Arquivo da categoria: Depressão

Depressão: sintomas, causas, tratamento e teste

Por: Minha Vida

O que é Depressão?

A depressão (CID 10 – F33) é um distúrbio que gera uma tristeza profunda, perda de interesse generalizado, falta de ânimo, de apetite, ausência de prazer e oscilações de humor que podem acabar em pensamentos suicidas.

Por isso, a depressão precisa de um acompanhamento médico, tanto para o diagnóstico quanto para o tratamento adequado.

A depressão atinge mais de 300 milhões de pessoas de todas as idades no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, a estimativa é que 5,8% da população seja afetada pela doença. (1)

Tristeza ou Depressão

Há uma grande diferença entre tristeza e depressão. A tristeza pode ocorrer desencadeada por algum fato do cotidiano, onde a pessoa realmente sofre com aquilo até assimilar o que está acontecendo e geralmente não dura mais do que quinze a vinte dias. Já a depressão se instala e se não for tratada pode piorar e passar por três estágios: leve (CID 10 F33.0), moderada (CID 10 – F33.1) e grave (CID F33.2).

Como identificar o início de uma depressão?

Geralmente a pessoa pode apresentar dois ou mais dos seguintes sintomas:

  • Apatia
  • Falta de motivação
  • Medos que antes não existiam
  • Dificuldade de concentração
  • Perda ou aumento de apetite
  • Alto grau de pessimismo
  • Indecisão
  • Insegurança
  • Insônia
  • Falta de vontade em fazer atividades antes prazerosas
  • Sensação de vazio
  • Irritabilidade
  • Raciocínio mais lento
  • Esquecimento
  • Ansiedade
  • Angústia.

Além disso, o indivíduo pode apresentar alguns sintomas físicos que os médicos não conseguem encontrar causas aparentes, como:

  • Dores de barriga
  • Má digestão
  • Azia
  • Constipação
  • Flatulência
  • Tensão na nuca e nos ombros
  • Dores de cabeça
  • Dores no corpo
  • Pressão no peito.

Estes são alguns dos indícios da depressão. Mas, se houver dúvida, procure um especialista para ter um diagnóstico e tratamento corretos. Não tenha medo ou vergonha de expressar o que realmente está sentindo e vivenciando, pois esses profissionais irão se basear nestes dados para poderem prescrever um tratamento e a partir daí, o paciente voltar a ter qualidade de vida, com alegria e bem estar.

Relação entre o suicídio e a depressão

O suicídio e depressão são muito relacionados. Contudo, nem todas as pessoas que apresentam um transtorno depressivo têm o risco de cometer suicídio.

A tendência a tirar a própria vida está relacionada a alguns fatores, sendo os mais importantes os seguintes:

  • A gravidade do quadro depressivo: nos quadros depressivos graves, a porcentagem de tentativa de suicídio é muito mais elevada
  • O uso de álcool e drogas: que podem causar estados depressivos pós uso e são extremamente graves, pois potencializam estados depressivos já existentes
  • Situações existenciais pessoais com uma somatória de fatores: idade, presença de uma doença crônica ou terminal, desesperança
  • Presença de traumas psicológicos como os abusos sexuais infantis.

Qualquer pessoa que tenha um agravamento muito severo de um quadro depressivo, a ponto de não querer mais viver (mesmo que não mencione se matar), é um candidato em potencial ao suicídio.

A depressão é uma doença multicausal e bastante complexa. Vários são os fatores que podem agravá-la a ponto de levar uma pessoa a tirar a própria vida:

  • A dificuldade ou recusa em buscar ajuda ou tratamento: a doença vai tendo uma evolução progressiva levando o indivíduo à total falta de energia
  • Doenças orgânicas: Parkinson, algumas doenças reumáticas, alguns tipos de tumores, entre outras doenças, podem produzir como consequências físicas e psíquicas um estado depressivo muito intenso.
  • Situações de perda muito intensas, que produzam uma verdadeira ruptura de valores do indivíduo. É como se ele perdesse (ou fosse perder) tudo que significa ou dá sentido a sua vida. Não tendo outros valores para continuar vivendo, tira sua vida. (2)

Relação entre depressão e ansiedade

Muitas vezes, a depressão e ansiedade estão intimamente ligadas. Os sintomas se associam, e potencializam o mal-estar.

Teste de depressão

O diagnóstico da depressão deve ser feito por um especialista. Entretanto, é possível reconhecer alguns sintomas em si mesmo, para saber se está na hora de buscar ajuda médica. 

Tipos

Tipos de depressão

Existem diversos tipos de distúrbios de depressão. Os mais comuns são:

Episódio depressivo

Um episódio depressivo costuma ser classificado como um período de tempo em que a pessoa apresenta uma alteração em seu comportamento, passando por um episódio depressivo apresenta sintomas da síndrome depressiva, como (3):

  • Humor deprimido
  • Falta de energia
  • Falta de iniciativa e vontade
  • Falta de prazer
  • Alteração do sono
  • Alteração do apetite
  • Lentificação do pensamento
  • Lentificação motora.

Estes quadros tendem a ter uma duração mais curta, de até seis meses, sem uma intensificação dos sintomas.

Depressão profunda (Transtorno depressivo maior)

Se uma pessoa começa a ter quadros depressivos recorrentes ou mantém os sintomas de depressão por mais de seis meses com uma intensificação do quadro, pode-se considerar que ela esteja passando por uma depressão profunda (ou transtorno depressivo maior).

Normalmente o transtorno depressivo maior é um quadro mais grave e também tem grande relação com a herança genética. Nele há uma mudança química no funcionamento do cérebro, que pode ser desencadeada por uma causa física ou emocional.

