Arquivo da categoria: Alimentação

Consuma azeite e tenha menos chance de ter Alzheimer

Por: Proteste

Por possuir poucas gorduras saturadas e ser fonte de ômega-3, o azeite é um dos óleos vegetais mais recomendados para o consumo. No entanto, estudos recentes indicam que os benefícios do alimento vão além. De acordo com pesquisa realizada pela Universidade Temple, nos Estados Unidos, o azeite também é capaz de prevenir o Alzheimer e favorecer a memória.

Idoso

O estudo foi publicado no periódico acadêmico Annals of Clinical and Translational Neurology. Para a avaliação, os pesquisadores utilizaram camundoungos, que tiveram a dieta suplementada por azeite de oliva extra virgem. Dessa forma, puderam constatar que as habilidades relacionadas à memória melhoraram durante o período testado. O comparativo foi em relação aos outros que não consumiam a gordura diariamente.

Azeite remove toxinas que prejudicam a memória

A ligação do azeite com a memória se deve à presença de um ingrediente responsável pela ativação do processo de autofagia, que remove toxinas e outras substâncias degenerativas, que podem levar ao Alzheimer.

Compartilhar:
error0

Prevenção do câncer de mama: evite alimentos embutidos

Nova pesquisa relaciona consumo de alimentos embutidos ao câncer de mama; OMS já havia colocado-os na lista de fatores de risco.

Por: PROTESTE

Os alimentos embutidos, como salsicha e bacon, há tempos são mal vistos pelos médicos, principalmente os oncologistas. Há cerca de dois anos, a Organização Mundial da Saúde colocou-os na lista de fatores de risco para o câncerNo entanto, agora os cientistas da Universidade de Glasgow, na Escócia, foram além. E identificaram há que uma relação entre esses alimentos e o câncer de mama. A notícia foi publicada no site Saúde, da editora Abril.

O estudo foi feito com base em informações de mais de 262 mil mulheres, entre 40 e 69 anos. No experimento, o consumo de apenas 9 gramas de embutidos ao dia (cerca de três fatias de salame) aumentou em 21% a probabilidade de câncer de mama.

“É um risco pequeno, bem menor do que o registrado para câncer de intestino“, compara Renato Cagnacci, cirurgião oncológico do Departamento de Mastologia do A.C.Camargo Cancer Center, em São Paulo. Porém, vale notar também que a quantidade de embutido considerada perigosa foi baixa.

“O resultado do trabalho sugere que é melhor nem comer esse tipo de alimento”, diz Cagnacci. Se não der para resistir, o médico recomenda deixar apenas para ocasiões especiais.

O que são os embutidos?

De acordo com a nutricionista Thais Manfrinato Miola, do A.C.Camargo, a carne processada é aquela que passa por uma transformação com fermentação ou sal, podendo ser curada ou defumada. Dessa forma, as substâncias usadas no processo são capazes de predispor ao câncer.

Alguns dos alimentos com essas características são:

  • Salsicha
  • Bacon
  • Salame
  • Presunto
  • Linguiça
  • Peito de peru
  • Rosbife
  • Mortadela
Compartilhar:
error0

Alimentos funcionais: mais saúde no seu prato

Por: PROTESTE

Os alimentos funcionais são aqueles consumidos tanto por suas funções nutricionais quanto por serem benéficos para a saúde. Por isso, a PROTESTE selecionou uma série de dicas sobre o consumo destes alimentos que podem contribuir para redução de riscos de doenças.  

O fato é que esses nutrientes prometem atuar na redução do risco de doenças crônicas, como câncer, diabetes e mal de Alzheimer, além de problemas cardiovasculares, ósseos, inflamatórios e intestinais. Contudo, para você conseguir alcançar os benefícios desses alimentos, é preciso consumi-los regularmente.

Evite frituras e embutidos

O primeiro passo para beneficiar seu organismo é deixar mais de lado gorduras, frituras e embutidos. E montar um cardápio mais equilibrado, com frutas, grãos integrais, peixes, aves e legumes, já que são as principais fontes dos componentes ativos dos alimentos funcionais.

Observe, no entanto, que, se você estiver consumindo um alimento funcional com a intenção de controlar o colesterol, por exemplo, apenas terá bons resultados caso ele esteja associado a uma dieta pobre em gordura saturada e colesterol.

Isso quer dizer que você deve evitar comer carnes à milanesa, peixe frito, salsicha, salaminho, mortadela, biscoitos, bolos industrializados e queijos amarelos.

