Saiba quais vitaminas e minerais fortalecem o sistema imunológico

Por: Nutricionista Natália de Oliveira

O nosso organismo está exposto a bactérias, fungos, vírus e demais agentes que podem apresentar perigo quando estamos com o nosso sistema imunológico fragilizado. Essa fragilidade do nosso sistema de defesa pode nos levar a apresentar resfriados, gripes, infecções e até mesmo outras doenças mais graves como o câncer. O sistema imune é responsável por combater a ação negativa destes agentes. Alguns fatores podem contribuir de forma negativa, fragilizando ainda mais a nossa imunidade, tais como: estresse físico, ambiental como a poluição, emocional como a depressão por exemplo, e o mais importante que seria uma alimentação desequilibrada, com deficiência de alguns nutrientes.

O indivíduo que faz uso de uma alimentação completa, rica em frutas, legumes, verduras e grãos, está mais bem preparado imunologicamente para combater a ação destes agentes estranhos. Esses alimentos apresentam vitaminas e minerais importantes que irão manter o nosso sistema imune mais forte. Ao contrário daqueles que ingerem somente alimentos mais gordurosos, industrializados, com excesso de açúcar e pobre em hortaliças em geral, frutas e grãos.

As principais vitaminas e minerais que fortalecem a nossa imunidade são: Vitaminas A, C, E e ácido fólico, juntamente com os minerais Zinco e Selênio.

Alimentos fontes:

Vitamina A: Pode ser encontrada em alimentos de origem animal como leite e ovos, vegetais folhosos como brócolis e couve e os vegetais com a coloração amarelada como cenoura e abóbora.

Vitamina C: Os principais alimentos fonte de vitamina C são: Frutas tipo abacaxi, acerola, goiaba, laranja, limão, tangerina, kiwi, caju e morango. Legumes e verduras tipo pimentão, rúcula, alho, cebola, repolho, espinafre, tomate, brotos de verduras, agrião e alface.

Vitamina E: Os principais alimentos considerados fonte de vitamina E são: óleos vegetais (soja, palma, amendoim, milho, cártamo, girassol, oliva), nozes, sementes de girassol, kiwi, gérmen de trigo, vegetais de folhas verdes, grãos integrais, peixes e leite de cabra.

Ácido fólico: Encontrado em alimentos como feijão, laranja (200 ml de suco = 75 mcg de ácido fólico), amêndoas, amendoim, lentilhas (1 xícara cozida = 360 mcg de ácido fólico), levedura, cereais, espinafre, brócolis, couve e todos os vegetais verdes (10 folhas de alface = 136 mcg de ácido fólico), soja, milho, avelã, caju, tomate, cogumelos, ovos (1 unidade = 24 mcg de ácido fólico, leite e cerveja.

Zinco: As principais fontes de alimentos ricos em zinco são ostras, camarão, carnes bovina, de frango e de peixe, fígado, gérmen de trigo, grãos integrais, castanhas, cereais, legumes e tubérculos. Frutas e hortaliças em geral, são pobres em Zinco e são menos aproveitadas pelo organismo.

Selênio: O selênio é um mineral com um alto poder antioxidante, facilmente absorvido pelo organismo , encontrado especialmente na noz e em alguns vegetais cultivados em solos ricos em selênio, além da carne de animais que pastaram em solos ricos em selênio.

Além das vitaminas e minerais, existem alguns alimentos que contribuem para fortalecer ainda mais o nosso sistema imunológico, tais como: iogurtes e leite fermentado (tem ação probiótica, onde possuem microorganismos vivos que recuperam a flora intestinal e fortalecem o sistema imune), alho (agente antibacteriano), cogumelo shitake (possui uma substância que aumenta as células de defesa do organismo)e gengibre (contribui também para o fortalecimento do sistema imune).

Uma alimentação completa, equilibrada, rica em frutas, legumes, verduras e grãos, nos proporciona nutrientes que fortalecem o nosso sistema imunológico. É bastante simples combater a ação destes agentes, basta manter uma alimentação saudável, colorida e variada, adquirindo então qualidade de vida e tempo de saúde por mais tempo.

Compartilhar:
error0

Vamos entender de uma vez por todas quais são as melhores gorduras para se cozinhar

Por: Nutricionista Rosane Cincinatus

 !!🤔🤔

Vocês sabem qual a maior causa de morte até hoje?🤔
Infarto do Miocárdio ♥️

Por quê será? 🤔 Simplesmente pelo óleo que é usado para cozinhar, estes óleos são ricos em omega 6!
Estão nos intoxicando com os omega 6.

Pensando em nossos avós, eles utilizavam óleos de origem animal, e não possuíam problema cardíaco!
Alguém convenceu a população de que óleo animal fazia mal e que a melhor opção seriam os óleos vegetais!

Infelizmente existem interesses por trás disso tudo! 😨

São muitos os óleos vegetais:
 óleo de soja
 óleo de milho
 óleo de girassol
 óleo de amendoim

E o pior deles, é um dos mais caros e comprados pela população!!
 Óleo de canola 😳

Veja como a mídia, o marketing convence as pessoas a fazer uso de produtos tóxicos, que ao longo do tempo lhe causam doenças, você já ouviu ou conhece alguma planta chamada CANOLA?

Não, esta planta não existe, o correto seria Óleo CANOLA, e não ÓLEO DE CANOLA, esta preposição “de” é a fraude, não existe esta planta 😤😤

CAN.O.L.A, significa Canadian Oil Low Acid (CAN = CANADIAN, O = OIL, L = LOW, A = ACID).

No Canada, existe uma planta chamada COLZA que possui alta concentração de ácido erúcico, que mata, animais que comem essa planta, a COUZA, eles morrem de miocardiopatia. Como no Canada esta planta é epidêmica, o que eles fizeram, trans geneticamente a modificaram pra reduzir a concentração de ácido erúcico, que mata! 😱
Após isso, como a concentração de ácido erúcico era menor, eles liberaram para consumo, ou seja, diminuiu a concentração do veneno!!😵😱
E é um dos óleos mais caros que existem nas prateleiras dos supermercados, as pessoas compram o VENENO acreditando que estão fazendo um excelente negócio! 😖

Os demais óleos sofrem hidrogenação parcial, ou seja eles se transformam em TRANS, se não for feito essa hidrogenação parcial todo óleo estraga em até 10 dias.

Quando juntamos uma informação com a outra ai começa a ficar fácil entender o porquê de tantas pessoas estarem doentes.
E o pior, muitas pessoas ainda reutilizam estes óleos, principalmente quem faz frituras nas ruas, o óleo vegetal na primeira fritura já causa danos a saúde, imagine reutilizá-lo, quanto mais se reutiliza, mais TRANS ele fica, mais tóxico ele se transforma.
Mais uma vez, observamos onde de fato está a causa das doenças, é exatamente naquilo que ingerimos!!!