Depressão bipolar

As fases de depressão dentro do transtorno bipolar também são consideradas um subtipo de depressão. Os sintomas apresentados na fase de depressão são os mesmos de um episódio depressivo. Já nas fases de euforia, o paciente pode apresentar sintomas como (4):

  • Agitação
  • Ocupação com diversas atividades
  • Obsessão com determinados assuntos
  • Aumento de impulsividade
  • Aumento de energia
  • Desatenção
  • Hiperatividade.

Distimia

Distimia é uma forma crônica de depressão, porém menos grave do que a forma mais conhecida da doença. Com a distimia, os sintomas de depressão podem durar um longo período de tempo – muitas vezes, dois anos ou mais.

O paciente com distimia pode perder o interesse nas atividades diárias normais, se sentir sem esperança, ter baixa produtividade, baixa autoestima e um sentimento geral de inadequação. As pessoas com distimia são consideradas excessivamente críticas, que estão constantemente reclamando e são incapazes de se divertir. 

Depressão atípica

Normalmente os quadros de depressão costumam ser melancólicos, em que o paciente apresenta principalmente tristeza e pensamentos de morte, desesperança e inutilidade. A depressão pode ser atípica quando há predomínio de falta de energia, cansaço, aumento excessivo de sono e o humor apático.

Depressão sazonal

O maior exemplo de depressão sazonal são os episódios de tristeza relacionados ao inverno, que ocorrem devido à baixa exposição à luz solar.

Existem outros tipos de depressões sazonais, ligadas às épocas do ano, por exemplo, durante as festas de final de ano onde os níveis de estresse acabam aumentando.

Fique atento com períodos de tristeza de desânimo que acontecem em períodos épocas específicas – sempre que está frio ou sempre próximo de uma data específica, por exemplo.

Depressão pós-parto

depressão pós-parto ocorre logo após o parto. Os sintomas incluem tristeza e desesperança. Muitas novas mães experimentam alterações de humor e crises de choro após o parto, que se desvanecem rapidamente. Elas acontecem principalmente devido às alterações hormonais decorrentes do término da gravidez. No entanto, algumas mães experimentam esses sintomas com mais intensidade, dando origem à depressão pós-parto. 

Depressão psicótica

A depressão psicótica alia os sintomas de tristeza a outros menos típicos, como delírios e alucinações. Este é considerado um tipo de depressão grave, mas costuma ser raro. No entanto, qualquer pessoa pode desenvolvê-lo, e não só quem tem histórico de psicoses na família.

Causas

A depressão é na realidade uma ampla família de doenças, por isso denominada Síndrome. Há uma série de evidências que mostram alterações químicas no cérebro do indivíduo deprimido, principalmente com relação aos neurotransmissores (serotonina, noradrenalina e, em menor proporção, dopamina), substâncias que transmitem impulsos nervosos entre as células. Outros processos que ocorrem dentro das células nervosas também estão envolvidos

O que provoca a depressão?

Ao contrário do que normalmente se pensa, os fatores psicológicos e sociais, muitas vezes, são consequência e não causa da depressão. Vale ressaltar que o estresse pode precipitar a depressão em pessoas com predisposição, que provavelmente é genética. A prevalência (número de casos numa população) da depressão é estimada em 19%, o que significa que aproximadamente uma em cada cinco pessoas no mundo apresenta o problema em algum momento da vida.

Veja a seguir, alguns fatores que podem aumentar as chances de desenvolver a depressão:

  • Abuso: Sofrer abuso físico, sexual ou emocional pode aumentar a vulnerabilidade psicológica, agravando as chances de desenvolver a depressão
  • Medicações específicas: Alguns elementos químicos, como a Isotretinoína (usada para tratar a acne), o antiviral interferon alfa, e o uso de corticóides,podem aumentar o risco de desenvolver depressão
  • Conflitos: A depressão em alguém que já tem predisposição genética para a doença, pode ser resultado de conflitos pessoais ou disputas com membros da família e amigos
  • Morte ou perda: A tristeza ou luto proveniente da morte ou perda de uma pessoa amada, por mais que natural, pode aumentar os riscos de desenvolver depressão
  • Genética: Um histórico familiar de depressão pode aumentar as chances de desenvolver a doença. É de conhecimento científico que a depressão é complexa, o que significa que podem haver diversos genes que exercem pequenos efeitos para o surgimento da doença, ao invés de um único gene que contribui para o quadro clínico
  • Eventos grandiosos: Eventos negativos como ficar desempregado, divorciar-se ou se aposentar podem ser prejudiciais. Porém, até mesmo eventos positivos como começar um novo emprego, formar-se ou se casar podem ocasionar a depressão. Entretanto, é importante reiterar que a depressão não é apenas uma simples resposta frente à momentos estressantes do cotidiano
  • Outros problemas pessoais: Problemas como o isolamento, causado por doenças mentais, ou por ser expulso da família e de grupos sociais, também podem contribuir para o surgimento da depressão
  • Doenças graves: Às vezes, a depressão pode coexistir com uma grande doença, como por exemplo, o câncer. Ou então, pode ser estimulada pelo surgimento de um problema de saúde
  • Abuso de substâncias: Aproximadamente 30% das pessoas com vícios em substâncias apresentam depressão clínica ou profunda.

