate e mel feita com leite de amêndoas

Ao longo do dia é permitido beber chás, água e sucos de fruta sem açúcar, sendo importante evitar o consumo de café e refrigerantes.

Receita de Salada de Brócolis com Limão

O limão, o brócolis e o alho são alimentos super alcalinizantes, e esta salada pode acompanhar qualquer refeição no almoço ou jantar.

Como fazer uma dieta alcalina

Ingredientes:

  • 1 brócolis
  • 3 dentes de alho
  • 1 limão
  • 1 colher de sopa de azeite
  • Sal a gosto

Modo de preparo:

Cozinhar o brócolis no vapor por cerca de 5 minutos, colocando uma pitada de sal por cima. Em seguida, pique o alho e refogue no azeite até dourar e adicione o brócolis, deixando por cerca de 3 minutos. Por fim, adicione o suco de limão e mexa bem para que o brócolis absorva o sabor.

Receita de Suco Verde Alcalino

Como fazer uma dieta alcalina

Ingredientes:

  • 2 col de sopa de abacate
  • 1/2 pepino
  • 1 punhado de espinafre
  • suco de 1 limão
  • 200 ml de água de coco
  • 1 colher de sopa de óleo de coco

Modo de preparo:

Bater todos os ingredientes no liquidificador e beber sem coar.

Compartilhar:
error0

Dor: o risco de se tomar analgésicos e anti-inflamatórios sem parar

Por: http://www.saudeseniors.com/

Artrite, artrose, hérnia de disco, ciático, tendinite… só quem sofre de alguma condição de dor crônica sabe o quanto ela atrapalha. Quando a dor chega, acaba a alegria, acaba a disposição, e viver pode ser uma tortura. 

A resposta parece ser correr para o armário de remédios e se entupir de analgésicos ou anti-inflamatórios. Afinal, muitos são vendidos sem receita médica,  então devem ser seguros, não é mesmo?

Infelizmente não é bem assim. Como tudo na vida, tudo que é demais é veneno. Anti-inflamatórios e analgésicos farmacêuticos são seguros se você toma de vez em quando, em pequenas doses, com indicação e acompanhamento médicos. 

Mas, quem sofre de dor crônica precisa tomar frequentemente e, muitas vezes, apenas doses altas conseguem aliviar a dor. 

E aí, o que começou como uma dor nas juntas, por exemplo, pode evoluir para problemas no estômago, circulação, rins e fígado – apenas pela ação dos fármacos!

De acordo com o presidente da Federação Brasileira de Gastroenterologia, José Roberto Almeida, em grande parte do país os medicamentos (em especial os anti-inflamatórios) são comercializados de maneira indiscriminada e ingeridos de forma abusiva.

“Se você chegar agora em uma farmácia, reclamando que está com dor, o balconista vai lhe vender um anti-inflamatório. O que é um perigo, principalmente para pessoas idosas, que muitas vezes já estão tomando medicações para o coração e diabetes ou são hipertensas. A partir dos 60 anos, o organismo do indivíduo vai perdendo a capacidade de defesa e também se torna mais sensível. Por conta disso, a mistura de remédios pode trazer sérios problemas. Já cansei de receber pacientes com problema no estômago pelo uso abusivo de medicamentos”

“Anti-inflamatório é para desinflamar a mucosa, tirar a dor. Se com acompanhamento médico já devemos ficar atentos a possíveis efeitos colaterais, imagine o indivíduo que toma [esse medicamento] como se fosse água? Você vai no setor de emergências do hospital público e muita vezes está lotado. E a grande maioria dos casos é de indivíduos com hemorragias e problemas no estômago por causa da ingestão indevida de medicamentos. São fatores que poderiam ser prevenidos”, lamenta o especialista.

O que fazer, então, contra a dor crônica?

Muitos especialistas e pacientes estão encontrando soluções naturais que podem ajudar a aliviar a dor, às vezes com maior eficácia e sem os efeitos colaterais dos anti-inflamatórios e analgésicos farmacêuticos. 