Existem algumas opções para se cozinhar e contornar todo esse problema: Vamos a elas!!

 Ghee: Pronuncia-se (gui), também conhecida como manteira purificada, ou manteiga clarificada. Esta é uma contribuição da medicina ayurvédica, muito utilizado na Índia.

 Óleo de coco: Preferencialmente extra virgem, esse óleo não sofre hidrogenação parcial. O problema é o seu preço, como suas propriedades são comprovadas, infelizmente o preço sobe.

 Azeite de Oliva: Esta seria uma opção, mas lembre-se, é possível apenas utilizar o azeite de oliva para cozinhar, jamais utilize o azeite de oliva para frituras, pois ao aquecer em elevadas temperaturas (na fritura), o azeite de oliva fica toxico e ao invés de beneficiar, vai prejudicar.

 Banha de porco: Pois é, pode não parecer, mas o que nossos avós utilizavam é muito melhor do que os óleos vegetais existentes no mercado! As banhas de hoje não tem a mesma qualidade das banhas da época dos nossos avós, por esta razão, seria aconselhado usar de forma moderada.

Nem toda gordura saturada é prejudicial 

 

Compartilhar:
error0

Dr. Lair Ribeiro sobre a Chlorella

#CHRORELLAChrolla o super alimento Vc pode encontrar em nossa loja virtual ou fisica.www.armazemmarques.minhalojanouol.com Ou dentro do extra sia #biomundo

Publicado por Armazém Marques em Domingo, 18 de junho de 2017

 

Benefícios da Chlorella

A chlrorella pode ser encontrada na forma de extrato, pó, tabletes ou cápsulas, e traz os seguintes benefícios para a saúde:

  1. Favorecer o ganho de massa muscular, pois é rica em proteínas e contém os BCAAs;
  2. Prevenir anemia e cãibras, pois é rica em vitamina B12, ferro e vitamina C;
  3. Melhorar a pele e os cabelos, por ser rica em beta-caroteno e vitamina C;
  4. Reduzir a inflamação, pois contém ômega-3;
  5. Desintoxicar, pois a ajuda a eliminar metais pesados do organismo;
  6. Reduzir o colesterol, pois contém niacina, fibras e antioxidantes;
  7. Controlar a pressão alta, por conter nutrientes como arginina, cálcio, potássio e ômega-3, que ajudam a relaxar os vasos sanguíneos.

É importante lembrar que os benefícios da clorela só são obtidos quando esta alga é consumida na forma de suplemento, pois a alga in natura não é digerida pelo intestino.

Compartilhar:
error0

Graviola contra o câncer

Por: Abrale

Estudos mostram que as propriedades da fruta podem ser benéficas aos pacientes com linfoma

 

Não é de hoje que determinados alimentos são vistos como mocinhos ou vilões na luta contra o câncer. E a graviola é um deles. Alguns dizem que ela pode ser muito prejudicial aos pacientes em tratamento. Outros, discordam dessa constatação.

Para tirar as dúvidas de uma vez por todas, convidamos a nutricionista Juliana Nabarrete, do Comitê de Nutrição da Abrale, para falar sobre esta fruta proveniente das regiões norte e nordeste do país.

Revista Abrale – Quais as propriedades da graviola?

Juliana Nabarrete: A graviola é uma fruta de sabor agridoce e aroma único. É rica em magnésio, cálcio, potássio, fibras, vitaminas do complexo B, vitamina C, manganês, zinco, ferro, fósforo, sódio, cobre, entre outros.

Revista Abrale – Como ela pode ser consumida? 

Juliana Nabarrete: Recomendamos o consumo de frutas na sua forma in natura, sem casca e sem sementes. É preciso acertar na escolha da fruta, optando sempre pelas unidades que estiverem mais macias e evitando aquelas com a casca preta ou rachada. A graviola pode ser utilizada em preparo de sucos, doces e sorvetes. Suas folhas possuem as mesmas fontes nutricionais que a polpa. Você pode utilizá-las para preparar um chá, ajudando no tratamento e prevenção de artrite, problemas no aparelho digestivo, hipertensão, entre outros. Porém, a sua ingestão é contraindicada às grávidas devido aos efeitos na pressão arterial. Já a capsula, que contém o extrato de graviola, é mais comum em regiões onde a fruta não é facilmente encontrada, e as pessoas podem aproveitar os seus benefícios por meio da suplementação. Porém, deve-se somente consumir com recomendação de uma nutricionista ou médico.

Revista Abrale – Ela pode ser usada para tratar problemas de saúde?

Juliana Nabarrete: O seu consumo é recomendado em casos de prisão de ventre, diabetes e obesidade. Pode ter ação anti-microbiana e fúngicas e de regulação da pressão arterial. O seu nome científico é Annona muricata L e o extrato de suas folhas é muito estudado no tratamento do câncer. Desde 1970, estudos americanos e coreanos realizados in vitro demonstraram que um conjunto de ativos fitoquímicos chamado Acetogenina, presente na folha da graviola, “matam” células malignas de 12 tipos diferentes de câncer, incluindo câncer de mama, ovário, cólon, próstata, fígado, pulmão, pâncreas e linfoma. Quando comparada a ação da adriamicina, a toxicidade às células saudáveis do organismo é bem abaixo, o que resulta em poucos efeitos colaterais. O órgão americano de regulamentação de alimentos e medicamentos – Food and Drug Administration – FDA, aprova somente a utilização da graviola como um coadjuvante no tratamento na melhora da função imunológica.

Revista Abrale – É verdade que o chá de graviola pode fazer muito mal aos pacientes que têm câncer?

Juliana Nabarrete: Algumas pessoas acabam extrapolando no consumo do chá durante o tratamento e certas substâncias podem ser tóxicas para rins e fígado, e podem comprometer a absorção e a eficácia dos quimioterápicos.

Revista Abrale – Então o uso da graviola está liberado para os pacientes em tratamento?

Juliana Nabarrete: Como outros diversos alimentos, a graviola deve fazer parte de uma alimentação equilibrada. Seja ela in natura, como parte de uma receita ou em forma de suco para o paciente oncológico. Sua utilização como medicamento natural ainda tem que ser estudada com maior abrangência na população.

 

Compartilhar:
error0

Chlorella: Use Este Superalimento para Ajudar a Remover em Algumas Semanas o Mercúrio dos Seus Tecidos

Por Dr. Mercola

Os pesticidas cobrem grande parte do nosso abastecimento de alimentos frescos, subprodutos químicos de fabricação são descartados rotineiramente no nosso ar e água, e os preenchimentos de amálgama de mercúrio nos dentes podem estar liberando mercúrio no seu corpo a cada mordida que dá na comida!