Sintomas

Sintomas de Depressão

São sintomas de depressão:

  • Humor depressivo ou irritabilidade, ansiedade e angústia
  • Desânimo, cansaço fácil, necessidade de maior esforço para fazer as coisas
  • Diminuição ou incapacidade de sentir alegria e prazer em atividades anteriormente consideradas agradáveis
  • Desinteresse, falta de motivação e apatia
  • Falta de vontade e indecisão
  • Sentimentos de medo, insegurança, desesperança, desespero, desamparo e vazio
  • Pessimismo, ideias frequentes e desproporcionais de culpa, baixa autoestima, sensação de falta de sentido na vida, inutilidade, ruína, fracasso, doença ou morte.

A pessoa pode desejar morrer, planejar uma forma de morrer ou tentar suicídio

Interpretação distorcida e negativa da realidade: tudo é visto sob a ótica depressiva, um tom “cinzento” para si, os outros e o seu mundo

Dificuldade de concentração, raciocínio mais lento e esquecimento

Diminuição do desempenho sexual (pode até manter atividade sexual, mas sem a conotação prazerosa habitual) e da libido

Perda ou aumento do apetite e do peso

Insônia (dificuldade de conciliar o sono, múltiplos despertares ou sensação de sono muito superficial), despertar matinal precoce (geralmente duas horas antes do horário habitual) ou, menos frequentemente, aumento do sono (dorme demais e mesmo assim fica com sono a maior parte do tempo)

Dores e outros sintomas físicos não justificados por problemas médicos, como dores de barriga, má digestão, azia, diarreia, constipação, flatulência, tensão na nuca e nos ombros, dor de cabeça ou no corpo, sensação de corpo pesado ou de pressão no peito, entre outros.

.

Imagem: Minha Vida
Imagem: Minha Vida

Sintomas físicos da depressão

Além dos sintomas emocionais, a depressão também dá sinais físicos. Para entender quais são eles, e como se manifestam, confira nosso conteúdo sobre o assunto.

Diagnóstico e Exames

Fatores de risco

Alguns fatores podem facilitar o aparecimento dessa patologia. Veja aqui os gatilhos mais comuns da depressão (5):

  • Neurotransmissores alterados
  • Fatores genéticos
  • Doenças crônicas
  • Eventos traumáticos na infância ou mesmo vida adulta
  • Abuso de substâncias, como álcool, cigarro e drogas ilícitas
  • Medicamentos e seus efeitos colaterais
  • Acúmulo de estresse

Sintomas

Buscando ajuda médica

É perfeitamente normal sentir-se triste, chateado ou infeliz com situações estressantes da vida. Contudo, pessoas com depressão experimentam essas sensações constantemente durante por anos. Isso pode interferir nos relacionamentos, trabalho e atividades diárias.

Se você apresenta os sintomas de depressão e acredita que isso esteja atrapalhando duas atividades e modo de vida, busque ajuda. Se não tratada efetivamente, a depressão pode progredir para algo mais grave, como as tentativas de suicídio. (6)

Como perceber que uma pessoa com depressão pode estar próxima do suicídio?

Geralmente a pessoa manda uma série de sinais através do comportamento, mas que nem sempre são percebidos ou então não são levados a sério. Qualquer pessoa que tenha um agravamento muito severo de um quadro depressivo, a ponto de não querer mais viver (mesmo que não mencione se matar), é um candidato em potencial ao suicídio. Se nessa situação falar que quer morrer deve ser levado a sério, pois muitos que ameaçam o suicídio realmente fazem a tentativa, às vezes não por vontade de se suicidarem propriamente, mas simplesmente por estarem cansados de viver.

Diagnóstico e Exames

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar a depressão são:

  • Clínico geral
  • Psiquiatra
  • Psicólogo.

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade
  • Se possível, peça para uma pessoa te acompanhar.

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Quais são seus sintomas e o quão severos eles são?
  • Como estes sintomas impactam no seu dia a dia?
  • Você se sente deprimido na maior parte do dia?
  • Quando você começou a notar que estava depressivo?
  • Você já pensou em morte ou suicídio?
  • Seus sentimentos de depressão são ocasionais ou contínuos?
  • O que parece aumentar sua tristeza?
  • Você já passou por alguma experiência traumática?
  • Você tem ou já teve outras condições de saúde física ou mental?
  • Você usa algum medicamento?
  • Você tem histórico familiar de depressão?

Também é importante levar suas dúvidas para a consulta por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que você conseguirá respostas para todas as perguntas relevantes antes da consulta acabar. Para ansiedade, algumas perguntas básicas incluem:

  • Qual é a causa mais provável para minha depressão?
  • Existem outros fatores que podem estar piorando minha depressão?
  • Eu preciso ver outro médico ou um psicólogo/psiquiatra?
  • Que tipo de terapia pode me ajudar?
  • Medicamentos podem me ajudar?
  • Posso fazer algum tipo de terapia complementar?
  • Além do tratamento, o que posso fazer para ajudar a diminuir minha depressão?

Não hesite em fazer outras perguntas, caso elas ocorram no momento da consulta.

Diagnóstico de Depressão

O diagnóstico é feito com base nos sintomas apresentados, em como a pessoa se apresenta fisicamente e emocionalmente no momento e em uma breve análise do seu histórico de vida e familiar.

Além disso, a depressão é classificada de acordo com a sua intensidade – leve, moderada ou grave. (7) Portanto, o especialista precisa fazer uma avaliação para entender que condições podem estar levando você a ter depressão.

Exames

Para excluir a possibilidade de doenças físicas, podem ser pedidos exames como:

  • Exame físico durante a consulta
  • Exame de sangue
  • Exames neurológicos.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Depressão

Como se trata de uma família grande de “depressões” com múltiplas causalidades,; antes de se iniciar qualquer tratamento é necessário que seja feita uma investigação etiológica rigorosa.