Saiba ainda que, para ser considerado um funcional ou alegar propriedade funcional, o alimento deve conter alguns componentes essenciais. Por isso, você precisa ficar atento aos rótulos dos produtos nos supermercados, principalmente dos alimentos processados.

Os ácidos graxos (conhecidos como ômega 3 e ômega 6) – são muito benéficos à nossa saúde. Eles ajudam a reduzir danos vasculares, evitando a formação de coágulos (causadores de trombose) e depósitos de gordura nas artérias, diminuindo o colesterol total e ainda desempenhando um importante papel em alergias e processos inflamatórios.

Você pode encontrar os ácidos graxos com facilidade em óleos vegetais (azeite e óleos de soja, girassol e milho), oleaginosas (amêndoas e castanhas), peixes (atum, anchova, carpa, arenque, salmão e sardinha) frutos do mar, linhaça e cereais.

Da mesma maneira, as fibras solúveis contribuem para a diminuição do nível de colesterol, prevenindo doenças cardiovasculares, mas ainda protegem contra o câncer de intestino e agem contra a obesidade. Isso porque a saciedade provocada pelas fibras leva você a comer menos, o que colabora também para uma menor absorção de glicose.

As fibras insolúveis, por sua vez, estimulam o bom funcionamento intestinal, previnem a prisão de ventre e o câncer colorretal.

Os dois tipos de fibras são encontrados em cereais integrais (aveia, centeio, cevada e farelo de trigo), leguminosas (soja, feijão, ervilha e grão-de-bico), frutas consumidas com a casca, hortaliças e sementes. Mas, para que elas sejam eficazes, lembre-se de beber bastante água e outros líquidos.

Bactérias ajudam na digestão

Já quando você lê nos rótulos de iogurtes, leites ou outros produtos lácteos fermentados que eles possuem micro-organismos vivos, significa que são alimentos probióticos. Ou seja, ajudam no equilíbrio da flora intestinal, estimulam o crescimento de bactérias benéficas e, com isso, melhoram a digestão e reduzem o risco de tumores.

Vale ressaltar que partes de alimentos que não são digeridas e estimulam o crescimento desses micro-organismos benéficos no intestino grosso são chamadas de prebióticos. Eles regulam, principalmente, a flora intestinal e são encontrados numa grande variedade de vegetais, bactérias e fungos.

No que se refere aos alimentos antioxidantes, saiba que eles ajudam a reduzir os danos provocados pelos radicais livres em nosso corpo, que desencadeiam, por exemplo, os processos cancerígenos. Essas substâncias são conhecidas como compostos fenólicos, tendo sido associadas ao menor risco cardiovascular.

Os tipos encontrados na uva, no vinho tinto e na maçã aumentam o colesterol bom, o HDL, e reduzem o risco de entupimento das artérias. Já quando presentes no açaí, na uva, na jabuticaba e na amora, podem evitar cânceres e algumas alergias, assim como combater inflamações e prevenir doenças cardíacas.

Em sementes de leguminosas (soja, ervilha e amendoim), aliviam sintomas da tensão pré-menstrual (TPM)e da menopausa. E ainda ajudam na diminuição do risco de algumas doenças, especialmente em mulheres, como a osteoporose e o câncer de mama.

Fique atento ainda a outros importantes antioxidantes, que são os carotenoides. Entre eles, você pode encontrar o betacaroteno em abóbora, cenoura, mamão, manga e couve, por exemplo, que diminui o risco de câncer e de doenças cardiovasculares e atua também na saúde da visão.

Já o licopeno – presente no tomate e derivados, goiaba vermelha, pimentão vermelho, melancia e beterraba – age na prevenção do câncer de próstata e reduz os níveis de colesterol.

Compartilhar:
error0

Anvisa proíbe fabricação e venda de produtos com moringa oleifera

A nossa querida ANVISA havia publicado a suspensão da comercialização da MORINGA OLEÍFERA, riquíssima em nutrientes, vitaminas e sais minerais, importantíssimos e que estavam ajudando MUITO às pessoas, principalmente os pacientes oncológicos que passavam por processos de anemia, desnutrição e até caquexia. Não contente com a suspensão, ela PROIBIU DE VEZ a comercialização. Leiam na matéria abaixo que, apesar de saber dos benefícios da planta e que ela é utilizada, inclusive na culinária, a ANVISA está preocupada com a toxicidade da planta e não com a saúde das pessoas. (Giseli SantosGrupo É seu Direito Saber, É seu Direito Escolher)

Por: Marília Notícia

A agência informou que não há avaliação e comprovação de segurança do uso da espécie em alimentos. A medida é válida para todo o território nacional e abrange tanto alimentos que contenham moringa oleifera, como chás e cápsulas, quanto o próprio insumo.