Os frutos do mar nos nossos oceanos estão carregados de metais pesados e mercúrio e passam esses venenos na cadeia alimentar até que doses potencialmente massivas de ambos acabem na sua mesa disfarçadas como uma refeição saudável.

Os suprimentos subterrâneos de água foram contaminados por produtos químicos e pesticidas provenientes de fazendas, fábricas e indústrias de alta tecnologia.

Na verdade, níveis aceitáveis de muitos venenos podem entrar na sua casa através da sua água de beber e de banho, incluindo flúor, cloro e baixos níveis de muitos metais pesados.

Você pode procurar proteger-se e combater esse risco comendo alimentos que estão livres de pesticidas e produtos químicos, mas você simplesmente não pode remover completamente todas as fontes de toxinas do seu ambiente.

O dano ao nosso mundo é muito disseminado e generalizado. Você precisa tomar medidas para proteger a si mesmo e a sua família desse mundo tóxico, e uma das melhores fontes naturais para mover esses materiais tóxicos para fora do seu corpo é uma alga verde baseada em alimentos integrais chamada chlorella.

Como Você Pode Combater a Poluição Sistêmica?

Para tratar dos produtos químicos nocivos e indesejados que o seu corpo absorve dos alimentos que você come, do ar que você respira e da água que você bebe, é importante desenvolver um plano pró-ativo. Uma das partes mais poderosas deste plano é a desintoxicação das toxinas que você já tenha acumulado dentro do seu corpo.

Seu corpo é naturalmente capaz de remover muitos dos patógenos prejudiciais, produtos químicos e venenos com os quais você pode entrar em contato no meio ambiente.

Mas no século 21, estamos vendo uma explosão de doenças relacionadas a toxinas acumuladas como câncer, disfunção autoimune, distúrbios cerebrais como o autismo, doença de Alzheimer e Parkinson, distúrbios nervosos e doenças mais comuns como depressão, dificuldades de aprendizagem e fadiga. Pode tornar-se relativamente fácil sobrecarregar a capacidade do seu corpo de remover muitas dessas toxinas. Os sintomas de acumulação tóxica devido à exposição crônica de metal incluem:

  • Fadiga
  • Distúrbio digestivo e capacidade reduzida para assimilar e utilizar adequadamente as gorduras
  • Articulações doloridas
  • Depressão
  • Regulação comprometida do açúcar no sangue
  • Problemas reprodutivos femininos

Sauna de Infravermelho

Há de dez a 100 vezes mais toxinas na sua gordura do que no seu sangue, então uma das melhores maneiras de remover as toxinas é diminuir a gordura corporal. Essa é realmente a sua primeira defesa. Escolher os alimentos e exercícios certos é fundamental aqui. Depois disso, uma das estratégias de desintoxicação mais eficazes que conheço é o uso de uma sauna de infravermelho.

Isso pode ser feito por aproximadamente uma hora por dia por um mês. Lembre-se, é importante hidratar-se bem antes e durante o tratamento da sauna para evitar a desidratação. Além disso, você pode se exercitar durante 30 a 60 minutos imediatamente antes para ajudar a liberar algumas das toxinas da sua gordura.

Alguns médicos também descobriram que o uso de niacina de liberação NÃO programada é útil, pois ajuda a liberar as toxinas da gordura. Contudo, são necessárias doses relativamente elevadas de 5.000 mg. Essas altas doses precisam ser administradas pouco a pouco, pois a niacina irá causar enrubescimento.

No entanto, cerca de um quarto das pessoas simplesmente não consegue tolerar o enrubescimento da niacina. Por favor, evite a liberação programada de niacina, pois ela pode potencialmente levar à hepatite química.

A Chlorella Como Uma Poderosa Ferramenta de Desintoxicação

Um dos recursos nutricionais mais interessantes disponíveis atualmente para ajudar seu corpo a lutar naturalmente contra a poluição ambiental é um suplemento à base de alimento integral, chamado chlorella. A chlorella é na verdade um dos suplementos mais utilizados no Japão, onde mais de 10 milhões de pessoas a usam regularmente. O uso japonês de chlorella é mais difundido do que o uso norte-americano da vitamina C, nosso suplemento mais popular.

Uma das razões pelas quais os japoneses valorizam tanto a chlorella é sua capacidade natural de desintoxicação. A chlorella é um “alimento verde”, uma microalga unicelular com cerca de dois a dez mícrons de tamanho. É seu pequeno tamanho combinado com suas propriedades únicas que a tornam uma ferramenta de desintoxicação tão útil. Sua estrutura molecular lhe permite ligar-se a metais, produtos químicos e alguns pesticidas.

Quando a chlorella é levada para dentro do seu corpo, sua ação natural irá ligá-la aos metais pesados, produtos químicos e pesticidas que possam ter permanecido no seu trato digestivo, que é um dos caminhos do seu corpo que levam a sua corrente sanguínea onde essas toxinas nocivas são levadas e depositadas nas células do seu corpo.

A chlorella é projetada exclusivamente para não se ligar aos minerais dos quais seu corpo naturalmente precisa para funcionar de forma otimizada. Não se liga a minerais benéficos como cálcio, magnésio ou zinco. É quase como se a chlorella soubesse quais metais pertencem ao seu corpo e quais produtos químicos precisam ser removidos.

Fazer a suplementação com chlorella é como desencadear um pequeno exército dentro do seu corpo para travar a batalha necessária para remover as toxinas de seus tecidos e levá-las para fora do seu corpo, que é o lugar delas.

A História da Chlorella

A chlorella é um dos suplementos alimentares mais amplamente estudados no mundo. Além de ser objeto de pesquisa médica nos EUA, na URSS, na Alemanha, no Japão, na França, na Inglaterra e em Israel, a chlorella tem sido amplamente estudada como fonte de alimento, uma vez que é composta por impressionantes 50 por cento de proteína e é considerada como um alimento baseado em aminoácidos completo.

Mesmo a NASA estudou usar a chlorella como um dos primeiros alimentos integrais no espaço na estação espacial internacional!

Estudos no Japão mostraram que a chlorella pode ajudar a reduzir a porcentagem de gordura corporal e pode ser útil na luta contra a obesidade e diabetes relacionada ao peso. Ela também pode ajudar a reduzir tanto o colesterol quanto a hipertensão. A ação de limpeza da chlorella no seu intestino e outros canais de eliminação, bem como a proteção que ela dá ao seu fígado, também ajuda a promover um sangue limpo. E um sangue limpo ajuda a garantir que os resíduos metabólicos sejam eficientemente afastados de seus tecidos.