Após o levantamento das causas envolvidas pode-se fazer um planejamento terapêutico adequado. Existem diversas “ ferramentas “ terapêuticas, e a medicamentosa é uma das mais importantes.

Existem mais de 30 antidepressivos disponíveis. Ao contrário do que alguns temem, essas medicações não são como drogas, que deixam a pessoa eufórica e provocam vício. A terapia é simples e, de modo geral, não incapacita ou entorpece o paciente.

Alguns pacientes precisam de tratamento de manutenção ou preventivo, que pode levar anos ou a vida inteira, para evitar o aparecimento de novos episódios de depressão. A psicoterapia ajuda o paciente, mas não previne novos episódios, nem cura a depressão.

Depressão: Tenho depressão, e agora?

A técnica auxilia na reestruturação psicológica do indivíduo, além de aumentar a sua compreensão sobre o processo de depressão e na resolução de conflitos, o que diminui o impacto provocado pelo estresse.

Psicoterapia

A terapia com um psicólogo pode ajudar o paciente a entender os fatores do dia a dia que desencadeiam a depressão, reduzir seus sintomas e trabalhar os eventos que o levaram a desenvolver este problema.

Algumas abordagens são mais recomendadas, como:

– Psicanálise freudiana: O autoconhecimento é a chave desse tipo de psicanálise, baseada no pensamento de Freud. Ela foca o inconsciente e traz seus problemas para o consciente. Normalmente o profissional não faz um direcionamento, deixando com que a pessoa decida sobre o que quer falar. Esse tipo de terapia é indicada para pessoas que, mais do que simplesmente sanar um problema, estão atrás de descobrir a origem e a chave de suas questões e se conhecer mais.

– Psicanálise junguiana: Ela leva em consideração o inconsciente, o que é reprimido e tratá-lo através de símbolos, imagens oníricas, usando os sonhos como método de análise Também está mais ligada à busca pelo autoconhecimento e a recuperação da própria essência, mas também pode tratar depressão, ansiedade e encontrar a raiz desses problemas.

– Psicanálise lacaniana: Nessa abordagem há associação livre de palavras e é através da linguagem que chegamos ao núcleo do ser.

– Gestalt: É considerada uma terapia holística, justamente por levar em conta o todo das situações. Ela sempre examina o paciente as relações no que está em torno, o foco é trabalhar a pessoa no ambiente onde ela está, mas fazer com que ela se afaste da situação para ter a noção do todo. Essa análise é feita baseado na conversa, mas o profissional vai direcionando o diálogo e fazendo perguntas, pedindo descrições do papel de cada um nas situações e tecendo considerações.

– Terapia cognitivo-comportamental: Mais conhecida como TCC, ela se foca em problemas específicos e na melhor forma de saná-los. Seu principal foco está na resolução de traumas, apesar de servir para outros tipos de problemas. Funciona bem com fobias e com o tratamento do TOC (8).

Exercícios

Muitas pessoas procuram alternativas para acabar com os sintomas da depressão. Uma forma de ajudar no tratamento é inserir a prática de exercícios físicos na rotina.

Um estudo realizado pelo Centro Médico de Southwestern, na Universidade do Texas (EUA) (9), descobriu a prática de exercícios aeróbicos regulares pode reduzir os sintomas de depressão pela metade. De acordo De acordo com a pesquisa, o grupo que praticou exercícios aeróbicos cinco vezes por semana reduziu os sintomas em 47% após três meses de treinos. Já o grupo que se exercitava três vezes por semana melhorou seus sintomas em 30%.

A atividade física proporciona distração e convívio social, além de liberar substâncias como endorfina e serotonina, responsáveis por melhorar o humor. Praticar esportes, seja de curta ou longa duração, causa bem-estar mental e melhora psicológica na maioria das pessoas. Bastam 15 a 30 minutos de exercícios em dias alternados para sentir os efeitos positivos (10).

Depressão: Dicas para combater

Medicamentos para Depressão

Os medicamentos mais usados para o tratamento de depressão são:

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

Depressão tem cura?

Desde que tenha sido realizado um diagnóstico correto que leve em consideração todos os fatores envolvidos, o que se pode esperar um uma melhora total do quadro depressivo. As expectativas são atualmente muito boas

Com os métodos de tratamento atuais, e principalmente com os fármacos de ultima geração, o prognóstico é realmente muito bom

Convivendo (prognóstico)

Complicações possíveis

Pessoas depressivas há muito tempo e sem tratamento podem ter uma série de problemas como:

  • Baixas no sistema imunológico
  • Aumento dos processos inflamatórios
  • Cansaço extremo
  • Fraqueza
  • Insônia (ou sono de má qualidade)
  • Dificuldade para se concentrar
  • Problemas ou disfunções sexuais
  • Problemas digestivos
  • Isolamento social
  • Suícidio
  • Abuso de substâncias.

Convivendo/ Prognóstico

Além de seguir o tratamento à risca, alguns cuidados caseiros podem ajudar na recuperação de quem sofre com depressão:

12 alimentos para controlar a depressão

  • Leite e iogurte desnatado
  • Frutas
  • Laranja e maçã
  • Banana e abacate
  • Mel
  • Ovos
  • Carboidratos complexos
  • Carnes magras e peixes
  • Aveia e centeio
  • Folhas verdes
  • Soja.