E é aí que entra a cúrcuma. Ela é rica em curcumina, uma substância que, segundo mais de 10.000 estudos científicos, tem efeito anti-inflamatório  e de alívio da dor.

Com a concentração certa de curcumina, os estudos indicam que a cúrcuma pode aliviar com sucesso a dor e à inflamação, sem nenhum dos efeitos colaterais associados aos farmacêuticos comuns. 

A cúrcuma pode ser tomada sem interrupção, sem quaisquer riscos e segundo testes clínicos pode ajudar muito a aliviar a dor. Mas não para por aí: ao invés de prejudicar, estudos sugerem que ela pode proteger os rins, fígado e estomâgo. 

Veja o que diz o Dr. Lair Ribeiro sobre a cúrcuma:

Compartilhar:
error0

Conheça 6 alimentos que ajudam a acelerar o metabolismo


Por: vivabem

Cada vez mais estudos vêm sendo feitos sobre as propriedades funcionais dos alimentos, dentre eles muitos temperos e bebidas que podem prevenir ou combater determinadas condições. Alguns alimentos, como o gengibre, a cúrcuma e o chá verde, apresentam propriedades termogênicas e acabam por acelerar o metabolismo. Por isso, são muitas vezes usados como auxiliares no combate à obesidade e outras doenças metabólicas.

É importante lembrar, no entanto, que só consumir esses alimentos não levará ao emagrecimento, a menos que eles sejam aliados à mudanças de estilo de vida, com adição de exercícios e uma dieta mais saudável (rica em vegetais, fibras, carboidratos integrais e proteínas magras).

Abaixo, apresento alguns desses alimentos e como eles podem contribuir para deixar o metabolismo mais ativo. Lembrando sempre que é importante consultar um médico ou nutricionista antes de fazer uso terapêutico de qualquer coisa, pois cada organismo é particular e reage de formas diferentes.

Gengibre

O gengibre é um rizoma utilizado como tempero há milênios. Nativo da Ásia, é conhecido por seu sabor picante e agradável, e pode ser encontrado fresco ou seco, em pó. Na medicina tradicional chinesa, é muito utilizado para combater uma série de males, como enjoos. É um dos alimentos com propriedades termogênicas, ou seja, contribuem para acelerar o metabolismo, fazendo com que se gastem mais calorias. Isso faz com que o seu consumo seja estimulado por exemplo, para pessoas que estão combatendo a obesidade. Pode ser consumido puro, ralado ou em fatias, ou ainda em conservas e chás. O pó é utilizado para fazer infusões também, ou pode ser usado no preparo de receitas como bolos e pães. Além dessa propriedade de acelerar o metabolismo, o gengibre também contribui para diminuir as gorduras do sangue, ou seja, é benéfico para pessoas que apresentam colesterol elevado, ajudando a combater a aterosclerose.

Também apresenta propriedades anti-inflamatórias, anticancerígenas e hipoglicêmicas.

Cúrcuma

Assim como o gengibre, a cúrcuma, também chamada de açafrão-da-terra, também é um rizoma com muitas propriedades funcionais. Geralmente encontrada sob a forma de pó de cor amarelo intenso, a cúrcuma é riquíssima em antioxidantes e contribui para melhorar o metabolismo como um todo. A curcumina presente nesse alimento age sobre as células gordurosas, ajudando, assim, a diminuir o colesterol “ruim” (LDL) e aumentar o “bom” (HDL). E, também, contribui para uma constante queima de gordura pelo organismo. Pela presença abundante de antioxidantes, possui intensa atividade anti-inflamatória. Contribui ainda para a boa manutenção do sistema hepático. Além da versão em pó, que pode ser utilizada como tempero em cozidos, ensopados, sopas, arrozes e outros pratos doces e salgados, a cúrcuma também pode ser encontrada fresca. Nesse caso, vale ralar o tempero na hora do preparo.