A chlorella é um desintoxicante tão poderoso porque é rica em clorofila, que é conhecida por:

  • Ajudá-lo a processar mais oxigênio
  • Limpar os principais sistemas de eliminação como o intestino, o fígado e o sangue
  • Ajudá-lo a purificar seu sangue e limpar as toxinas
  • Ajudá-lo a promover uma pressão arterial otimizada
  • Ajudar a eliminação de mofo no seu corpo
  • Ajudá-lo a neutralizar o ar ruim que você possa respirar
  • Promover o crescimento e reparação de seus tecidos

A chlorella é realmente muito útil e vai além da desintoxicação, e seu conjunto de benefícios para a saúde incluem:

  • Melhora do seu sistema imunológico
  • Melhora da sua digestão, especialmente se a constipação for um problema para você
  • Fornece vitaminas B a partir de uma fonte animal
  • Melhora a sua capacidade de se focar e concentrar-se
  • Aumenta seus níveis de energia
  • Equilibra o pH do seu corpo
  • Normaliza o açúcar no sangue e a pressão sanguínea
  • Reduz seu risco de câncer
  • Refresca seu halito

Nem toda Chlorella é Criada da Mesma Forma

Ao contrário de muitos suplementos alimentares, a chlorella tem uma característica única que torna o seu processo de fabricação uma das principais preocupações quando se considera a fonte de suplementação. A chlorella é completamente indigerível para seres humanos. Nós simplesmente não temos as enzimas necessárias para quebrar sua parede celular.

Ao contrário de outros alimentos verdes, mascar e digerir a chlorella não liberará os poderosos benefícios para a saúde contidos nesta alga verde. Isso ocorre porque a parede celular externa resistente da chlorella, que também é quimicamente responsável pela ligação com as toxinas dentro de seu corpo, não pode ser decomposta por sua biologia.

Portanto, é imperativo que o processo de fabricação quebre por você a resistente parede celular externa, pois esta é a única maneira de fazer a chlorella se tornar biologicamente disponível para remover toxinas do seu corpo.

É por isso que eu apenas recomendo fazer a suplementação com chlorella com a Parede Celular Quebrada, porque esta é a única forma que permite a seu corpo usar esse poderoso agente de desintoxicação. Outra preocupação ao escolher sua chlorella é ter a certeza de que as fontes de água onde ela foi cultivada e colhida estão livres de qualquer contaminação.

Você deve sempre iniciar qualquer desintoxicação com chlorella gradualmente, tomando apenas uma pequena quantidade primeiro para ver como seu corpo tolera essa poderosa ferramenta de desintoxicação.

Algumas pessoas também relatam os benefícios de começar seu processo de desintoxicação ao primeiramente comer pequenas quantidades de coentro por alguns dias. O coentro também melhora a resposta de desintoxicação do seu corpo em um nível menos intenso – o que pode ajudar seu corpo a transitar para uma resposta de desintoxicação mais suave ao começar a usar chlorella.

Ferro em Excesso?

Outra coisa a se ter em conta quando se usa chlorella é que esta alga verde contém grandes concentrações de ferro. Os níveis de ferro nas mulheres não devem ser um problema por conta da perda de ferro relacionada ao ciclo menstrual, mas para homens ou mulheres pós-menopáusicas o excesso de ferro pode se tornar um problema.

Então, os homens que usam chlorella devem fazer com que seus níveis de ferro no sangue sejam verificados regularmente para garantir que o ferro em seu sangue permaneça dentro dos níveis saudáveis. O melhor exame é a ferritina. Idealmente, deve estar entre 20 e 80 ng / ml. Níveis superiores a 150 ou mais se tornam problemáticos e devem ser tratados com doações de sangue ou flebotomias terapêuticas.

Chlorella para Vegetarianos e Veganos

A chlorella também é uma ótima fonte de proteína completa de aminoácidos e é constituída por 50 por cento de proteína. Portanto, os veganos e os vegetarianos podem se beneficiar não só das propriedades de desintoxicação da chlorella, mas também podem aumentar a sua ingestão de vitamina B e proteínas através da suplementação de chlorella.

Muitos afirmam que ela também pode ser uma fonte útil de vitamina B12. Embora a chlorella contenha essa vitamina, a maioria das pessoas desenvolve deficiências porque eles perdem a capacidade de absorvê-la. Então, engoli-la não proporcionará o mesmo benefício que injetá-la ou usá-la em uma gota ou spray sublingual.

Até onde sei, a chlorella não é uma alternativa eficaz para fontes de origem animal de vitamina B12 que podem ser um problema para os veganos.

Considerações Finais Sobre a Chlorella

Às vezes, viver no mundo moderno pode fazer você se sentir como se estivesse em guerra com o ambiente ao seu redor, e as fontes de poluição geralmente são silenciosas e inevitáveis. Você pode fazer o seu melhor para evitar a poluição e as toxinas, comer apenas os alimentos orgânicos mais saudáveis, beber apenas água filtrada, evitar a exposição a produtos químicos artificiais agressivos, e ainda assim se ver exposto diariamente a enormes quantidades de poluentes nocivos que estão totalmente fora de seu controle.

Ao implementar um programa de desintoxicação agora você pode ajudar seu corpo a remover naturalmente os metais pesados indesejados e nocivos, produtos químicos e pesticidas que você inconscientemente carrega no seu corpo. E diminuir a sua carga tóxica tem demonstrado melhorar muitas doenças comuns da saúde, da falta de energia e insônia, até a digestão lenta, falta de resposta imune e fadiga mental.

Na verdade, quase tudo dentro do seu corpo, incluindo todos os seus órgãos, funciona melhor com cargas reduzidas de toxinas sistêmicas.

E, ao remover as toxinas agora e não deixá-las se acumularem a níveis perigosos, você pode estar ajudando seu corpo a evitar doenças fatais como o câncer, diabetes e hipertensão, juntamente com todos os distúrbios neurológicos agora muito comuns que podem não se manifestar por décadas.

Lembre-se de começar devagar, talvez usando o coentro primeiro e, gradualmente, aumente a sua ingestão de chlorella a um ritmo que o seu corpo possa tolerar.

 

Compartilhar:
error0

Lista com os MELHORES alimentos segundo o Dr. Lair Ribeiro

Por: Refletir para refletir

O Dr. Lair Ribeiro listou os 5 MELHORES alimentos que o ser humano pode comer. Espia a lista:

1.Leite Materno

Segundo o Dr. Lair Ribeiro, não existe nada melhor em alimentação para o ser humano que o leite materno.
Por isso o ideal seria as mães alimentarem seus filhos apenas com o leite materno nos 6 primeiros meses da vida do bebê e complementar até dois anos de idade. Esse é o foco mundial, quanto mais tempo a mãe amamentar mais saúde o filho vai ter a vida inteira.

Doutor lembra que a dieta da mãe é muito importante pois tem grande influencia nos nutrientes passados em seu leite.