Atitudes que ajudam no tratamento

Pratique exercícios físicos: A saúde da mente começa pelo corpo. O exercício físico libera endorfinas e aumenta os níveis de serotonina e dopamina, potencializando o efeito antidepressivo do tratamento. (11)

Mantenha a agenda em dia: Uma das principais manifestações da depressão é a falta de iniciativa e de vontade para realizar até mesmo tarefas cotidianas, como levantar-se da cama. Fazer uma agenda e programar o dia ajuda a dar motivação e compensar essa defasagem. (12)

Alimente-se bem: Comer demais ou simplesmente não comer é clássico de quem sofre de depressão. Mas manter a alimentação saudável é um passo importante para a recuperação.

Fuja do álcool: Embora a sensação inicial causada pelo álcool seja de relaxamento e euforia, o sentimento dura pouco. Depois que esse efeito passar, a pessoa precisará consumir mais álcool, existindo o perigo do abuso e até do vício

Volte a ver beleza nas pequenas coisas: Volte a observar as coisas simples do dia a dia, ou seja, tente admirar uma flor, o gosto de uma comida, apreciar uma caminhada de 10 minutos, olhar o pôr-do-sol, entre outras distrações. A depressão tira a atenção das coisas belas e prazerosas da vida, então você tem que reaprender a focar no que não consegue ver por causa da doença.

Ocupe-se com atividades divertidas: A partir do momento que as pequenas belezas da vida estiverem mais evidentes, fica mais fácil recomeçar a encarar atividades que um dia já foram divertidas. Se isso não parece animador, então procure novas diversões. Busque novidades, aprenda coisas novas e prazerosas, viaje, fuja das notícias ruins e das pessoas negativas.

Reconquiste uma boa noite de sono: Pessoas com depressão, geralmente, dormem demais ou não conseguem pegar no sono. Isso ocorre devido a alterações nos níveis de serotonina e noradrenalina, hormônios que regulam o sono. O problema é que o sono é essencial para o cérebro regular novamente esses hormônios e amenizar os efeitos da depressão. Se o problema for falta de sono é indicado exercícios de respiração, que relaxam e facilitam o adormecer. Se dormir demais for o problema recomenda-se pedir a alguém próximo que o desperte quando achar que você está passando da conta.

Aplicativos para gerenciar a depressão

Existem vários aplicativos que ajudam a controlar a depressão. Veja alguns a seguir, sempre lembrando que eles não substituem um bom acompanhamento médico:

Diário – Controle de Humor: o app possibilita ao usuário manter um diário privado sem que você precise digitar uma única linha. Nele é possível escolher seu humor e adicionar atividades que fez durante o dia. Assim você terá controle de tudo que fez durante o dia e criar padrões para se tornar mais criativo. Avaliado com 4,8 estrelas na Google Play.

5 famosos que têm depressão

Autoavaliação de depressão: Este aplicativo ajuda você a perceber as tendências depressivas em sua vida Responda as questões e descubra qual o seu provável nível de depressão. Avaliado com 4,4 estrelas na Google Play.

Cíngulo – Autoconhecimento: O app possui conteúdos, técnicas, áudios, vídeos e exercícios para que você possa cuidar da sua saúde emocional, onde e quando quiser. Avaliado com 4,9 estrelas na Google Play.

Aplicativos em inglês:

Pacifica – Stress & Anxiety: Este aplicativo ajuda a aliviar a ansiedade, estresse, depressão com base em Terapia Cognitiva-Comportamental e Meditação Mindfulness.

Prevenção

Prevenção

A prevenção da depressão pode ser feita com algumas medidas:

  • Exercícios físicos diários se possível
  • Técnicas de relaxamento
  • Rituais religiosos e religiosidade
  • Arte-terapia
  • Lazer
  • Qualidade de sono
  • Alimentação saudável e balanceada
  • Prevenção e cuidados de outras doenças físicas, se existirem.

Sociedade Brasileira de Psicologia

ABRATA – Associação Brasileira de familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos

Referências

(1) Organização Mundial da Saúde (OMS).

(2) Psiquiatra Pérsio Ribeiro Gomes de Deus (CRM-SP 31.656), diretor técnico de saúde do Hospital Psiquiátrico da Água Funda (SP).

(3) Psiquiatra Diego Freitas Tavares (CRM: 145258) , pesquisador do Programa de Transtornos Afetivos (GRUDA) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IPQ-HC-FMUSP).

(4) Psiquiatra Mario Louzã, doutor em Medicina pela Universidade de Würzburg, Alemanha.

(5) Psicóloga Milena Gonçalves Lhano, pós-graduada em Milão na Itália.

(6) Fábio Roesler, psicólogo e Neuropsicólogo da Clínica de Cefaleia e Neurologia “Dr Edgard Raffaeli”.

(7) Psicanalista Cristiane M. Maluf Martin.

(8) Psicóloga Priscila Gasparini, com especialização em neurologia e doutora pela Universidade de São Paulo (USP).

(9) University Of Texas Southwestern Medical Center At Dallas. “UT Southwestern Researchers Study Benefit Of Exercise, Medication On Depression.” ScienceDaily. ScienceDaily, 5 February 2004. .

(10) Educador físico Fábio Miranda.

(11) Neurologista Thais Rodrigues (CRM: 110217), Diretora do Headache Center Brasil

(12) Adriana de Araujo, psicóloga e autora do livro “O Segredo Para Vencer a Depressão”

Compartilhar:
error0

Estudos recomendam tratar a depressão com magnésio em vez de antidepressivos.

Por: www.atividadesei.com

Tratar a depressão com magnésio em vez de antidepressivos.