“Produtos denominados e/ou constituídos de Moringa oleifera que vêm sendo irregularmente comercializados e divulgados com diversas alegações terapêuticas não permitidas para alimentos, como por exemplo: cura de câncer, tratamento de diabetes e de doenças cardiovasculares, entre muitas outras”, apontou a resolução.

Sites que vendem o produto pela internet informam que a planta é rica em potássio e vitaminas A e C. Entre os benefícios, citam o combate a processos inflamatórios, controle dos níveis de colesterol e açúcar no sangue, retardo do processo de envelhecimento, redução da fadiga e combate a dores musculares.

O produto pode ser encontrado em cápsulas, em pó, em folhas e em gotas.

O que é moringa oleifera

Também conhecida como acácia-branca, a moringa oleifera é uma planta que pode ser utilizada na culinária e que tem propriedades nutricionais.

“A moringa é usada na Índia e na África em programas de alimentação para combater a desnutrição. As vagens verdes imaturas são preparadas de forma semelhante ao feijão verde, enquanto as sementes são removidas das vagens mais maduras e cozidas como ervilhas ou assadas como nozes. As folhas são cozidas e usadas como espinafre, e também são secas e em pó para uso como condimento. Pesquisas clínicas mostram ação das folhas da moringa principalmente neste campo da desnutrição”, explica Maria Angélica Fiut, nutricionista e presidente da Associação Brasileira de Fitoterapia (Abfit).

Maria Angélica diz que estudos preliminares apontaram ação da planta “no controle dos lipídios do sangue e da glicose, sugerindo mais estudos para validar ação neste campo de pesquisa”.

“A proibição da Anvisa em questão trata do alimento moringa que, descuidadamente, vem sendo atribuído a propriedades medicinais e venda sem controle”, comenta.

Segundo Elaine Frade Costa, presidente da Comissão de Desreguladores Endócrinos da Sociedade Brasileira Endocrinologia e Metabologia (SBEM), a planta contém componentes que podem trazer benefícios para a saúde, como as vitaminas A e C, minerais, como cálcio e magnésio, e vitamina B1.

“Mas extrapolar para uma ação medicamentosa já é um exagero. A planta in natura tem a sua composição nutricional, mas, quando vira uma cápsula, isso muda. Reduz bastante. Não tem nenhum estudo científico que comprove o seu benefício nas ações que foram colocadas”, afirma.

Elaine destaca que as pessoas devem ficar atentas aos produtos que oferecem “múltiplas ações”.

“Nenhum alimento pode ser usado com indicação terapêutica. Pode-se usar o alimento como coadjuvante, como uma arma a mais no tratamento, mas as pessoas precisam tomar muito cuidado com esses produtos milagrosos. Nem na indústria farmacêutica tem uma substância para colesterol, diabete e outras doenças ao mesmo tempo.”

Compartilhar:
error0

Bebidas açucaradas pioram a esclerose múltipla?

Estudo associa maior consumo de itens como refrigerantes, néctares e chás adoçados com sintomas mais severos da doença

Por: Saúde

A  pesquisadora Elisa Meier-Gerdingh, do St. Josef-Hospital, em Bochum, na Alemanha, decidiu avaliar o impacto da alimentação na severidade da esclerose múltipla, doença autoimune que atinge o sistema nervoso. Para isso, recrutou 135 pessoas com a condição e pediu para que todos respondessem a um questionário detalhado sobre os hábitos à mesa.

Como não existe um escore específico para medir a qualidade do cardápio de um paciente em relação ao risco ou progressão dessa doença, a expert usou como referência a dieta Dash, padrão saudável conhecido por ajudar no controle da pressão alta.

Na Dash, a ingestão de frutas, verduras, legumes, oleaginosas, grãos integrais e laticínios é considerada bem-vinda, enquanto o consumo de sódio, bebidas açucaradas, além de carne vermelha e processada pesa contra.

Em paralelo à avaliação da dieta, cada participante foi examinado para estabelecer o nível de incapacidade provocado pela doença.