2.Ovo

Em segundo lugar está o ovo. Veja o que o médico diz sobre esse alimento:

–  Tudo que a vida precisa está no ovo. Ele contém proteína, vitaminas, aminoácidos, ácidos graxos e mais. Ou seja, teoricamente você poderia viver só de ovo.

O ideal é consumir o ovo após ele cozer por 7 minutos. Este é o tempo suficiente para matar a salmonela e não desnaturar as proteínas que estão no ovo.

Você pode comer até 6 ovos por dia sem problemas, segundo o médico.

3.Óleo de coco

O óleo de coco é rico em acido láurico, que também está presente no leite materno. Este ácido é muito importante para o nosso organismo.

Segundo o Doutor Lair o óleo de coco tem o poder de matar fungos, bactérias, vírus e parasitas.

O médico ainda explica que este óleo de coco não acumula como gordura pois é queimado imediatamente pelo organismo.

Dos óleos vegetais de longe é o mais saudável para você usar em sua cozinha.

4.Quinoa

A organização mundial de saúde elegeu o quinoa como o melhor cereal do planeta. E o motivo disso é que esse cereal contém todos os aminoácidos essenciais.

Mas, porque esses aminoácidos são importantes?

Segundo o Doutor, para vivermos bem precisamos ingerir 8 aminoácidos que o nosso corpo não fabrica. A quinoa possui todos eles.

E quando você ingere esses aminoácidos essenciais, seu corpo rejuvenesce!

Além disso esse cereal também possui: proteínas, vitaminas do complexo B e outras, fibras, magnésio, fitonutrientes, fósforo, manganês, selênio, ferro, potássio, cobre, zinco, cálcio; ômega 3, 6 e 9 e apresenta baixo teor de colesterol.

5.Azeite de Oliva

O consumo diário do azeite de oliva trás vários benefícios para a sua saúde. Como por exemplo: ele controla o colesterol, favorece a saúde cardiovascular, tem funções antioxidantes e anti-inflamatórias e pode prevenir doenças degenerativas e o câncer.

Além do ômega 9 ele também tem uma substância chamada neo cantal, que evita o Mal de Alzheimer e aumenta a sua longevidade.

Dr. Lair faz um alerta sobre a qualidade desse alimento nos supermercados. Segundo ele, muitos dos óleos de oliva que você compra no mercado são batizados com azeite comum e/ou estão oxidados.

Para você ter um azeite de qualidade, esse produto tem que atender 4 critérios:

  • Prensado a frio
  • Extra virgem
  • Em vidro (não pode ser em lata porque ela libera metais pesados)
  • E o vidro tem que ser escuro (para proteger o azeite da luz)

Fique atento a algumas informações importantes no produto, palavras no rótulo como “ELABORADO com azeite de oliva”, ou até mesmo informações na parte de trás do produto como, “feito com azeite de oliva e outros óleos  vegetais”.

E quanto ao uso do produto, o Dr. Lair faz mais uma observação: O ideal é você consumir ele cru.

  1. Você pode até cozinhar com ele mas NUNCA fritar.

Compartilhar:
error0

Quais são os principais tipos de câncer? E os mais letais?

Por: Mundo Estranho

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), os mais comuns são os de pulmão, mama, colo-retal, estômago e fígado, que juntos respondem por quase metade dos novos casos de câncer que surgem no mundo a cada ano. Mas o que é essa doença que assusta tanta gente? O câncer pode aparecer em praticamente qualquer […]

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), os mais comuns são os de pulmão, mama, colo-retal, estômago e fígado, que juntos respondem por quase metade dos novos casos de câncer que surgem no mundo a cada ano. Mas o que é essa doença que assusta tanta gente? O câncer pode aparecer em praticamente qualquer parte do corpo, quando uma célula sofre mutações e passa a se dividir descontroladamente. Essas células doentes são capazes de induzir a formação de novos vasos sanguíneos para se alimentar e, quando atingem a fase chamada metástase, usam esses caminhos abertos para se espalhar pelo resto do corpo.

A letalidade do câncer, ou seja, sua capacidade de matar, depende de vários fatores. “Primeiro, das características do próprio câncer, como a rapidez com que ele cresce e invade tecidos e órgãos”, diz o biólogo molecular Roger Chammas, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). Além disso, a letalidade depende da capacidade que cada organismo tem para reagir e combater a doença. Por fim, pesa também a existência de algum tipo de tratamento eficaz. “O câncer de testículo, por exemplo, que já foi letal, hoje apresenta até 95% de chances de cura”, afirma Roger.

Atualmente, os especialistas têm investido em duas grandes áreas em busca de uma cura definitiva para a doença. Uma linha de pesquisa aposta na tentativa de cortar o suprimento de sangue do câncer, matando as células doentes por falta de alimentos. Outra trabalha com a idéia de estimular o sistema imunológico do paciente, ajudando o organismo a reconhecer as células cancerosas para eliminá-las.

Inimigo oculto A doença pode se espalhar por quase todo o corpo e muitas vezes de maneira silenciosa.

PULMÃO – O mais perigoso

Com 1,2 milhão de novos casos a cada ano, esse é o tipo de câncer mais comum e também o que mais mata no mundo. Ele é perigoso porque geralmente surge acompanhado de outras doenças associadas ao cigarro, como o enfisema, que diminui a capacidade pulmonar e pode tornar inviável uma cirurgia, tratamento recomendado em casos de câncer de pulmão não avançado. Os principais sintomas são tosse, escarro com sangue, dor no tórax, falta de ar e inflamação nos brônquios. Noventa por cento dos casos são causados pelo tabagismo, vício que atinge um terço da população mundial adulta.

MAMA – Problema nacional

É o câncer que mais mata mulheres no Brasil. No mundo todo, surgem cerca de 1 milhão de casos anualmente. A incidência aumentou dez vezes nas décadas de 60 e 70, mas a letalidade foi reduzida graças às campanhas de prevenção, que permitiram diagnósticos mais precoces da doença. O auto-exame, os exames clínicos anuais e as mamografias freqüentes podem reduzir a mortalidade das mulheres propensas ao problema, principalmente após os 50 anos. Com exceção do aspecto hereditário, não se conhecem bem os fatores de risco para o câncer de mama, mas é possível que o consumo excessivo de bebidas alcoólicas seja um deles.

COLO-RETAL – Sintomas tardios

Esse câncer, que atinge a região do intestino grosso e do reto, é o terceiro tipo mais comum no mundo, com 940 mil novos casos por ano. Nos Estados Unidos, é o segundo câncer que mais mata, depois do pulmão. Os principais sintomas são diarréia, prisão de ventre, gases, dor na região do abdômen, náuseas, vômitos e emagrecimento. É causado principalmente por dietas com alto teor de gordura, consumo de carne, obesidade e sedentarismo. Os sintomas geralmente só aparecem em estágios mais avançados, o que torna esse tipo de câncer bastante letal.