Uma nova opção foi lançada recentemente no mundo da medicina. Um remédio natural que pode ajudar a tratar a depressão também, talvez até melhor do que os medicamentos anteriores para a depressão. É sobre magnésio. O magnésio é um mineral que o corpo anseia naturalmente e estudos recentes mostraram que o tratamento da depressão com 248 mg de magnésio por dia pode levar a uma surpreendente reversão dos sintomas dessa doença.

Atualmente no mundo existem 350 milhões de pessoas que sofrem de alguma forma de depressão. Isso é 5% da população mundial. Como esta condição se torna um diagnóstico mais popular, deve haver alternativas para a prescrição comum de antidepressivos.

Os antidepressivos podem fazer maravilhas e realizar milagres, mas eles ainda podem filtrar as toxinas do corpo que podem causar dependência, problemas de saúde piores e outras condições de saúde mental.

A depressão é frequentemente causada por um desequilíbrio de substâncias químicas no cérebro. Medicamentos para a depressão podem curar esses desequilíbrios, mas geralmente deixam alguns efeitos colaterais, como náuseas, ganho de peso, insônia, boca seca e visão turva.

Para algumas pessoas, os efeitos colaterais são mínimos e quase inexistentes, mas, para outros, os efeitos colaterais podem ser tão horríveis quanto a depressão. Muitas dessas pessoas estão procurando um novo tipo de tratamento, que pode curá-las sem causar outro tipo de dano.

Magnésio e seu papel nas reações bioquímicas

O magnésio é um nutriente vital que muitas vezes é deficiente nas dietas modernas. Nossos antigos antepassados ​​teriam um suprimento completo desse mineral de carnes orgânicas, frutos do mar, água mineral e até mesmo nadando no oceano, mas os solos modernos podem não ter minerais e o magnésio é removido da água durante o tratamento municipal de rotina.

Importa se formos um pouco deficientes? Bem, o magnésio desempenha um papel importante nas reações bioquímicas em todo o corpo. Ele está envolvido em muitas atividades de transporte celular, além de ajudar as células a gerar energia de maneira aeróbica ou anaeróbica. Seus ossos são um importante reservatório de magnésio, e o magnésio é o contra-íon do cálcio e do potássio nas células musculares, inclusive no coração.

Se o seu magnésio for muito baixo, poderá sentir cãibras musculares, arritmias e até morte súbita. A regulação iônica é toda sobre como os músculos se contraem e os nervos enviam sinais. No cérebro, o potássio e o sódio se equilibram. No coração e outros músculos, o magnésio absorve parte da carga.

O magnésio é importante para o cérebro

Isso não significa que o magnésio não seja importante no cérebro. Ao contrário! O magnésio é um antigo remédio caseiro para tudo o que o incomoda, incluindo ansiedade, apatia, depressão, dores de cabeça, insegurança, irritabilidade, inquietação, discrição e mau humor.

Em 1968, a Wacker e Parisi relatou que a deficiência de magnésio pode causar depressão , distúrbios de comportamento, dores de cabeça, cãibras musculares, convulsões, ataxia, psicoses e irritabilidade, todos repletion magnésio reversível.

O estresse é o mal aqui, além de nossas lamentáveis ​​dietas deficientes em magnésio. Como no caso de outros minerais, como o zinco, o estresse nos faz desperdiçar nosso magnésio.

O aumento do estresse aumenta a perda de magnésio, e o ambiente pode não substituí-lo facilmente. Como o magnésio é um mineral tão importante para o cérebro como parte de quase todas as partes da resposta ao estresse, recuperação e reparo, parece óbvio estudar como o magnésio se relaciona com a função cerebral e doenças comuns relacionadas. com estresse, como depressão clínica.

Foi até descoberto que, em alguns estudos, o magnésio é útil para pessoas com fibromialgia e depressão grave e diabetes tipo II .

O estudo

Em um estudo, os pesquisadores usaram um design cruzado como controle. Nas primeiras semanas do estudo, metade dos pacientes tomaram cloreto de magnésio (12% de magnésio elementar e quase 100% de biodisponibilidade), e, em seguida, na segunda fase do estudo, a primeira metade desconectado de magnésio, enquanto a outra metade se retirou.

Os pacientes tomaram o suplemento. O estudo não foi enorme, mas também não foi pequeno, com 126 participantes deprimidos. A escala utilizada para medir a depressão foi o PHQ9, e a pontuação média foi pouco acima de 10, o que corresponde a uma depressão moderada.


Alguns pacientes tomaram medicação, outros em terapia, outros não tomaram, mas a chave principal é que outros tratamentos para a depressão não mudaram no decorrer do estudo, apenas o cloreto de magnésio foi adicionado.

Os participantes receberam 2000 mg (248 mg de magnésio elementar) diariamente por 6 semanas em um tempo imediato ou tardio (até a semana 7, cruzando). Escores de depressão, em média, durante o julgamento foram reduzidos em 6 pontos, o que trouxe a média de depressão moderada a leve ou depressão mínima, uma mudança clinicamente importante.

Os escores de ansiedade também melhoraram. Os participantes relataram cãibras musculares reduzidas, dor e desconforto, prisão de ventre e dores de cabeça diminuiu durante o teste de magnésio (sabe-se que todos estes melhorar com suplementação de magnésio e são sinais de depleção de magnésio).

Quando perguntados após o julgamento se continuariam com o magnésio, mais de 60% disseram que sim. Aqueles que não se queixaram de que o magnésio não ajudou ou causou diarreia.

O efeito positivo da suplementação de magnésio desapareceu dentro de 2 semanas após a descontinuação do suplemento, indicando uma depuração relativamente rápida.