Hora de cruzar os dados

Elisa e seu time não encontraram nenhuma relação entre seguir (ou não) a Dash no geral e a severidade dos sintomas. “Então, nós analisamos cada componente da dieta individualmente”, conta.

Foi aí que encontraram o seguinte: os maiores consumidores de bebidas açucaradas, como refrigerantes, sucos, chás e café adoçados, apresentavam sintomas mais severos. “Essas pessoas consumiam 290 calorias vindas dos líquidos, o equivalente a duas latinhas de refrigerante por dia”, conta a expert.

“Essas bebidas são classificadas como componentes de uma dieta pouco saudável, que facilita o desenvolvimento de doenças crônicas, como hipertensão”, analisa Elisa. “Ao mesmo tempo, pessoas com esclerose múltipla apresentam risco aumentado de doenças metabólicas”, completa. Por isso, a pesquisadora acha que uma relação entre as duas coisas de fato não é tão improvável.

Só que Elisa frisa que ainda não dá para concluir se as bebidas pioram a doença ou se os quadros mais graves dificultam a adesão a uma dieta saudável. De qualquer forma, diante dos resultados, ela acha que vale a pena a ciência ir atrás de mais dados sobre esse elo.

Compartilhar:
error0

Rúcula traz benefícios para o coração e combate o câncer

Por: terra saúde

odas as verduras são saudáveis, mas a rúcula se destaca por ser uma rica fonte de vitaminas e minerais. Em comparação com a alface, por exemplo, ela contém cerca de oito vezes mais cálcio, cinco vezes mais vitaminas A, C e K, e quatro vezes mais ferro. A escolha é fácil: uma salada de rúcula faz você uma pessoa mais saudável.

rúcula

Adicionar a rúcula ao cardápio contribui para o combate a doenças cardiovasculares. Foto: iStock, Getty Images

Nutrientes encontrados na rúcula

A rúcula é um membro da família dos crucíferos, gênero que compreende alguns dos alimentos mais saudáveis ​​do mundo, incluindo brócolis e couve. Portanto, não é de estranhar que este vegetal tenha uma riqueza de benefícios à saúde.

Devido aos altos níveis de ácido fólico e antioxidantes, como a vitamina C, K e A, ela é eficaz contra os radicais livres. É rica em carotenóides, assim como muitos outros minerais, como potássio, manganês, ferro e cálcio, que são elementos benéficos para a saúde.

O consumo de dois copos deste vegetal fornece 20% da vitamina A, 50% da vitamina K e 8% da vitamina C, do ácido fólico e do cálcio que uma pessoa precisa diariamente.

rúcula

Benefícios para a saúde com o consumo de rúcula

Câncer

Durante os últimos 30 anos, comer quantidades elevadas de vegetais crucíferos tem sido associado a um risco menor de câncer. Estudos têm sugerido que os compostos contendo sulforafano, que dão aos vegetais crucíferos seu sabor amargo, são fundamentais no combate ao câncer.

Recentes pesquisas têm apontado, agora, que o sulforafano é capaz de retardar ou impedirprincipalmente o melanoma e os cânceres de esôfago, próstata e pâncreas. Os estudiosos têm concluído que o composto pode inibir a progressão de células cancerígenas.

Além disso, conforme um levantamento publicado no Nutrition Journal, em 2004, a clorofila presente na rúcula, quando em temperatura elevada, é eficaz para bloquear os efeitos do câncer.

Osteoporose

A baixa ingestão de vitamina K é associada ao maior risco de fratura óssea. Portanto, seu consumo adequado melhora a saúde óssea. A vitamina K age como um modificador de proteínas da matriz óssea, melhorando a absorção de cálcio e reduzindo a excreção urinária desse mineral.

A rúcula também contribui para a sua necessidade diária de cálcio, proporcionando 64 mg em 2 xícaras.

Diabetes

As folhas verdes contêm um antioxidante conhecido como o ácido alfa-lipoico, que pode reduzir os níveis de glicose, aumentar a sensibilidade à insulina e impedir alterações oxidativas induzidas pelo estresse em pacientes com diabetes.

Coração

Rica em vitaminas C e K, a rúcula também fornecer benefícios significativos para as pessoas que buscam reduzir o risco de doença cardíaca ou outras doenças cardiovasculares.

Um estudo publicado no Journal of American College of Nutrition descobriu que as pessoas que consomem um suplemento diário de vitamina C apresentam, dentro de dois meses, uma queda de 24%em seus níveis de PCR. Especialistas acreditam que os níveis de PCR de uma pessoa são uma medida mais precisa do que os níveis de colesterol quanto ao risco de doença cardíaca nas pessoas.