ESTÔMAGO – Dieta de risco

Em termos de incidência, é o quarto tipo mais comum no mundo, com 870 mil casos por ano. Mas é o segundo que mais mata. Isso porque seus sintomas não são específicos: perda de peso, fadiga, falta de fome, vômitos, náuseas e desconforto abdominal. O resultado é que muitas vezes a doença passa despercebida, até entrar em estágio avançado, quando a cura é bem mais difícil. A dieta é o maior fator de risco, principalmente a ingestão de alimentos conservados no sal ou defumados, o que torna o câncer de estômago mais freqüente em países pobres, onde o uso desse método de conservação muitas vezes substitui a geladeira.

FÍGADO – Evolução assustadora

Quinto colocado em incidência (com 560 mil novos casos anuais), é o terceiro que mais mata. Geralmente está associado ao alcoolismo e à hepatite B e C, mas a doença também pode ser provocada pelo consumo de grãos mal armazenados, nos quais crescem fungos que produzem toxinas cancerígenas. Os principais sintomas são dores e inchaço no abdômen, náusea, falta de apetite e pele amarelada. Esse tipo de câncer se desenvolve muito rápido, podendo duplicar de tamanho em apenas quatro meses. O fígado também é alvo comum de outros cânceres, que entram em metástase e se espalham pelo corpo.

MELANOMA – Raro, mas temido

O melanoma é um câncer pouco incidente. São cerca de 130 mil novos casos por ano, o que corresponde a só 5% de todos os casos de câncer de pele do mundo. Mas, apesar de raro, ele é muito letal. Como a doença surge como uma pinta na pele, ela muitas vezes é ignorada, sendo diagnosticada tarde demais. Outros cânceres menos frequentes e perigosos são o de pâncreas, que não apresenta sintomas evidentes, e o chamado “linfoma de não hodgkin”, que ataca células nos gânglios e pode se espalhar rápido pelo corpo.

100 mil novos casos por ano no mundo

 

Compartilhar:
error0

O Que é Antioxidante – Alimentos e Suplementos

Por: mundoboaforma.com.br

Sempre ouvimos falar que devemos consumir mais antioxidantes porque eles fazem bem à saúde e previnem doenças, mas será que todos sabem o que é antioxidante? E onde podemos encontrá-los?

Os antioxidantes são substâncias que desempenham diversas funções no organismo, entre elas ajudar a prevenir o envelhecimento precoce e manter a saúde de nossas células. Nosso corpo produz grande parte dos antioxidantes necessários para seu funcionamento, mas às vezes alguns fatores externos exigem uma quantidade maior de antioxidantes, que devem ser obtidos da dieta.

Frutas, verduras e legumes frescos sem resíduos de agrotóxicos são ricos em antioxidantes, e devem fazer parte de uma dieta para minimizar os efeitos dos radicais livres.

Vamos então saber o que é antioxidante e porque devemos acrescentá-lo em nossa alimentação.

Substâncias antioxidantes

O próprio nome já nos ajuda a compreender a função do antioxidante: combater a oxidação que ocorre em nosso corpo. E o que é oxidação? É o processo pelo qual nossas células utilizam oxigênio para converter em energia os nutrientes fornecidos através da alimentação.

Esse processo ocorre naturalmente em nosso corpo a todo instante, mas tem como efeito colateral a liberação de moléculas que são instáveis e que possuem um elétron de carga negativa.

Essas moléculas são os radicais livres, e seu comportamento natural é se ligar imediatamente a outras moléculas ao seu redor, para obter o elétron que está faltando e adquirir estabilidade.

O que acontece então é um efeito cascata, em que uma molécula vai sequestrando um elétron da outra e formando mais radicais livres. Embora esses radicais sejam importantes para nosso corpo, em excesso eles podem danificar nossas células sadias, não só comprometendo suas funções como às vezes também sua estrutura genética.

Felizmente, na maioria das vezes nosso corpo é capaz de produzir os antioxidantes necessários para combater esses radicais livres em excesso e impedir que causem maiores danos. Existem, no entanto, fatores externos que podem causar a formação de um excesso de radicais livres, fazendo com que nosso corpo não consiga dar conta de combatê-los.

Nessas situações, é necessário o consumo de mais antioxidantes através da alimentação ou de suplementos, para evitar os danos dos radicais livres.

Entre os fatores externos que podem causar a formação de um excesso de radicais livres, temos:

  • Cigarro;
  • Excesso de radiação ultravioleta do sol;
  • Álcool;
  • Agrotóxicos;
  • Poluição;
  • Estresse físico e mental;
  • Conservantes e hormônios em alimentos.

E não podemos também nos esquecer de que o próprio processo natural de envelhecimento vai gerando radicais livres ao longo do tempo.

Função dos antioxidantes

Os antioxidantes são responsáveis por estabilizar os radicais livres, impedindo que eles retirem elétrons de outras moléculas e danifiquem as células. Como já dissemos, nosso organismo é capaz de produzir 98% dos antioxidantes de que necessitamos, mas nas situações em que é há um acúmulo de radicais livres, é necessário saber o que é antioxidante diante das fontes externas, alimentares e de suplementos.

Pesquisadores afirmam que o excesso de radicais em nosso corpo está associado ao surgimento de diversas complicações, como inflamações, doenças do coração, Mal de Alzheimer, envelhecimento precoce, artrite, catarata e até mesmo câncer. O papel dos antioxidantes é manter o funcionamento adequando do nosso corpo e evitar que todas essas doenças se instalem como resultado da ação dos radicais livres.

Tipos de Antioxidantes

Agora que já sabemos o que é antioxidante, vamos conhecer alguns nutrientes que têm capacidade de combater os radicais livres e que devem fazer parte de nossa dieta:

– Vitamina C

Essa é uma grande conhecida de nós brasileiros que consumimos muitas frutas cítricas, como a laranja e o limão. Também conhecida como ácido ascórbico, a vitamina C se dissolve em água, o que permite que ela elimine radicais livres em meios aquosos, como por exemplo dentro das células. A vitamina C também trabalha em conjunto com a vitamina E para combater os radicais livres.

A função mais conhecida da vitamina C é fortalecer nosso sistema imunológico, mas ela também atua na produção de colágeno e na absorção de ferro.

– Vitamina E

A vitamina E é lipossolúvel, ou seja, se dissolve em gordura. Essa característica a torna indispensável para proteger as membranas celulares dos radicais livres. Outra função da vitamina E é proteger o LDL (mau colesterol) da oxidação.

– Betacaroteno

Também solúvel em água, o betacaroteno é excelente na remoção de radicais livres em meios com pouca concentração de oxigênio, impedindo que causem danos às células.