Notas importantes

1. Embora a associação entre magnésio e depressão esteja bem documentada, o mecanismo é desconhecido. No entanto, o magnésio desempenha um papel em muitas das vias, enzimas, hormônios e neurotransmissores envolvidos na regulação do humor.

2. É um antagonista do cálcio e um bloqueador dependente de voltagem do canal N-metil-D-aspartato que regula o fluxo de cálcio no neurônio. Em baixos estados de magnésio, altos níveis de cálcio e glutamato podem desregular a função sináptica, resultando em depressão.

3. Depressão e magnésio também estão associados à inflamação sistêmica. A descoberta de que os participantes que tomaram um ISRS (inibidor seletivo de recaptação de serotonina) experimentaram um efeito positivo ainda maior aponta para o possível papel do magnésio em aumentar o efeito dos antidepressivos.

4. A suplementação de magnésio é barata e segura. A quantidade de magnésio neste ensaio foi abaixo da quantidade diária recomendada de magnésio elementar, e desde que você tenha rins normais, é difícil pegar muito.

5. Para depressão, constipação, dores de cabeça, pernas inquietas ou fibromialgia, faz sentido pelo menos tentar magnésio por algumas semanas. Aqueles que preferem não suplementar podem ser encorajados a adicionar nozes, sementes e chocolate amargo à sua dieta diária, se não forem consumidos.

6. O magnésio pode interferir com alguns medicamentos e vice-versa; portanto, antes de tomá-lo, verifique se o magnésio acompanha a medicação que você está tomando atualmente. Sempre consulte seu médico.

Compartilhar:
error0

Depressão e Câncer

Por: Daniela Camargo – Psicóloga

As pessoas que recebem um diagnóstico de câncer, passam por vários níveis de estresse e angústia emocional. O medo da morte, a interrupção de planos futuros, as mudanças físicas e psíquicos, as mudanças do papel social e do estilo de vida, bem como as preocupações financeiras e legais são assuntos importantes para qualquer pessoa com câncer. Entretanto, nem todas as pessoas com diagnóstico de câncer sofrem uma depressão grave.

Existem muitas idéias preconcebidas e falsas sobre o câncer e sobre como vivem os pacientes com câncer. Por exemplo, a ideia de que todas as pessoas com câncer sofrem, obrigatoriamente, de depressão. Ou ainda, a idéia de que a depressão é normal nas pessoas com câncer, que no existe tratamento para ajudar com a depressão da pessoa com câncer, ou que todos os pacientes com câncer sofrem muitíssimo e têm uma morte muito dolorosa.

A tristeza e o pesar são reações normais às crises que se enfrenta ao se saber com câncer, e todos pacientes as sofrem num momento ou outro. Não obstante, sendo a tristeza comum nesses pacientes, será muito importante distinguir entre os níveis “normais” de tristeza e a depressão.

Uma das partes mais importantes no cuidado de pacientes com câncer é, exatamente, saber reconhecer quando necessitam de tratamento para a depressão. Algumas pessoas têm mais dificuldades que outras para aceitar o diagnóstico de câncer e a desadaptação à essa condição existencial pode precipitar uma Depressão Grave, a qual acaba acometendo 25% desses casos. Nesse caso, já não se trata simplesmente de estar triste ou desanimado.

Assim sendo, basicamente todos os pacientes com câncer sentem tristeza e pesar de forma periódica durante alguma fase de sua doença, seja no diagnóstico, durante o tratamento e/ou depois dele. Inicialmente, quando é comunicado o diagnóstico de câncer ao o paciente, a primeira reação emocional é de descrença, rejeição (negação) ou desespero.

Nessa fase de negação a pessoa pode ter problemas de insônia, perder o apetite, sentir-se angustiada e estar preocupada com o futuro. Esses sintomas podem diminuir conforme ela vai se acostumando com o diagnóstico.

Um dos sinais de que a pessoa está tendo melhor aceitação de sua doença, é a manutenção da capacidade para continuar participando das atividades diárias e sua habilidade para continuar cumprindo seu papel social, de cônjuge, pai (mãe), funcionário(a), etc, incorporando as sessões de tratamento em seu esquema de vida cotidiano.

Por outro lado e, inversamente, aquelas pessoas que demoram muito em aceitar o diagnóstico e perdem o interesse em suas atividades diárias pode ser um forte indício de Depressão.

Uma preocupação muitíssima importante é em relação aos pacientes que no demonstram sintomas óbvios e típicos de depressão. Esses terão uma série de manifestações emocionais patológicas não só extremamente molestas, como também, capazes de interferir negativamente na evolução do tratamento. Esses pacientes com depressão atípica também podem beneficiar-se muito do tratamento.

Tanto os indivíduos como as famílias que se enfrentam a um diagnóstico de câncer experimentaram diversos níveis de estresse e de perturbação emocional. A Depressão aparece como uma doença comórbida, aproximadamente 25% de todos pacientes com câncer (Henriksson – 1995). O medo da morte, alteração dos planos de vida, mudanças na imagem corporal, abalo na autoestima, mudanças na situação social e no estilo de vida, assim como preocupações econômicas e ocupacionais são assuntos importantes na vida de qualquer pessoa com câncer e, ainda assim, nem todos os que estão diagnosticados com câncer experimentam Depressão Grave, como se poderia pensar.

Existem muitos mitos sobre o câncer e da maneira como as pessoas o enfrentam. Alguns desses mitos seria, por exemplo: todas as pessoas com câncer estão deprimidas, a Depressão numa pessoa com câncer é normal, os tratamentos antidepressivos não ajudam a Depressão no câncer.