Por outro lado, a vitamina K melhora a saúde cardiovascular porque estimula que o cálcio vá para os ossos – e não para as artérias.

Compartilhar:
error0

Uma consulta só não basta

Publicado no Facebook por: Rosane Cincinatus – Nutricionista

🍏Este é um dos grandes desafios que enfrentamos em atendimentos: o imediatismo. As pessoas querem resolver todos os problemas de saúde de uma vez esquecendo que levaram meses ou anos doentes. 
.
🍉É preciso trabalhar a ansiedade de cada paciente para que ele entenda que resultados a longo prazo trazem benefícios duradouros!
.
🤔 Antes de qualquer mudança alimentar é preciso ter uma mudança comportamental e passar pela etapa de refletir as atitudes que estão interferindo em seus problemas de saúde.
.
Crédito texto e imagem: @maniasdenutricionistas

Compartilhar:
error0

Os NUTRIENTES NÃO AGEM ISOLADAMENTE, mas sim em SINERGIA ou até em ANTAGONISMO.

Por Rosane Cincinatus Nutricionista

Os NUTRIENTES NÃO AGEM ISOLADAMENTE, mas sim em SINERGIA ou até em ANTAGONISMO. Vejamos alguns exemplos:

✅ O Magnésio e Ferro parecem ser necessários para a conversão da Vitamina D em moléculas com maior atividade biológica (25-hidroxi-vitamina D e 1α,25-dihidroxi-vitamina D).
✅ A Vitamina D parece influenciar a hepcidina, que por sua vez afecta negativamente a absorção e status de ferro.
✅ Existe alguma evidência (ainda que limitada) que suplementar com Vitamina D e cálcio alguém que não ingere quantidades adequadas de Vitamina K, em especial Vitamina K2, poderá causar calcificação arterial.
✅ O aumento da ingestão de iodo (através de alimentos ou suplementos) por alguém genéticamente predisposto (no que à autoimunidade se refere) e que tem baixa ingestão de cisteína e/ou deficiência de selénio, magnésio e de vitaminas B1, B2, B3 e B6 (nutrientes essenciais para uma adequada síntese e redução de glutationa e para uma correta atividade da enzima antioxidante Glutationa Peroxidase) poderá resultar em Tiroidite.
✅ O Folato interage com vários nutrientes, como, por exemplo, a Vitamina B12, pelo que a suplementação isolada de folato poderá mascarar ou agravar a deficiência de B12.
✅ A Anemia ferropénica nem sempre envolve apenas a deficiência de Ferro.
✅ Uma excessiva ingestão de Zinco poderá causar deficiência de Cobre.
✅ O aumento da ingestão de ácidos gordos Ómega-3 poderá ser pouco eficaz se o paciente tiver um elevado consumo de ácido linoleico.
✅ A Vitamina B12 influencia o “status” de DHA (um ácido gordo da família Ómega-3 abundante no sistema nervoso central)

A Nutrição é uma disciplina científica complexa, pelo que, na minha opinião, só quando a virmos dessa forma e abandonarmos as visões simplistas (que incluem receitas iguais para todos) é que poderemos de fato fazer a diferença.
.
Tenha seu Nutricionista!!
.

Compartilhar:
error0

Alimentos que aumentam a serotonina e garantem o Bom Humor

Por: TUASAÚDE – Tatiana Zanin – Nutricionista

Compartilhar:
error0

Aspargo é um alimento altamente alcalino para limpar os rins, bexiga e proteger a saúde do fígado

O Aspargo (ou espargo) é um membro da família do lírio, que inclui alho-poró, alho e cebola. Tem um ponto de lança com uma cabeça em forma de botão, compacta e pontiaguda.

Pode surpreendê-lo que existem algumas centenas de variedades de aspargos, mas apenas uma pequena quantidade é comestível.

Embora disponível durante todo o ano, o aspargo é geralmente encontrado mais e melhor na primavera e é colhido quando medido 6 a 8 centímetros de altura.

A variedade que comemos é geralmente de cor púrpura verde ou esverdeada. Há também uma variedade branca que é cultivada no subsolo para preservar seu sabor delicado. Mas esses caules desprovidos de luz solar também carecem da bondade da clorofila.

Os aspargos são caros em comparação com outros vegetais mais comuns, simplesmente porque são colhidos à mão e produzidos em pequenos volumes.