Alimentos ricos em betacaroteno podem auxiliar na prevenção de câncer de próstata e do sistema digestivo, além de promover a saúde dos olhos.

– Selênio

O selênio é um caso interessante: trata-se de um mineral que nós devemos consumir em quantidades muito pequenas, mas que sem o qual a vida não seria possível. Esse mineral atua na produção de diversas enzimas antioxidantes, que irão combater os radicais livres.

A quantidade de selênio de que necessitamos é tão pequena que uma única castanha-do-pará já é suficiente para suprir toda a nossa necessidade diária.

– Fitoquímicos

As plantas ficam expostas ao sol o dia todo, e por isso produzem uma grande quantidade de compostos para se protegerem contra os radicais livres que a radiação produz. Esses compostos são conhecidos como fitoquímicos, ou antioxidantes naturais.

Alguns dos principais antioxidantes naturais são os flavonóides, os polifenóis e a isoflavona.

Alimentos ricos em antioxidantes

Alguns alimentos possuem mais antioxidantes que outros, e os tipos de antioxidantes em geral variam com a coloração das frutas e verduras. Para obter todos os benefícios dos antioxidantes, alterne entre os diferentes tipos de alimentos frescos e certifique-se de consumir de 2 a 3 porções desses alimentos todos os dias.

Veja em quais alimentos encontrar alguns dos principais antioxidantes:

– Vitamina C

  • Frutas cítricas: ameixa, acerola, laranja, abacaxi, limão;
  • Morango;
  • Tomate;
  • Brócolis;
  • Batata;
  • Kiwi;
  • Pimentão.

– Vitamina E

  • Azeite;
  • Nozes;
  • Abacate;
  • Azeitonas;
  • Fígado;
  • Espinafre;
  • Tofu;
  • Semente de girassol;
  • Brócolis.

– Betacaroteno (ou carotenóides)

  • Manga;
  • Cenoura;
  • Couve;
  • Abóbora;
  • Batata doce;
  • Damasco;
  • Mamão;
  • Ervilha;
  • Pimentão vermelho e amarelo.

– Selênio

  • Frutos do mar;
  • Arroz integral;
  • Carne vermelha;
  • Pão integral;
  • Frango;
  • Castanha-do-pará;
  • Carne suína.

– Fitoquímicos

  • Isoflavonas: soja, ervilha;
  • Polifenóis: morango, uva, mirtilo (fruta com altíssimo teor de antioxidantes), cereja, amora, cebola, batata, cacau, chá verde, cranberry;
  • Flavonóides: maçã, feijão, frutas cítricas, uva vermelha, chá, tomate

Alimentos que são ricos em outros tipos de fitoquímicos: alho, linhaça, grãos e cúrcuma.

Suplementos 

Para os médicos, o ideal é que os antioxidantes sejam obtidos através de uma alimentação equilibrada e rica em frutas, verduras e legumes. Para eles, nosso organismo pode não absorver adequadamente antioxidantes em grande quantidade, como é o caso dos suplementos.

Para algumas pessoas, no entanto, ter uma alimentação variada pode ser uma tarefa difícil, então pode haver a necessidade de ser fazer uma suplementação com acompanhamento profissional.

Existem diversos suplementos antioxidantes no mercado, sendo alguns à base de goji berry, açaí e cranberry, além dos tradicionais multivitamínicos. Vale lembrar que a maioria não possui comprovação científica de que realmente funcione, então é importante saber realmente o que é antioxidante de verdade no mercado, e estar atento para não pagar caro em um produto duvidoso.

Quantidades recomendadas dos principais antioxidantes:

  • Vitamina E: 100 a 200 UI/ dia;
  • Selênio: 100-200 mcg/dia;
  • Carotenóides: 15.000 UI/ dia;
  • Vitamina C: 250-500 mg/dia.

O selênio pode ser tóxico em quantidades acima de 400 mcg por dia, portanto é importante tomar cuidado com sua suplementação.

Evite os radicais livres

Além de compreender o que é antioxidante, você deve também entender que é importante evitar agentes causadores de radicais livres, como já vimos anteriormente. Algumas dicas são: não se expor ao sol sem filtro solar, não fumar e evitar o consumo de alimentos como frituras e carnes gordurosas, que podem formar radicais livres em nosso corpo.

Beber bastante água, praticar atividades físicas moderadas e manter a mente longe do estresse são algumas atitudes que contribuem para evitar os danos associados aos radicais livres.

Compartilhar:
error0

Sistema Imunológico: Como Fortalecer Com Alimentação

Por: Dr. Juliano Pimentel

Manter o sistema imunológico saudável é muito importante. E o que você come pode influenciar na imunidade do organismo. Esse cuidado ajuda a prevenir doenças, melhora a disposição e a saúde, além de ajudar no restabelecimento do organismo.

Neste artigo, eu vou listar os alimentos que ajudam a melhorar o sistema imunológico.

Sistema Imunológico

gengibre-beneficios
Sistema Imunológico: Fortaleça Com Gengibre. Imagem: (Divulgação)

Veja quais alimentos cuidam do sistema imunológico.

  1. Alimentos Ricos Em Ferro

ferro é um mineral que desempenha um papel importante na função imunológica.

Uma dieta pobre em ferro pode contribuir para a anemia, e enfraquecer o sistema imunológico (1234).

É por isso que é importante otimizar a ingestão de alimentos ricos em ferro, como carne, aves, peixes, mariscos, leguminosas, nozes, sementes, vegetais crucíferos e frutas secas.

Você também pode melhorar a absorção de ferro ao cozinhar usando panelas de ferro fundido, e evitando tomar chá ou café durante as refeições.

Combine alimentos ricos em ferro com uma fonte de vitamina C, pode ajudar a aumentar ainda mais a sua absorção.

É importante lembrar que os níveis excessivamente altos de ferro no sangue, também podem ser prejudiciais, e suprimir o sistema imunológico (567).

Portanto, é melhor usar suplementos de ferro apenas se você tem uma deficiência desse mineral, e com orientação médica.

  1. Alimentos Ricos Em Probióticos

Os alimentos que são ricos em probióticosajudam a melhorar a função imunológica.

Probióticos são bactérias benéficas que vivem em seu intestino, e estimulam a imunidade.

Eles também ajudam a manter a saúde do revestimento do intestino; prevenindo assim que substâncias indesejadas “escapem” no corpo e provoque uma resposta imune negativa (891011).

De fato, revisões recentes mostram que os probióticos, podem reduzir o risco de desenvolver infecções do trato respiratório superior em até 42%.

Estudos também mostram que quando as pessoas ficam doentes, aqueles que consomem regularmente probióticos são até 33% menos propensos a necessidade de antibióticos.

Em certos casos, os probióticos que consomem regularmente também podem levar a uma recuperação mais rápida da doença (121314).