Mitos sobre o Câncer

Todas as pessoas com câncer estão deprimidas
Depressão numa pessoa com câncer é normal
Tratamentos não ajudam a Depressão no câncer
Todos com Câncer sofreram uma morte dolorosa

Sendo a tristeza uma reação comum à qual todas as pessoas com câncer têm que enfrentar e, sendo também a Depressão bastante comum nesses pacientes, é importante distinguirmos entre os graus normais dessa tristeza e os Transtornos Depressivos francos.

Dependendo da personalidade e do perfil afetivo de cada paciente, alguns podem ter severas dificuldades em se ajustar emocionalmente ao diagnóstico de câncer. O quadro a que estão sujeitas essas pessoas mais sensíveis não diz respeito, simplesmente, à tristeza, aos pensamentos negativos ou à falta de ânimo. Elas podem desenvolver a Depressão Grave (ou Maior). Como vimos, esses 15 a 20% de pacientes têm Depressão Maior e devem ser tratados, para que melhore a qualidade de vida e, principalmente, as perspectivas de sucesso no tratamento oncológico (Massie, 1987; Lynch, 1995).

A Reação Vivencial ao Câncer

Inicialmente, a resposta emocional diante do diagnóstico de câncer pode ser relativamente breve, durando alguns dias ou semanas, e pode incluir sentimentos de incredulidade e rejeição da doença ou, de desespero. Esta resposta emocional é considerada fisiologicamente normal e se situa dentro de um espectro de sintomas depressivos que vai, progressivamente, desde a tristeza normal, até um Transtorno de Adaptação do tipo depressivo ou, mais grave, até uma Depressão Maior. Em seguida vem um período de disforia, marcado por uma confusão emocional crescente. Durante este tempo a pessoa experimentará transtornos do sono e do apetite, ansiedade, ironias e críticas amargas e medo do futuro.

Além de algumas pesquisas apontarem entre 15 e 25% a porcentagem de pacientes com câncer que desenvolvem um quadro de Depressão emocional comórbida, outros estudos epidemiológicos indicam que, no mínimo, metade de todos as pessoas diagnosticadas com câncer se adaptou satisfatoriamente. Spencer (1998) sugeriu alguns indicadores sugestivos de adaptação satisfatória. Seriam:

  1. manter-se ativo nos afazeres cotidianos;
  2. reduzir ao mínimo o impacto da doença nos papeis cotidianos (de pai, cônjuge, empregado, etc.), e;
  3. controlar as emoções normais à doença.

Por outro lado, existem também indicadores sugestivos da necessidade de se efetuar uma intervenção o mais precoce possível:

Indícios da necessidade de tratamento para Depressão

  1. Antecedentes pessoais de Depressão;
  2. Sistema precário de respaldo social, tais como: ser solteiro, ter poucos amigos, ambiente de trabalho solitário;
  3. Crenças persistentes e irracionais ou negação à respeito do diagnóstico (alguns aidéticos se recusam a acreditar em sua doença);
  4. Prognóstico mais grave do tipo e estadiamento do câncer;
  5. Maior disfunção orgânica consequente ao câncer.

Alguns níveis de Depressão se consideram leves e subclínicos, normalmente quando inclui apenas alguns, mas não todos, dos critérios para o diagnóstico de Depressão Grave (Veja os critérios de diagnóstico em DSM.IV). Ainda se tratando de Depressão Leve, poderia ser também angustiante e necessitar de certa intervenção, como por exemplo, a terapia de grupo ou individual, tanto através de um profissional de saúde mental como dos vários grupos de apoio ou auto-ajuda (Meyer, 1995).

Mesmo na ausência de sintomas expressivos de Depressão muitos pacientes manifestam interesse na terapia de apoio, embora nem sempre esses pacientes são encaminhados a um profissional de saúde mental qualificado. Quando não tratados esses casos de Depressão (ainda que leves), depois de terem aparentemente desaparecido, podem recorrerem, se intensificarem e se tornarem duradouros (Massie, 1989; Massie, 1993; Weisman, 1976).

O diagnóstico psiquiátrico nas crianças com câncer

As informações sobre a incidência de depressão em crianças fisicamente saudáveis ainda são limitadas e, muitas vezes, contraditórias. Estudos, não tão recentes, em ambulatórios de pediatria mostram que 38% das crianças apresentam problemas suficientes para justificar uma intervenção psicológica-psiquiátrica.

Algumas pesquisas falam que, entre as idades de 7 a 12 anos, há uma incidência de depressão de 1,9%. Se esses números são verdadeiros, pode-se estimar entre 10 a 15% de alunos deprimidos nas escolas. Em 1982, uma comissão conjunta sobre Saúde Mental Pediátrica nos Estados Unidos indicava que 1,4 milhões de crianças abaixo dos 18 anos de idade, necessitavam de ajuda imediata para transtornos depressivos. (Deuber, 1982).

Em relação ao câncer, tudo leva a crer que a maioria das crianças é capaz de lidar com o caos emocional ocasionado pela doença, e não só dar mostras de boa adaptação mas, muitas vezes, fazendo isso melhor que os adultos com câncer e, frequentemente, muito melhor que seus pais.

Nos momentos imediatos e mediatos ao diagnóstico do câncer infantil os resultados podem ser diferentes. Crianças e pais entrevistadas imediatamente depois do diagnóstico do câncer tiveram significativamente mais problemas psicológicos do que as crianças e pais da população geral. Entretanto, em avaliações subsequentes, não havia nenhuma diferença na incidência de problemas psicológicos experimentados por crianças e pais nos dois grupos.

Compartilhar:
error0