Chá verde

o chá verde é um desses alimentos incensados periodicamente, a cada novo estudo que sai a seu respeito. Elaborado com as folhas da planta Camelia sinensis, essa bebida consumida tradicionalmente pelos povos asiáticos tem efeitos termogênicos e contribui para a queima de gordura. Além da planta própria para infusão, existe ainda o matchá – chá verde em pó –, riquíssimo em antioxidantes, como as catequinas, que contribuem para a saúde do organismo como um todo, com efeitos principalmente sobre o sistema cardiovascular. A cafeína e as catequinas presentes no chá verde estimulam o sistema nervoso, o que também contribui para aumentar a termogênese e a oxidação de gordura. Alguns estudos recentes sugerem ainda que a bebida pode auxiliar também no controle da pressão arterial.

Pimentas

Outro dia comentei aqui sobre os poderes das pimentas, explicando as diferenças entre a pimenta-do-reino e as do gênero Capsicum, como a nossa dedo-de-moça. Estas últimas, ricas em capsaicina, são excelentes para acelerar o metabolismo. Consumidas, em geral, frescas, podem ser usadas em molhos ou como ingrediente para receitas doces e salgadas (chocolate com pimenta dedo-de-moça é uma delícia, e ainda reúne a teobromina e os benefícios adicionais do cacau, como a sensação de bem-estar que provoca). Por estimularem o metabolismo, as pimentas Capsicum, como a dedo-de-moça, a malagueta e a jalapeño, ajudam a queimar mais calorias e, assim, ajudar no combate à obesidade. O consumo de pimenta, porém, encontra a restrição do paladar individual: há os que amam seu poder picante, há os que o odeiam.

Na dúvida, comece com moderação, adicionando algumas gotas de molho ou fatias picadas na comida, para observar seu paladar. As pimentas em pó também causam o mesmo efeito sobre o metabolismo, ajudando o organismo a produzir mais calor.

Canela

Essa especiaria maravilhosa, usada em pau ou em pó, é um coringa para se ter na cozinha, por seu sabor amadeirado, quase doce e ligeiramente picante e seu aroma inconfundível. Combina tanto com sobremesas (quem não ama arroz doce com canela?) quanto com salgados, especialmente em cozidos de carne. É uma especiaria com propriedades termogênicas e que, além de acelerar o metabolismo, também tem efeito sobre os componentes da síndrome metabólica

Assim, seu consumo frequente, em quantidades moderadas, ajuda a reduzir a circunferência abdominal, a diminuir a pressão arterial e a controlar a glicemia e os triglicerídeos. Uma forma deliciosa de usar a canela é na forma de chá.

Você pode adicionar, por exemplo, um pauzinho de canela ao seu chá verde.

Guaraná

O guaraná é uma planta nativa da Amazônia. Embora tenha se tornado mais conhecido pelo refrigerante elaborado com o extrato dessa planta, o guaraná pode ser consumido também na forma de pó, em bastão ralado ou suplementos. Por possuir uma quantidade considerável de cafeína, é um alimento que pode ser usado na substituição do café para os que querem um estímulo a mais no sistema nervoso central, ou seja, uma ajuda para ficar desperto durante o dia. É uma substância estimulante, termogênica e vasodilatadora, contribuindo também para um estado de bem-estar. Além disso, possui ainda propriedades lipolíticas, ou seja, que ajudam a realizar a quebra de gordura, auxiliando no combate à obesidade.

Muitas vezes, é consumido por atletas para ajudar em um melhor desempenho. Na cozinha, o guaraná é mais utilizado na elaboração de de bebidas e xaropes ou como consumo direto, diluído em água ou sucos, para se obter suas propriedades estimulantes. O guaraná também é uma fonte de polifenóis, que atuam como antioxidantes, ajudando a proteger o sistema cardiovascular e combater os efeitos nocivos dos radicais livres.

Se você possui alguma condição específica de saúde, como uma cardiopatia ou hipertensão, ou mesmo se estiver gestante, converse sempre com seu médico antes de apostar nesses alimentos.

Compartilhar:
error0