É possível aumentar a sua ingestão, fazendo dos alimentos probióticos uma parte regular de sua dieta (15).

Grandes fontes de probióticos incluem chucrute, iogurte de kefir, vinagre de maçã, ervilha, entre outros alimentos.

  1. Vitamina C

O seu corpo não produz vitamina C, então você precisa consumir alimentos que contenham essa vitamina.

Frutas como laranjas, tangerina, goiaba, toranja e limão são ricas em vitamina C, um reforço de imunidade bem conhecido.

A vitamina C é reconhecida por suas propriedades antibacterianas e anti-inflamatórias.

Também ajuda a manter a integridade da pele, que atua como uma barreira protetora contra a infecção (16).

Além disso, ele pode agir como um antioxidante, ajudando a proteger suas células imunes contra compostos nocivos formados em resposta a infecções virais ou bacterianas (1718192021).

Aumentar sua ingestão dessa vitamina durante o resfriado comum pode ajudá-lo a melhorar mais rapidamente (22).

Outros alimentos ricos em vitamina C incluem pimentões, goiaba, folhas verdes escuras, brócolis, tomates e ervilhas.

  1. Gengibre

gengibre é rico em gingerol, uma substância bioativa, que pode ajudar a reduzir o risco de infecções (23).

Na verdade, o gengibre tem propriedades antimicrobianas que podem inibir o crescimento de vários tipos de bactérias, incluindo E. coli, Candida e Salmonella (242526).

Estudos feitos em células humanas apontaram que o gengibre fresco; também pode ajudar a combater o vírus respiratório sincicial humano (HRSV), um vírus responsável por muitas infecções respiratórias (28).

Finalmente, o gengibre também tem efeitos anti-náusea, que podem ajudar a diminuir seus sintomas de náusea quando você tem gripe (29).

  1. Alho

alho também contém compostos ativos que podem ajudar a reduzir o risco de infecção (3031).

A alicina, o principal composto ativo no alho, melhora a capacidade de suas células imunes para combater resfriados e a gripe (3233).

Alho também parece ter propriedades antimicrobianas, e antivirais que podem ajudar a combater infecções bacterianas e virais (34).

Em um estudo, os participantes que receberam um suplemento diário de alicina tiveram resfriados 63% menos frequentemente do que o grupo placebo.

Além disso, quando eles ficaram doentes, os participantes no grupo de alicina recuperaram 3,5 dias mais rápido, em média.

Em outro estudo, os participantes que consumiram um extrato de alho, quando estavam doentes relataram 21% menos sintomas e recuperaram 58% mais rapidamente do que o grupo placebo.

  1. Bagas

Por muitos anos, os nativos americanos usaram bagas para tratar infecções como o resfriado comum (35).

Isso porque as bagas são uma rica fonte de polifenóis, um grupo de compostos de plantas benéficas com propriedades antimicrobianas.

Por exemplo, a quercetina, um polifenol, é particularmente eficaz para reduzir o risco de ficar doente após um exercício intenso.

Estudos também mostram que as bagas e seus polifenóis, têm a capacidade de proteger contra o vírus influenza responsável pela gripe (36).

Eles podem até mesmo oferecer uma defesa contra Staphylococcus, E. coli e Salmonella (37).

As bagas também contêm boas quantidades de vitamina C, o que aumenta suas propriedades imunológicas.

Baga é um termo botânico que define um fruto pequeno, carnoso, com muitas sementes no interior de ovário dilatado e sumarento.

  1. Óleo De Coco

óleo de coco contém triglicerídeos de cadeia média (MCTs), uma categoria de gorduras com propriedades antimicrobianas.

O tipo mais comum de MCT encontrado no óleo de coco é o ácido láurico, que é convertido em uma substância conhecida como monolaurina durante a digestão.

Tanto o ácido láurico quanto a monolaurina têm a capacidade de matar vírus, bactérias e fungos prejudiciais (38).

Por exemplo, os pesquisadores relatam que as gorduras de coco podem ajudar a combater os tipos de bactérias que causam úlceras de estômago, sinusite, cavidades dentárias, intoxicação alimentar e infecções do trato urinário.

Os pesquisadores também acreditam que o óleo de coco, pode ser eficaz contra os vírus responsáveis pela gripe e hepatite C.

Também pode ajudar a combater Candida albicans, uma causa comum de infecções fúngicas em humanos (3940).

Você pode facilmente adicionar óleo de coco à sua dieta, usando-o em vez de manteiga ou óleos vegetais ao cozinhar ou assar.

  1. Alcaçuz

O alcaçuz é uma especiaria usada na medicina herbal tradicional na Ásia, e na Europa há milhares de anos.

Estudos mostram que o alcaçuz tem a capacidade de combater alguns fungos e bactérias, incluindo E. coli, Candida albicans e Staphylococcus aureus (41).

Também pode ser capaz de combater os vírus responsáveis pela gripe, gastroenterite e poliomielite (42).

Alguns produtos que contenham alcaçuz também são podem ser ricos em açúcar. É preciso procurar opções de açúcar mais baixo, como chá de alcaçuz.

Além disso, consumir muito alcaçuz pode ter um número de efeitos adversos, incluindo pressão arterial elevada, ritmo cardíaco anormal e um risco aumentado de nascimento prematuro (43).

  1. Sementes

Nozes e sementes são incrivelmente ricas em nutrientes. Elas são ricas em selênio, cobre, vitamina E e zinco, entre outros nutrientes.

Todos estes desempenham um papel na manutenção de um sistema imunológico saudável (44).

Amêndoas são fontes particularmente boas de cobre e vitamina E, enquanto as sementes de abóbora e caju são ricas em zinco.

Nozes e sementes são também grandes fontes de fibra, antioxidantes e gorduras saudáveis, todos os quais são benéficos para a saúde (45).

  1. Batata Doce

A batata doce é rica em vitamina A.

A falta de alimentos ricos em vitamina A pode enfraquecer o sistema imunológico, e aumentar a sensibilidade às infecções (46).

Por exemplo, um estudo relata que crianças deficientes em vitamina A tinham 35% mais probabilidade de sofrer de sintomas respiratórios, em comparação com aquelas com níveis normais de vitamina A.

Além de batata doce, outros alimentos que são ricos em vitamina A incluem cenouras, vegetais de folhas verde escuro, abóbora, alface romaine, damascos secos, pimentos vermelhos, peixe e carnes de órgãos.

Sua dieta desempenha um papel importante na força do seu sistema imunológico.

Consumir os alimentos listados acima regularmente pode ajudar a reduzir a frequência com que você fica doente.

É fundamental priorizar uma alimentação de verdade, e manter hábitos saudáveis para aumentar sua imunidade.

 

Compartilhar:
error0