Benefícios nutricionais do aspargo

O aspargos é um alimento alcalino que é rico em proteínas, mas pobre em calorias e carboidratos. É uma excelente fonte de potássio, ácido fólico, vitaminas A, C e K e traços do complexo de vitamina B.

Uma boa fonte de fibra dietética, o aspargo também é rico em niacina, fósforo e sódio muito baixo. E o mais importante é que é um daqueles poucos legumes que realmente tem o cálcio e o magnésio na proporção ideal de 2: 1.

Benefícios à saúde do aspargo

O aspargo tem em abundância um aminoácido chamado asparagina, que ajuda a limpar o corpo de resíduos. Como resultado, a urina de algumas pessoas pode ter um odor desagradável depois de comer aspargos. Não se preocupe se isso acontecer com você. Apenas fique feliz que seus rins estejam recebendo uma boa limpeza.

O aspargo é um dos poucos vegetais que é denso em nutrientes saudáveis que ajudam muitas doenças.

Acidez, sangue: a alta alcalinidade deste suco maravilhoso é eficaz para reduzir a acidez do sangue e ajuda a limpar os tecidos e músculos do lixo.

Artrite e reumatismo: um fitoquímico único nos espargos que produz um efeito anti-inflamatório ajuda a aliviar a artrite e o reumatismo.

Movimento intestinal: Consumir aspargos regularmente pelo seu efeito laxante suave e fibra alimentar que proporciona um movimento intestinal regular.

Câncer: Os Aspargos são uma excelente fonte de anti-oxidante e glutationa que pode ajudar a prevenir o câncer.

Catarata: O anti-oxidante e a glutationa no aspargo previne a progressão da catarata e outros problemas oculares.

Diabetes / Hipoglicemia: Os minerais saudáveis no suco de aspargos fazem dele uma dieta importante para pessoas que estão controlando seus níveis de açúcar no sangue. No entanto, não deve ser tomado por pessoas com doenças renais avançadas.

Diurético: O aspargo é um vegetal maravilhosamente diurético e sua eficácia é mais pronunciada quando é tomada em forma de suco.

Doença cardíaca: Beba uma pequena quantidade de suco de aspargos misturado com mel cru três vezes ao dia, diariamente, para fortalecer um coração fraco ou dilatado.

Rins: As propriedades diuréticas e alcalinas dos espargos ajudam a prevenir ou dissolver cálculos renais. Ajuda a quebrar os ácidos oxálico e úrico formados no rim.

Fígado: A clorofila e os outros fitonutrientes nos aspargos são excelentes alimentos para desintoxicar o fígado e fornecer suporte para a saúde dos órgãos.

Sintomas da TPM: O efeito diurético do suco de aspargos ajuda a aliviar o inchaço pré-menstrual. O magnésio neste suco maravilhoso também ajuda a aliviar irritabilidade, fadiga, depressão, etc.

Gestantes: O alto conteúdo de folato, cálcio e outros minerais no aspargo é importante na redução do risco de defeitos congênitos e baixo peso ao nascer. O efeito diurético do suco também é uma grande ajuda na redução da retenção de água em mulheres grávidas.

Aspargo e saúde renal

O aspargo é mais conhecido por impulsionar a saúde dos rins e da bexiga. Os ricos fitonutrientes penetram profundamente nos órgãos para eliminar as toxinas. Algumas das ações específicas dos aspargos para o sistema renal são:

• Suporta funções dos rins e da bexiga

•Aumenta a produção de urina devido às suas propriedades diuréticas

• Garante o fluxo de micção suave

• Limpa os rins e bexiga

• Quebra ácido úrico e expelindo-os

• Remove toxinas / bactérias devido à sua natureza anti-parasitária

Estas ações de suporte mantêm o sistema renal em condição de ponta, reduzindo o ácido úrico e outras toxinas / patógenos no sistema, garantindo o fluxo regular de urina e reduzindo a inflamação dos órgãos.

Conselhos de consumo

Ao comprar aspargos, escolha hastes retas e firmes com pontas apertadas. Sempre coma fresco, mas se tiver que guardar, mantenha-os secos e embrulhados em um saco plástico por até três dias na geladeira.

Coma aspargos por sua fibra dietética. Mas também aproveite o suco, especialmente usando as extremidades difíceis da haste.

Aqui está uma sugestão para preparar um bom copo de suco de espargos com os melhores ingredientes para a saúde renal.

Fonte: Juicing for health

Compartilhar:
error0